11 de novembro de 2015

SOMOS ALEGRES OU FELIZES ?




           - por Taís Luso


Assisti a uma excelente entrevista de Roberto D'Avila com a ex-primeira Dama da França, Carla Bruni Sarkozy, 47 anos. Veio cantar no Brasil e também em Porto Alegre. Meiga, discreta. Uma voz pequena - como diz ela -, mas muito agradável e afinada. Num certo momento D'Ávila perguntou se ela se considerava uma pessoa feliz. Claro que eu esperava um 'sim, sou muito feliz!'. Mas disse sem titubear e segura de si...

- Sou uma pessoa alegre. Alegre.

Gostei da sua sinceridade. E pensei em duas palavras que de uma forma ou outra queremos como companheiras: alegria e felicidade. Então aprendi que alegria é uma coisa; felicidade é outra. Alegria é um acontecimento  prazeroso;  felicidade é uma satisfação plena, um estado de contentamento interior. Dizem que o paraíso não  é um lugar físico, mas sim um estado de espírito. Acredito nisso.

A alegria depende das circunstâncias externas. E como nossas reações, nossa sensibilidade e nosso humor mudam conforme os ventos, temos os períodos de alternância: dias alegres e dias meio sombrios.

A alegria pede para termos, enquanto a felicidade pede para sermos. Mas nossa sociedade gosta de viver de aparências, curte os excessos. Somos seres vaidosos, adoramos umas purpurinas grudando no ego... E não é bem assim o que a vida ensina. Ela é feita de momentos, uma colcha de retalhos feita de alegrias, tristezas, frustrações, decepções, renúncias e muitos desencontros.

Não há como ser feliz em tempo integral onde há brigas, inveja, doenças, medos; não há como ser feliz no abandono, na falta de respeito, na ausência de solidariedade. Não há como ser feliz em meio a arrogância, injustiça e prepotência; não há como ser feliz quando contaminamos ou somos contaminados por atitudes levianas, mesquinhas, e interesseiras. Para sermos felizes é preciso saber lidar com isso tudo. É fácil? Eu não consigo.

Dizem que o povo brasileiro é um dos mais felizes do mundo. Onde? Como? No carnaval, numa noite de sonhos.

Felicidade é viver verdades. E a verdade do país não mostra nada disso. Nosso povo não presta atenção no coletivo e sim no individual. E ninguém é feliz sozinho apesar das adversidades.

Ser feliz - sem motivo - é a mais autêntica forma de felicidade. 
(Carlos Drummond)




26 comentários:

  1. "Ser feliz - sem motivo - é a mais autêntica forma de felicidade."
    Subscrevo que diz o poeta!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  2. Acróstico

    Sucessão de altos e baixos é a vida
    Ontem tudo beleza, hoje nem tanto
    Mover-se do sorriso à raiva incontida
    O mais das vezes a um doído pranto.

    Se há felicidade, há tristeza também
    Alegria é expontaneidade, somente
    Logo alegria é sinônimo de tudo bem
    E felicidade: igual alegre e contente.

    Geralmente felicidade a gente busca
    Recebe alegria que nos vem de graça
    Entenda, uma à outra jamais ofusca
    Se há felicidade, certa alegria grassa.

    Ou somos alegres ou felizes, mentira
    Uns podem ser alegres mas infelizes
    Feliz é aquele vivente que não pira
    E alegre é aquele que ri do que dizes.

    Levemos a vida vivendo o dia-a-dia
    Ignorando aqueles que são malas
    Zoemos e vamos encontrar alegria
    Então, prazerosamente, desfrutá-la
    Sem esquecer que há no ar, poesia.
    ?

    ResponderExcluir
  3. Errata

    Peço mil desculpas Tais
    Disse “expontaneidade”
    Mas “espontaneidade” quis
    Dizer, e fiquei na vontade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Jair,
      O acróstico ficou tão bonito que isso passaria desapercebido!
      Nem se preocupe, acontece.
      Obrigada, sempre.

      Excluir
  4. Oi querida amiga Taís!
    Arrasou. Escreveste a mais pura verdade.
    A vida é feita de momentos mesmo, e precisamos aproveitar os momentos bons.
    E na medida do possível, tentar ser feliz com as coisas singelas que a vida nos presenteia.
    Um grande abraço, com carinho!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  5. Da felicidade, da alegria, do ser... Sou uma eterna aprendiz. E, procuro fazer minhas lições despreconceituosa, ao extremo, para ser e poder contagiar aos outros. Adotei ser o mais simples possível, no viver e desfrutar da vida. Torna-se bem mais leve a caminhada e o fluxo da positividade nos alcança mais facilmente.
    Excelente reflexão, tais.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Oi linda Tais,
    Fui feliz depois dos 45 anos e perdi minha alegria há um ano, não adianta remendar ou você é ou não é feliz.kkk. Alegria foi numa linda infância
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Oi Taís,
    Eu pesava 45 kg, estava bem a vontade segurando o meu bebê que hoje tem 32 anos.
    Obrigada Pela dorça

    ResponderExcluir
  8. Oi Taís
    Vivemos momentos de alegria e temos partículas de felicidade quando consideramos que os bons momentos nos deixam num estado de contenteza e isso é felicidade
    Um beijo minha amiga

    ResponderExcluir
  9. Esplêndida! Esplêndida! Esplêndida! Uma das melhores coisas que eu já li por aqui. Simplesmente adorei, esse banho de verdade, de realidade, de lucidez. Tem razão, a vida é essencialmente trágica, não dá pra ser feliz o tempo todo, nem infeliz, resta esse consolo, ao menos. Ou como dizia a letra de um breguinha antigo: "Felicidade não existe, o que existe na vida são momentos felizes". Beijos, Tais.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Tais!
    Na minha opinião, a felicidade é sempre proporcional ao tamanho da inocência; quanto maior o grau de inocência, mais facilmente somos felizes. E a medida que vamos perdendo nossa inocência necessitamos cada vez mais de maiores motivos para nos sermos felizes. No entanto, quando chegamos no nosso limite máximo de conhecimento, e perdemos totalmente a inocência, descobrimos que a felicidade na verdade se encontra nas coisas mais simples da vida, como lambermos os beiços após bebermos um delicioso copo d’agua, ou até mesmo sabermos que ainda podemos respirar...
    Muito bom o tema!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  11. Taís, a frase de Drummond, com a qual concluiu sua excelente crônica, traduz uma grande verdade, ou seja, a felicidade é, de fato, um estado de alma e não a consequência de algo. Passamos pelo riso e pelo choro, sem que ambos possam fundamentar alegria ou tristeza, respectivamente. Choramos de alegria e rimos de acontecimentos, porque vivemos e somos suscetíveis ao que nos vem de fora. Felizes somos nos momentos em que sentimos paz, quando nossos corações se aquietam. E isso ocorre de vez em quando, tão somente.
    Eu vi a entrevista que menciona e até mudei minha opinião sobre ela. Fiquei encantada com sua postura. Eu a imaginava com uma forma diferente de ser.
    Os brasileiros se entregam ao riso, mesmo quando tudo desaba. E têm uma fé inabalável, o que admiro, em muitas circunstâncias. Acreditam que tudo vai mudar, ainda que nada façam para isso. Entendo, porém, que não se trata de felicidade esse comportamento, mas de fuga da realidade. Talvez a felicidade seja uma ilusão, um objetivo a nos impulsionar. Na maioria das vezes, nem percebemos que está em nosso íntimo, já que tão fugaz.
    Mas ser uma pessoa alegre já é um triunfo, atualmente. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  12. Olá Tais,

    Já tive oportunidade de ouvir a Carla Bruni cantar e gostei da voz dela. Ela é uma mulher carismática e de muita classe. A resposta dela na entrevista lhe proporcionou uma bela e filosófica crônica.
    Acredito que alegria é uma característica da pessoa, o que a leva a ser otimista e a ver a vida de um ângulo mais ameno, além de proporcionar a ela uma capacidade maior para lidar com as situações menos confortáveis e a superará-las com maior brevidade. Isto não significa que a pessoa de natureza alegre não vai ter seus momentos de tristeza e de introspecção.
    Quanto a ser feliz, estou com Drummond. Quando se é feliz sem motivo aparente é porque a felicidade, no caso, emana de um estado de espírito de paz e serenidade. E dura até quando fatores externos não chegarem para ofuscar este estado de espírito pleno.
    De qualquer forma, alegria e felicidade são fragmentadas, haja vista que a felicidade duradoura não existe e nem existirá neste mundo.
    Quanto à alegria/felicidade do povo brasileiro, vejo-a irradiando apenas em circunstâncias festivas. Carnaval é uma delas. Trata-se de momentos especiais em que apenas procuram exorcizar suas dores e frustrações. Contudo, não há que se negar que a maioria do povo brasileiro tem a característica da alegria em seu sangue. E que fé!!!

    Ótimo final de semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Também assisti a entrevista. Ser feliz? É estranho! Tem dias que muito feliz, outros moderadamente e ainda os apenas alegre. Não me perguntem a causa; eu não sei responder.
    Abraço, caríssima Tais.

    ResponderExcluir
  14. Boa noite, Taís. É mesmo interessante essa definição de alegria e felicidade.
    Creio que felicidade seja um estado de espírito bem mais profundo do que a alegria, ambas importantes, precisam ser cultivadas, fato.
    Nem sempre estou ou sou feliz, mas quando abro o meu interior para a gratidão, sinto-me feliz, bem mais profundamente do que a alegria que denota em sua superficialidade.
    É claro,que nem sempre seremos ou estaremos felizes ou alegres, a vida não nos permite isso a todo instante, mas é preciso lutarmos para que esse estado seja mais permanente do que a tristeza em nossa alma.
    Tudo de bom!
    Beijos na alma!

    http://divasdapoesianaturalmente.blogspot.com.br/2015/11/as-facetas-da-inspiracao-by-patricia.html

    http://redescobrindoaalma.blogspot.com.br/2015/11/caminho-de-paz.html

    ResponderExcluir
  15. Estávamos juntos nessa entrevista que Carla Bruni concedeu a Roberto D'Ávila. Daí partiu tua inspiração para esta crônica, que tem como pano de fundo a felicidade, esse estado de espírito tão desejado por todos. E na crônica, tens a preocupação de não confundir felicidade com alegria; esta muitas vezes passa falsamente a ideia de que quem é feliz, neste ou naquele momento, é uma pessoa feliz. A crônica não dá margem a que se pense tratar-se de palavras sinônimas. E, como dizes, não se pode ser feliz em tempo integral. Também não fica dúvida, na crônica, que o brasileiro não pode ser feliz pelo seu carnaval (que, diga-se, se dá durante três dias do ano). Mas, ao mesmo tempo que tiras qualquer ilusão sobre se poder viver sempre feliz, deixa uma esperança: "Felicidade é viver verdades". Bravos, Taisinha.
    Beijinhos daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  16. DE VERAS TU TEMA ES PARA LA REFLEXIÓN.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  17. Olá Tais,

    Cada um com a sua colha de retalhos e se possível que
    a costura seja feita pela verdade interior (consistente),
    a felicidade é um modo de Ser, a estrada da sabedoria
    ajuda ao encontro dessa felicidade. Mas, as oscilações
    existem e sempre existirão...

    Grata pela sua visita silenciosa no meu blog,
    dando-me a oportunidade de conhecer o
    seu excelente espaço de arte literária!
    Voltarei...
    Abraço de paz.

    ResponderExcluir
  18. Um belo artigo minha amiga a partir de uma entrevista da Carla Bruni.
    Gostei.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  19. Bom dia Tais.
    Vou ser completamente verdadeira, é vai parecer uma tremenda mentira rsrs. Eu sou feliz, aprendi a muito tempo que a felicidade vem de dentro, não é causada por nada externo, a conquista de coisa traz alegria, mas a verdadeira felicidade tem que ser alimentada dia a dia, com atos e ações que lhe tragam a paz de espirito para mante-la, Sempre tive a minha vida com um grande risco de não amanhecer no dia seguinte, com isso se alguém me ofender, o que raramente acontece, porque procuro evitar qualquer tipo de atrito, mas com família, as vezes acontece, nem ligo, no máximo se for uma coisa muito grande me afasto, eu perder meu precioso tempo com isso jamais, estou no engarrafamento, antes ficava irritada, hoje ouço musico e aproveito esse tempo para meditar rsrs e assim por diante, é como costumo dizer o que vem de fora não me permito que me atinja, o mais difícil é ver a violência, quando percebi que não conseguia ficar indiferente, parei de assistir noticiário, ate porque na minha opinião, acho que só deveria ir ao ar quando os bandidos fossem punidos, e o que acontece é que aparece um monte de impunidade o que cria ainda mais violência. A vida é feita de momentos, os bons aproveito ao máximo, os ruis penso logo nada é para sempre esse também passará e assim vou levando a minha vida feliz, logico com momentos me sentindo triste, alegre, pois sei que tudo faz parte de uma pessoa que passa pela vida vivendo plenamente. Agora estou na fase muito, muito alegre, sei que essa fase também pode passar e então é por isso que vou aproveitar ate os segundo rsrs. Uma linda semana para você, para o Pedro e toda família. Um enorme abraço.

    ResponderExcluir
  20. Texto maravilhoso! Concordo com absolutamente tudo! A felicidade está nas pequenas coisas da vida...Quem faz questão de mostrar felicidade é porque não a tem!
    Carla Bruni, ao que parece, se encontrou no casamento e se tornando mãe! Linda e maravilhosa!!!

    ResponderExcluir
  21. Olá Taís seu texto é ótimo e bem escrito, porém não posso dizer que sou alegre ou que sou feliz, tanto uma quanto outra situação depende do momento, do dia, dos acontecimentos, visto que na vida nada é constante, nada caminha numa linha reta.
    Mas esta é só minha opinião, cada um com seu cada qual :-)).
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  22. Minha querida amiga Tais, ouvi Carla Bruni e gostei, a voz realmente é pequena, mas não resisto a um francês cantado rs...temos dias de tristezas e temos dias de alegrias...quando concluí a leitura deste post tentei colocar em ordem meus pensamentos, sou alegre ou feliz ? Qualquer um dos dois seria ótimo. Então percebi que minha felicidade esta em amar e ser amado por minha mãe, pelos meus, pelo meu cão Teimoso, ou seja, um estado de espírito; e alegria é uma situação, um momento de alegria, quando estou com minha mãe fico alegre e saber do nosso amor, sinto felicidade...querida Tais, tuas palavras sempre tão certeiras e necessárias, nos trás uma lucidez que por vezes esquecemos, diante de tanta atrocidade. Não sabes o bem que fazes neste post, dentro desta sombra de dor que atravessa o mundo, só em ler as palavras alegria e felicidade já acende uma luz dentro de nós. Já te falei que é sempre maravilhoso estar por aqui ?
    ps. Carinho respeito e abraço.
    ps. Minha amiga não estou no meu momento mais criativo, vou me recolher um pouco a espera de inspiração ou não...

    ResponderExcluir
  23. Cara amiga Tais, eis mais uma cronica perfeita na forma e, sobretudo, no conteúdo.
    Um abraço. Tenhas uma linda (e alegre) tarde.

    ResponderExcluir
  24. Taís,
    Felicidade plena não existe, o que existe são momentos felizes. Tirando esses momentos o que sobram são as amarguras, doenças e muitas outras desgraças.
    Eu sou uma pessoa alegre que brinca com as pessoas que conheço na cidade, só não posso entrar no meu passado recheado de desgraças.
    Então, que vivamos os momentos felizes sem pensar no passado. Que façamos do hoje um momento feliz.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  25. Taís eu sempre esbarro nas definições de felicidade e chego a pensar, que a tal felicidade que vendem a todo instante em qualquer quitanda, deve ser uma cosia chata,que não cria expectativas de novas emoções. Fico com os momentos alegres, que se sucedem continuamente.
    Bonita e perfeita reflexão no estado de espirito.
    Sempre bom ler suas reflexões bem construídas e embasadas.
    Um abração com carinho.

    ResponderExcluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso