16 de novembro de 2009

REMÉDIOS: Minha Tortura!




              - Tais Luso de Carvalho 


Sou daquelas criaturas com tolerância zero para tomar remédios, é uma tortura. Detesto. A cor e o tamanho do remédio é algo que abala o meu psiquismo; se for cápsulas tipo míssil, aquelas com formato de bomba, de cor alaranjada, azul forte ou vermelho carmim, é um problema. Só ao olhar tenho náuseas. A força que tenho de fazer é inacreditável. Tenho de pensar em algo meio celestial, tomar o comprimido pensando que estou comendo morangos com nata, empurrados com um tipo de líquido que me engane, e depois assumir uma psicose qualquer. Já assumi, mas de nada adiantou. Continuo a mesma azarada.


Dia desses fui à farmácia de manipulação e encomendei uns comprimidinhos de cálcio. No dia seguinte fui buscar. Para minha surpresa, a cápsula era um canhão! Pedi para falar com a farmacêutica e perguntei se não haveria nada menor... Veio com uma explicação que não me interessou; na minha modesta opinião aquilo era comprimido pra cavalo. Paguei, mas não tomei. Dei pra minha diarista que, por sinal achou a glória poder tomar cálcio. Até que fiquei feliz com minha boa ação. Passei por outra farmácia e comprei uns comprimidos que se dissolvem, tipo bala. Ótimo; fiquei fã.


Outro problema torturante são as bulas: ah...essas bulas! Não tomo nada sem ler a bula. Os médicos odeiam quem lê bula... Sei, no entanto, que para se eximirem de qualquer problema em relação às reações, efeitos colaterais e óbitos, os laboratórios colocam tudo o que é possível e impossível de acontecer, e naquelas letrinhas minúsculas onde não se lê nada com desenvoltura. E os termos, aqueles hieróglifos indecifráveis? Ora, desde quando um leigo vai entender aquilo? Então, para que bula? Por que colocam tantas reações e os médicos mandam ir adiante? Particularmente tenho vontade de dar meia-volta... Até hoje é um mistério. Mas acho que a melhor explicação já dei acima.


Sou de opinião que não podemos ficar à margem e entregues totalmente na mão de profissionais da saúde sem tentarmos entender o que tomamos, seus efeitos, a interação com outros medicamentos; o mínimo. Dizem, os médicos, que temos de nos ajudar... Mas também temos de entender. Não sou favorável em buscar na Internet ou nos Compêndios Médicos, uma luz para nossos problemas, mas temos o direito de saber o que está acontecendo.


Há uns anos atrás, eu estava um tanto estressada - pela doença de meu pai - e apareceu em meu rosto uma mancha pequena que coçava. Fui ao dermatologista e me foi indicado um remédio novo no mercado, próprio para aquela dermatite. E tive um choque anafilático. É, aquela coisa meiga que nos deixa roxa, com tremores, febre, dores em todas as articulações, etc e tal. E que o atendimento tem de ser rápido.


Quando fiquei melhor, peguei a bula do remédio: ali dizia que um dos efeitos daquele remédio seria choque anafilático... Foi a primeira vez que não li uma bula. Penso que se tivesse lido, talvez tivesse falado com meu médico sobre essa possibilidade e ele teria dado um remédio tradicional, como me falou depois. Geralmente os médicos dizem que se lermos as bulas não tomamos os remédios... E então, fazer o quê?


Sou contra em tomarmos decisões; mas em ler a bula, em apresentar para o médico nossas dúvidas é um direito nosso e uma obrigação de qualquer médico em esclarecer; se não devemos ler bulas, que tirem das caixas. Médico tem Compêndio, não precisa de bula. 


Mas parece que está a caminho algo novo quanto às bulas... Tô na espera: quero ler sem ter medo de ser feliz.



21 comentários:

  1. Boa noite Tais. O meu medico ja me mudou 3 vezes de medicina para o colesterol, por achar que nao estao a fazer o efeito esperado, quando na verdade eu nunca tomei nenhum :-)
    Vou baixando os niveis, com exercicio e dieta, mas nao tao rapido como ele gostaria.
    Beijo para si

    ResponderExcluir
  2. Olá Taís,

    fui criada no interior, tomando chás, remédios caseiros, garrafada e quando o negocio ficava feio chamava-se a rezadeira.

    Todo ano tomávamos um purgante, para limpar o sangue. alguma coisa para verme e por aí vai.

    Remedio, remedio... só lembro de dois Regulador Chavier e Biotônico Fontoura, Ah! e a tal da magnésia.

    Em minha casa todos os filhos nasceram pelas mãos de parteira. Só o ultimo que foi com o médico. minha mãe quase morre.

    Se detesto remédios, a bula com aquelas letrinhas então!!! nem se fala.
    Vou burlando rémedios e bulas e assim vou escapando.
    Beijos,
    Dalinha

    ResponderExcluir
  3. E por falar em médicos - que vivam os bons - confundiram pedras nos rins com leucemia. Acredita?

    A coitada da menina teve que tomar vários remédios sem ler a bula para passar o susto.


    rs

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Interessante o argumento, mas eu spu um dos que não lê a burla do remédio...

    Mas um médico não deveria saber, ou pelo menos lembrar os malificios do remédio que prescreve (ou pelo menos, quando questionado sobre tal fato?)?

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Oi Tais

    Pois eu tomo pílulas, drágeas e cápsulas com a maior facilidade.

    Detesto remédios, mas quando são receitados eu prefiro perguntar ao médico na hora da consulta tudo sobre o remédio. Pergunto tuuuuudo mesmo! Detesto bulas!!!

    Bjs amiga.

    ResponderExcluir
  6. Pois é, vamos ter que esperar até 2011 para vermos as mudanças nas bulas. As informações serão mais claras, a linguagem será mais objetiva, e conteúdos padronizados. Diz a portaria RDC 47/09 que teremos uma bula voltada para o paciente e quem quiser informações complementares e só buscar na internet. Como gosto de saber tudo, efeitos colaterais e reações adversas, acho que terei que pesquisar. Contudo a bula, quase sempre, descreve o medicamento como se ele fosse um veneno, mas acho que no final das contas é né, só que um veneno seletivo!rsrsr

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Cara Tais

    Realmente remédios melhor não ingeri-los, mas a momentos de nossa vida em que não temos como escapar. Como a Dalinha eu também enquanto lia seu texto, me lembrei dos remédios de infância, inclusive o terrível Óleo de Figado de Bacalhau que minha mãe me forçava a beber antes das refeições.
    Parece que grandes mudanças virão em breve quanto às receitas, inclusive o fim dos textos com letrinhas minúsculas que vc mencionou.
    Na realidade resistimos aos remédios porque no fundo não confiamos naquela química toda, mas em certas situações...que remédio.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Desculpe... mas posso falar uma coisa????

    Muito divertido seu texto.... Ri até não aguentar mais^^
    Principalmente a parte das bulas...
    Ninguém consegue entendê-las mesmo...

    ResponderExcluir
  9. Oi Tais,

    Tenho mais medo das reações dos remédios que das doenças.Viciada em alternativos,chás,garrafadas de sucupira,quatro copos de água religiosamente pelas manhãs,tudo e qualquer coisa para me livrar dos remédios.Nem sempre é possível ,fazer o que.Estou proibida pelos filhos de ler bulas e ficar encanada com as reações.Um drama.-Ler ou não Ler,eis a questão.
    E dai Tais vc escreve que gente intrometida cansa e lhe digo que me incomoda muito a chatura dos seres invasivos.
    -Só me resta lhe perguntar:-qual é o seu signo?por acaso vc é virginiana ou tem ascendente em virgem?

    Bem,me senti em casa conversando no sofá da sala com uma amiga querida.

    beijos,

    Cris

    ResponderExcluir
  10. Oi, Cristina, respondendo tua pergunta, meu signo é Libra, agora o ascendente vou ficar te devendo!

    Concordo contigo, tenho mais medo dos efeitos colaterais: arruma uma coisa e estraga outra; depois eu arrumo a seguinte, rsrs.

    Quanto à conversa de amigas no sofá, adorei: pensei em trocar o nome do blog: Conversando no sofá...rs. Olha que alguém pega essa dica!

    Beijos, querida.
    Tais

    ResponderExcluir
  11. Minha querida:

    Quem sabe se o sorriso não é o melhor dos remédios? Sem efeitos colaterais, sem custos monetários,
    semprecisar de receita médica...

    Cuidado, não agitar muito antes de usar!

    ResponderExcluir
  12. Hallo!! (é como se saúda o pessoal aqui onde vivo!)

    Ri pra caramba com seu texto! E me identifiquei com você. Normalmente nao tomo remédios nenhum q os médicos passam, e as vezes quando dou conta tenho colecao de caixas de remédio em casa; (nao recomendo isso a ninguém) normalmente tudo q acontece comigo, desaparece por si só! Até penso: nossa meu corpo tem uma capacidade de regeneracao incrível... mas nao tomo, nao é pelo fato do comprimido ser desse ou daquele tamanho, dessa ou daquela cor, é que depois q leio a bula, desisto! (rsrsrs) cura uma coisa, mas provoca outra. O único medicamento que tomo por nao ter jeito é para enxaqueca - quando esta vem..., nossa saí de baixo.
    Obrigada por me adicionar,
    Abracos,
    Márcia

    ResponderExcluir
  13. Falou uma coisa muito certa. Os médicos tem pura obrigação de exclarecer as coisas aos paciêntes, se possível recomentar as contra-indicações, e se não souber de cabeça, que leia a bula do remédio para o próprio paciênte alí no momento da consulta.

    Fazer o paciênte pesquisar na internet é um crime. Colocar uma senhora de 80 anos na frente do PC é um abuso.

    Os médicos tem de entender que seus altos salários tem de se justificar. Médico atende ao enfermo. Ele não está falando com cachorros ou gatos da qual não deve explicação nenhuma ao enfermo.

    Direto do Rio.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Amiga querida,
    Saudades de você!

    Ah, eu confesso que gosto, sim, de um remedinho, rss.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Olá, Taís!

    Obrigada pela visita
    Fico feliz que tenha gostado.

    Adorei sua crônica sobre os remédios. Ri muito.

    Também tenho certa neurose com eles; não por não conseguir engolí-los, mas porque tomei vários, devido a problemas de alergia na infância...
    Sentia que o prazer pessoal do meu médico era me torturar com aquela maldita agulha de injeção, que eu temia bem mais que os inofensivos comprimidos. Depois ele me dava um pirulito para compensar.
    Resultado: perdi o medo de agulha, mas passei um bom tempo sem chupar pirulitos.

    Também me revolto com aquelas malditas bulas! aff...
    Espero ansiosa as modificações daquele código indecifrável.

    Adorei o blog! Humor inusitado e percepção do cotidiano...
    Tem atitude, ironia e uma análise interessante da realidade em suas crônicas.

    Virei fã!

    ResponderExcluir
  16. Minha amiga Taís, que contentamento em ler-te: é sempre muito bom.

    Mas vamos deixar essa rasgação de seda e vamos ao cometário da crônica: Quando você tiver náuseas ao ver os remédios, chame a Elena, prima do meu marido, para tomá-los. Ô criatura que é o contrário, AMA remédios. Ela tem na bolsa, uma caixinha própria para carregar os comprimidos, as cápsulas. Sabe como, com divisões para o tipo certo? Pois é, ela leva aquela caixinha na bolsa como uma joia rara.

    Essas cápsulas aí de cálcio, conheço bem. Aquilo não são cápsulas, aquilo é o foguete inteiro. Só me lembro da NASA nesse momento...

    Para ler bulas, amiga, faça como eu, tenho uma lupa ENORME e um dicionário específico de Farmacologia, só assim, a gente consegue entender 50%. E olha que somos letradas, imagine os nossos irmãos que não tiveram tanto acesso assim às letras?

    Mas... amiga, há momentos que o melhor é não sabermos mesmo das coisas, ficar na ignorância...

    Choque anafilático??? Passastes na beirinha dela, hein, amiga? (da cova). Graças a Deus que não fora chegada a sua hora, né? Pelo menos uma frase nos conforta:
    "Ninguém morre antes da hora!" Se não fosse isso, você teria ido, simplesmente, e o médico diria para sua família: "É, coitada! Sofreu um choque anafilático!" e ficaria por isso mesmo. Ele jamais diria: "O remédio que EU receitei, provocou-lhe um choque anafilático... EU sou o culpado!"

    Vá esperando, amiga, as novas regras da Anvisa para as bulas... Vá esperando... Mas espere sentada, pois ouço falar dessa mudança desde criança, e olha que faz tempo, viu? Nem tanto assim, mas já algumas décadas. De vez em quando acontece alguma mudança, mas é tão pequena que a gente nem percebe.

    E as pessoas que precisam recorrer à Rede Pública de Saúde, hein, amiga? Compram o remédio, leem a bula e quando voltam para o médico explicar-lhes, isso seis meses depois, porque não conseguiu remarcar a consulta em menos tempo, o médico já pediu demissão ou só atende esses caso no seu consultório particular. Aí é fogo, né???

    Um grande abraço para uma grande amiga.

    Bjs,
    Lúcia.

    ResponderExcluir
  17. ahahahahahah Muito bom! Eu me lembrei de uma amiga que dormiu aqui , pela manhã estavamos com a mão em concha com comprimidos indo para o filtro de água. Nos olhamos e rimos.Tomo coisas naturais como isoflavonas etc...Não tenho problemas qto a isso,mas, tem gente que dissolve em uma colherina, abre cápsulas...Cada um, cada um né?!Tem que se respeitar. Obrigada pelo carinho no "Simplesmente Aprendendo" O Koda está conosco sim. É terrível! rs...bjão

    ResponderExcluir
  18. Achei maravilhosa as tuas postagens.
    conheço muita gente "loucas" por remédios, e claro que faz mal.
    Teu blog é o máximo.
    E saber que estamos tão pertinho.
    desejo-te um lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
  19. Tais, VC tem razão.
    Há certas bulas, que quando as leio,
    desisto de tomar o remédio. Os efeitos colaterais e as precauções
    são tantas e tão graves (Insuficiências cardíacas e renais, por exemplo) que, na minha opinião,
    pioram o estado do indivíduo. Rs,rs.
    Acho que morremos com, sem e apesar
    do médico...

    Abraço carinhoso!
    Ah...eu também sou libriana. Está
    explicado seu interesse por Arte!
    O mundo sem Ela, fica asfixiante!

    ResponderExcluir
  20. Acho pior quando pego um hipocondraco para tratar... Muito mais desgastante, pois AMA qq remedio rsrsrsrsrsr

    Abraço

    Mariza

    ResponderExcluir
  21. Muito boa noite querida Tais..
    esse assunto assim como todos que tu aqui tens é muito profundo e se a gente for cavando vai terminar que nem aquele ditado sobre o livro que tenho chamado O rei do mundo..
    cavar cada vez mais fundo para encontrar o Rei do mundo..
    enfim.. minha mãe toma remédios desde os meus 12 anos.. uma forte depressão na época a fez entrar neste mundo e não mais pode sair.. não pode ficar sem remédios e o pior é que ela coloca isso na cabeça..
    li algo sobre o cálcio..
    sei bem o que falaste pois minha mãe toma.. receitado pelo doutor,
    o problema é que o doutor não deve ver os videos do lair ribeiro no youtube.. este ser genial onde ele diz que o cálcio não pode ser ingerido sozinho.. tem que ter outras coisas e uma delas é vitamina D e esta é de graça é o sol mas todo mundo sai correndo dele não é..
    eu até tentei trabalhar por aqui com terapias, reiki e a medicina chinesa.. mas é deprimente. as pessoas ainda tendem a confiar na receita do médico e pagar sei lá uns 200 reais por uma consulta para um ser que não sabe diagnosticar pois não aprendeu isso na sua faculdade , mal olha na cara e te passa uma receita com letra de grandão que nem a moça entende na farmácia..
    reiki ajudaria, e tem tantas outras coisas.. mas é triste..
    tem um video no youtube chamado a mafia médica.. a médica decidiu sair do sistema por ver tanta porcaria dentro dele. mal conseguem lançar o livro.. o sistema impede tudo né.. adorei ler.. bjs e uma linda noite até sempre Tais

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso