29 de maio de 2011

VIVER DE SAUDADES



- Tais Luso de Carvalho



Saudade... Por diversas vezes pensei nesta palavra como sendo das mais melodiosas e bonitas de nossa língua. Mas não estive pensando só na sua fonética, mas também em seu significado.

Saudade é um sentimento que aperta o coração por resgatar as coisas boas e significativas e que não voltam mais. Porém, ela aparece na maioria das vezes num momento em que estamos meio enfraquecidos, num momento de insatisfação, de algo que não está bem.

Senti saudades de minha infância, quando passei por situações em que eu precisava crescer;  por  situações em que precisava ser forte, ter meus filhos, ser madura.

Sinto saudades dos períodos em que fui protegida, que não precisava tomar decisões; quando ainda não me dava conta de que a vida  apronta e nos coloca diante do desconhecido. Sinto saudades da minha infância; nela, ainda não sabia o que significava  finitude.

Sinto saudades da época em que não conhecia as maldades do mundo, das violências, dos fracassos, das culpas ou dos remorsos. Saudades dos que me deixaram e partiram! Ficando em mim parte deles...

Sinto saudades da minha inocência. Ser adulto é bom, é a fase da liberdade, mas com toneladas de responsabilidades. Somos responsáveis por outras vidas que formamos.

Mas agora o momento é ter metas e sonhos que se direcionem neste presente, talvez pela objetividade que tenho de ter, pelo tempo que não é mais uma eternidade.

Sinto que viver de lembranças faz um rebuliço no presente: nos prende e nos atrasa. Nos reporta apenas a uma vida que não volta mais.

O que mais ouço, são lamúrias ditas pelos descontentes que passam se lastimando da educação que receberam, do que não tiveram, do filho preferido que não foram e dos beliscões que levaram da própria vida.

Não conseguem excluir, acrescentar ou modificar nada. Vivem amargurados e presos. O processo de cicatrização não se concretiza; o passado está tão ativo que não permite uma vida plena, mesmo em meio à tempestade.

O mundo é este aqui, nesta sociedade cada vez mais doente, cheio de gente enlouquecida rolando suas neuroses. E ter vivido ontem como hoje, é batalha, é guerra, é superação. É coragem.

Que minhas saudades se acalmem e que calem; que me deixem viver na parte que me cabe neste louco latifúndio.


32 comentários:

  1. Belíssimo texto.
    Um beijo grande.

    ResponderExcluir
  2. Oi Taís,
    Saudade é uma palavra bonita mesmo, e acho que o seu significado é bem amplo.
    Tem saudade que faz doer e tem saudade que deixa a gente alegre e feliz, tem saudade que coloca a gente pra frente, que dá incentivo pra encarar o que está por vir.
    Eu gosto de ter saudades...
    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Tais..linda a sua cronica.
    Saudade.
    È bom senti-la, sem dor.
    Treinar o desapego.
    As vezes ficamos presos a fatos do passado, alguns bons que queriamos que se repetisse, outros nem tanto.
    Saudade nos faz sentir vivos, o coração acelera.
    Mas sempre sabendo que o dia melhor de nossa vidas é o dia de hj. `´E uma oportunidade unica de escolher-mos..se ficamos onde estamos ou se mudamos a nossa rota.
    Mas de uma coisa eu tenho a mais absoluta certeza: estamos onde devemos estar. No cenário correto e com as pessoas certas.
    Um grannde beijo, pela sua tão brilhante escrita.
    bj e boa semana!!
    Ma Ferreira

    ResponderExcluir
  4. Minha querida amiga.
    Faz algum tempo que não passo para comentar, mas leio sempre com atenção tuas crónicas.
    Pois, a saudade, a saudade! Uma coisa muito típica do português. Porque será? Talvez das partidas constantes para novas descobertas, mas sempre o desejo de regressar. Talvez por isso, o fado, a canção da saudade. Dos que partiam, dos que não regressavam, como ainda há pouco tempo se sentia, durante a guerra colonial que passou pelas nossas vidas, e de alguma forma nos decepou a todos.
    Penso que deve ser por causa desse tal D. Sebastião, que partiu, não voltou, mas ainda se espera e procura. Talvez quando a bruma seja mais intensa.
    Meu beijo e meu carinho de sempre.
    Victor Gil

    ResponderExcluir
  5. Taís,

    bom dia!!!
    saudades, saudades...
    Ah este sentimento que as vezes machuca tanto...
    Mas é necessário sentir de vez enquanto só...
    Beijos e boa semana,
    Suzana Drummond

    ResponderExcluir
  6. Anônimo09:35

    Oi Tais , gostei muito desta crônica muito real.


    "Sinto saudades da minha inocência. Ser adulto é bom, é a fase da liberdade, mas com toneladas de responsabilidades. Somos responsáveis por outras vidas que formamos."

    principalmente desse trecho eu tenho 22 anos e ainda dependo do meu pai , é muito ruim pq voc~e se sente inseguro e precionado , pois tem que assumir a responsabilidade de adulto, é muito complicado ter que se peocupar em como se tornar independente até a formação de familia começa a preocupar e outra verdade quanto mais nos pegamos no passado mais atrasamos.


    beijos adorei.

    ResponderExcluir
  7. Ter saudades é bom, mas não podemos viver delas.
    Bjux

    ResponderExcluir
  8. As saudades são realmente fortes em diversos momentos da vida.
    Mas gostei especialmente do trecho em que você fala das liberdades da fase adulta, mas liberdade com inúmeras responsabilidades. Ah, responsabilidades!

    felicidades, querida!

    ResponderExcluir
  9. Que o passado seja norte não grilhão.
    Belo e oportuno texto.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Difícil definir a 'saudade'...Nós aqui
    vivemos com ela no bolso, e por tudo e
    por nada,agarra-mo-nos a ela ,pois
    é tida mais como Esperança....
    Uma grande , bonita e difícil palavra
    do nosso dicionário... Tenho saudades
    dos sonhos que não vivi e.......
    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Cada fase da vida deixa algumas saudades e sentí-las é um privilégio, afinal isso significa que coisas boas aconteceram, pessoas especiais fizeram parte da nossa vida, momentos felizes ficaram para sempre. É bom sentir saudades!

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Tais, as vezes estou tão saudosista que paro por alguns segundos e fico a recordar dos momentos felizes... Na vida tudo é tão passageiro!!! Bjs. Obrigada pelo comentário no meu blog.

    ResponderExcluir
  13. Que texto maravilhoso Tais,é isso mesmo! Sentimos saudade sim!Mas caminhar é preciso e desocupar nossos espaços com coisas que já não fazem parte do presente,livrar-se dos enroscos das amarguras faz um bem danado e só assim,novas coisas virão.
    Parabéns!
    Nota mil!
    Muito bem lembrado!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Saudade é um termo tão nosso, de nossa língua, e ao mesmo tempo, completamente universal em todas as expressões que o signifiquem.
    Palavra-emoção presente que remonta o passado. Ponte entre dois mundos que não se quer romper.
    A dubiedade é seu par.Às vezes a saudade alegre, aquela de bons momentos, boas recordações é a imagem convexa da saudade triste, amargura calada nas dobras do tempo.
    Mas não há uma sem a outra.O que podemos fazer é seguir teu conselho e superar as saudades amargas, fazendo das boas, alavanca para um presente pleno de atitudes conscientes.
    Um bjo grande,
    Calu

    ResponderExcluir
  15. Uma pitada de Casimiro de Abreu, uma rápida lembrança de João Cabral de Melo Neto, belíssimos pensamentos próprios e muita saudade. É essa a receita para tamanha maravilha. Confesso que lembrei muito de algo que o Fernando Pessoa escreveu, um texto que uma amiga me mandou há alguns anos atrás; lembro que era tudo o que eu precisava, é, ela acertou. Ele dizia que sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final, e continuou: "Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram. [...] será um desgaste imenso para todos: seus pais, seus amigos, seus filhos, seus irmãos, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado. Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. [...]", então, ele chega numa parte que confesso, é uma das mais difíceis pra mim: destruir recordações, não só as lembranças que estão em nossas mentes, mas antes delas, as materiais. É um exercício que requer muito de mim. Na verdade, eu nunca soube lidar com a saudade, porque nunca soube lidar com perdas. Perder pessoas que amo, é o que me deixa sem chão, sem ânimo, sem vida.
    E falando nela, posso dizer que o teu texto trouxe à vida muitas lembranças e sentimentos. Não se preocupe, todos bons.

    Beijos,
    Débora.

    ResponderExcluir
  16. Excelente e belíssimo texto, onde a palavra saudade, transpira.
    A saudade é sentimento
    rio sem margem nem foz
    o chorar do pensamento
    que grita dentro de nós.
    Parabéns, querida Taís.
    Bjito e uma flor

    ResponderExcluir
  17. Taís,

    Uma bela e tocante crônica poética que, além de me emocionar, encerra grandes verdades observadas por suas lentes atentas de observadora do cotidiano e da vida.

    Eu, que sou um saudosista nato, apreciei muito!

    Parabéns, bjo
    Cesar

    ResponderExcluir
  18. Ai que sobriedade que vc tem!
    O que mais me tocou, foi o passado que nos prende, que nos faz reviver as mesma dores, e chorar do mesmo jeito... É isso, ainda sou refén das tristezas do passado, mas tento incansavelmente engana-las em minha mente....
    Estou repassando para os seguidores do Blog *E Ai?! Vai Ficar Nessa!?! o novo endereço, ele mudou de nome e casa!
    *Entre Lã & Off!
    http://entrelaeoff.blogspot.com/

    Bjoo!

    ResponderExcluir
  19. Tais belo texto.Tens razão, que as saudades se acalmem e nos deixem viver e ,acrescento,que sobrevivam para que nos deem coragem e força para o desafio da loucura instaurada.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  20. Gostei muito destas saudades. A saudade é só portuguêsa - Lusa.
    É uma recordação tão íntima e tão nossa que nasce, vive e morrerá connosco.

    A saudade ajuda-nos a crescer e ser amigos.Ajuda-nos a viver e ser responsáveis.

    Quando a dor nos aperta é a saudade que a alimenta matando-a em lenta tortura.

    ResponderExcluir
  21. Parabéns pelo belo texto Tais. Lê-lo me deu saudades de muitas coisas que largava para traz por causa do crrer do dia-a-dia. Abraços.

    ResponderExcluir
  22. Boa noite!
    Seu texto é lindo!
    Saudade é linda, mas não podemos nos entregar a ela por inteiro.
    Saudade é um sentimento bom até a um certo momento.
    Mas que dá saudade do tempo da inocência da criança de alguns anos atrás, hoje corrompida pela malicia e maldade do mundo atual.
    Evoluir, sim, mas não a tal ponto de perder o que há de mais belo , a pureza do coração humano, o qual é o habitar de Deus!
    Obrigada por sua visita ao meu Cantinho, sua presença sempre será muito bem vinda.
    Tenha uma linda noite.
    Abraço Fraterno.
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde,
    Vim agradecer a sua linda visita ao meu cantinho, sua presença é e sempre muito bem vinda ao mundo magico do coração.
    obrigada por sua presença.
    tenha um lindo dia!
    Abraço fraterno!
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  24. Bela reflexão, amiga! Há, sim, saudades que mais se assemelham a neuroses, mas há também a saudade saudável, aquela que faz muito bem e que nos leva a seguir em frente. Dessa, não abro mão. É pássaro aninhado em meu coração; ave que não arriba seja qual for a estação.

    Sempre um prazer "te ler", Taís.

    Bjs, querida amiga, e inté!

    ResponderExcluir
  25. Oi Taís, faz tempo que não nos falamos... estive sumida dos blogs. Mas retorno e vim te ver.

    Aos poucos vou visitando os amigos.Aproveito pra convidá-la a participar de um desafio literário em meu blog Escritos na Memória.

    Será um prazer tê-la na disputa!

    Seu texto é muito significativo e mexe com os sentimentos da gente.
    Senti saudade de muitas coisas... rs.. Naum tem jeito amiga!

    super beijo da Lu

    ResponderExcluir
  26. Olá Taís,
    Uma crônica linda, muito oportuna e séria. Sim, falar da saudade é uma coisa séria. Da saudade, raramente achamos graça. E defini-la é coisa muito difícil. Meu cunhado,
    já falecido, querido Glênio Peres falava da saudade assim: "Quem quer definir saudade, nada sabe, fala à esmo, saudade não se define, saudade é saudade mesmo".
    Portanto, geralmente, quando falamos dela (a saudade), ficamos tristes e introspectivos.
    E, por falar nisto, eu já estou com saudades de tua presença em meu blog.
    Dá uma passadinha lá, tá amiga?
    Um grande beijo,
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  27. Tais..
    Passei pra te dar um oizinho..e agradecer seu gentil comentário em meu blog.
    Saua presença por lá me deixa muito feliz!
    Um beijo,
    Ma

    ResponderExcluir
  28. Olá Taís! Às vezes eu gosto de sentir saudades, até porquê, na minha opinião, saudades só sentimos de coisas boas, pois de coisas ruins, pra mim é pesadelo. Por incrível que pareça, sinto saudades das puxadas de orelha, das palmadas e dos castigos, o que considero-os como coisas boas, por terem me transformado no homem que sou hoje.

    "Sinto saudades da época em que não conhecia as maldades do mundo, das violências, dos fracassos, das culpas ou dos remorsos."

    Sentir saudades das coisas boas do passado compensam, em parte, as desgraças que assistimos no presente. Belo texto amiga.

    Beijos, bom fim de tarde e uma boa noite pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  29. Ah, saudades, Tais, saudades!Lema de minha vida. Tudo que passa, e esta passando, sauda.

    Beijos

    Roy

    ResponderExcluir
  30. Taís,
    você faz todo mundo refletir a partir dos seus textos.
    A saudade é muito complexa por trazer tristeza ou alegria. É filha da lembrança e avó da esperança.
    O melhor da saudade é saber que, por lembrar, ainda não estamos desmemoriados!
    Bom mesmo é viver e aproveitar as escorregadias oportunidades de sermos felizes hoje!
    Um beijo do atelier.

    ResponderExcluir
  31. Anônimo21:19

    Boa noite, Taís!!
    Saudade realmente não se explica, se sente e, a cada fase vivida, sentimos saudades, deixamos saudades... Parab´nes pela beleza e sabedoria traduzidas em palavras..

    ResponderExcluir
  32. Oi Taís,

    fantástico seu blog!!! estou encantada.

    sobre o texto saudade, belíssimo!

    voltarei sempre

    Abraços

    ResponderExcluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso