17 de julho de 2011

NOITE DE INSÔNIA



- Tais Luso de Carvalho

É curioso como pensamos coisas estranhas numa noite de insônia. Estranho como lembramos de gente ausente e que aparecem de repente na solidão de nossas madrugadas. Minha insônia está começando... E não adianta contar carneirinhos. Tenho de enfrentar e tentar levar numa boa, pois algo deve ter acontecido que meu inconsciente resolveu contestar e tirar uma de bacana: acabar com meu sono.

Estou lembrando de uma conhecida que morou na minha rua há mais de dez anos. Quando seu marido aposentou-se, ela entrou em depressão. O homem passou a ser o dono do lar, a fiscalizar a cozinha, banheiros, forrar latas de lixo, fazer o rancho e dar ordens à faxineira. E a mulher ficou no vazio: não sabia mais o que fazer, o que administrar. Um dia chegou pra mim e disse: 'Ele implica até com o pano de prato!'

- Péra, explica!!!
- Pra ele, o pano de prato tem de ser dependurado pela ponta!!!

E veio à minha cabeça o grande número de separações que se dá neste período da vida. Os casamentos novos aguentam - segundo estatísticas - uma média de três anos; os casamentos mais antigos entram em crise quando um ou os dois se aposenta e passa a viver 24 horas junto com o outro. Bem, e daí em diante minha noite foi pro brejo, minha mente andou por diversos lugares, situações e gente conhecida.

Mas fiquei pensando no pano de prato dependurado pela ponta... Bem, senti o drama da mulher; fiquei pensando nessas pessoas que se aposentam e infernizam a vida dos outros. Não sei por que pensamos e nos envolvemos com os outros,  até nas nossas insônias. Depois de muito pensar, nos tantos porquês da vida, fiquei encucada: o que tenho eu a ver com a aposentadoria e com o pano de prato de um homem que mal conheço? Caramba!! 

Na verdade, quisera eu ter esquecido da vizinha e dos seus problemas. Se fosse com filhos e marido, vá lá. Porém, vivemos num mundo em que as pessoas se entrelaçam e se enroscam: vizinhos, parentes, colegas de trabalho, conhecidos... Tudo como se fôssemos uma corrente - elos ligados uns aos outros. E só nos separamos quando um dos elos se rompe.

Uns palpitando na vida dos outros. Convenhamos, quem não gosta de saber um pouco da vida alheia? Você? Ahhh... fale a verdade, vá! Quem não gosta de saber de um caso meio apimentado que rola na mídia, no condomínio, na família do cônjuge, no trabalho?

Esqueço da coitada da vizinha e lembro de uma conhecida de 85 anos que só vejo nos velórios. Existem umas pessoas que a gente só vê uma vez na vida e outra na morte. No caso dela... Sempre nos velórios. Pinta um velório tá lá a véia feito um urubu, como aconteceu há três dias que encontrei a criatura toda arreganhada, demonstrando muitas saudades minhas. Mas já fiquei meio intrigada ao vê-la; é conhecida como pé frio, tanto que já enterrou metade da família e amigos.

De mansinho, foi se encostando em mim e disse bem baixinho:

- Faz uma cara de consternada, sofre um pouco, minha filhinha!
- Péra, mas eu mal conheço o defunto! Sofra você que é da família.
- Minha filha, estou fazendo o que posso. Este aí já se ferrou mesmo!


Chega! Vi o bastante: altos soluços, caras e bocas, grandes abraços e consternados afagos. Na verdade, em qualquer velório todos procuram à cafeteria pra mudar de clima, pra respirar vida. Para falarem o quanto a fulana - lá do canto - despencou... Tirando pai, mãe, filhos e netos o resto é conversa pra bistrô regado a quitutes, já que nada vai mudar muito.  

Pra falar mais a verdade,  adoro histórias de família; quebra a monotonia do cotidiano e me permite estudar mais a fundo o comportamento de nossa sociedade, meio que naufragando num mar de lama. Sou um pouco chegada à psicanálise, ao estudo da mente humana e de suas manifestações. 

Esta noite pensei muita coisa, mas fico por aqui, já é o suficiente.
O dia já está clareando.


38 comentários:

  1. Ah! a insônia...quantos caminhos percorremos noite à fora!
    Mas me preocupou mesmo, foi essa história de marido virar doninho de casa....Aff!Que pesadelo! É melhor ficar insone...pensando na morte da bezerra....
    mil beijos

    ResponderExcluir
  2. Bons sonhos...
    Um grande bj querida amiga

    ResponderExcluir
  3. Ah! Esqueci de te contar:
    Tu está aqui, em postagens no meu blog...

    http://marthahelenaperdaseganhos.blogspot.com/search/label/Ta%C3%ADs%20Luso%20de%20Carvalho

    ResponderExcluir
  4. oi Tais,

    insonia é mesmo uma perturbação
    parece que os minutos estacionam se negando a andar,
    o silêncio nos envolve a alma
    e os pensamentos ficam a nos martelar...
    descansar é necessário
    e perder as horas de sono deveria ser proibido...

    beijinhos
    tem bolinho pra você

    ResponderExcluir
  5. Numa noite de insônia a última coisa que faço é contar carneirinho, pois eles começam a pular de dois e alguns voltam e me fazem perder a conta e me irrito mais. É sério isso, tudo vai muito bem,cerquinha branca e carneirinhos brancos, de repente pulam dois brancos e eu conto rápido,depois vem um pretinho e eu fico encabulada, depois os carneiros voltam ...
    Eu adoro uma história, mas tipo causos, fofoca, fofoca eu sou meio arredia. Mas um bom comentário(pode ser exatamente da parte negra) eu adoro! Também sou filha de Deus né Tais??
    Ainda bem que lembrou da vizinha e da velha, e quando a gente começa a lembrar daquele pão que azarava a gente na faculdade, ou do beijo maravilhoso do primeiro namorado??? aiiiiiiii que pecado.
    Adorei sua crônica e a insônia nos dá a oportunidade de escrevermos bons textos como esse. Não é de todo mal ter insonia de vez em quando!
    Beijokas doces e uma semana abençoada pra você com sono arrebatador.

    ResponderExcluir
  6. Oi Tais,

    eu tenho insônia crônica e sei bem o que é. É na noite que eu escrevo.. quase sempre!
    O vácuo da noite faz com que viajemos longe... muito longe!

    Que hoje voce consiga ter uma boa noite de verdade!

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Um pouco de psicologia para analisar....
    pois querer ajudar, pode estragar tudo....
    Se calhar ele pensou.(mal)..deixa cá ajudar a velha, já que agora tenho todo o tempo....,e quem está habituado a 'bulir',não pode ficar parado, pois
    acaba por definhar....rsrs...
    Pois essa foi mesmo uma noitada...
    Adorei
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Oi Taís,
    que bom que você escreve. Desse modo pode transformar sofrimento em arte.
    Terríveis insônias geram livros maravilhosos. Aind bem que você não tomou drogas para dormir!
    Um beijo do atelier

    ResponderExcluir
  9. Taís, é sempre assim, enquanto o sono não vem, a mente vagueia pelos meandros da consciência, são palavras, fisionomias, lembranças, sorrisos, lágrimas, comportamentos (dos outros geralmente, rsrs), enfim, um momento que demora a passar, parece que a noite não acaba nunca.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Bom sono e bons sonhos.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Nem me lembro de alguma vez ter vindo aqui...há uns seguidores mais persistentes...há falta de tempo...mas pronto cheguei, ando a fazer uma tentativa de conhecer todos!
    Gostei muito do texto...de facto uma insónia é tremenda...vem cada coisa ao pensamento! Detesto ter insónias...
    Gostei dos casos narrados, são bem casos da vida!
    Beijo,
    Manuela

    ResponderExcluir
  12. Oi Taís! Bela crônica! Realmente, nos velórios encontramos todo tipo de gente. tem aquele que vai só para saber e falar da vida dos outros, tem o que vai somente para tirar a barriga da miséria com o lanche ofertado, tem o que vai encher a cara de cachaça e tem também, o cara que vai só para aparecer. Rsrs.

    Beijos e ótima semana pra ti e família.

    Furtado.

    PS: Quanto ao teu comentário lá no Próximo trouxa, estás totalmente certa, a baboseira foi inspirada numa história contada por minha nora à minha filha, sobre um primo dela. Rsrs.

    ResponderExcluir
  13. O pior da insônia é olhar para o lado e ver o marido roncando numa boa!! hehehehe.
    Taís, falando em psicanálise, eu estou lendo uns livros do Augusto Cury, gostei tanto que já comprei vários. Estou aprendendo, aos poucos a penetrar no território das emoções.Um beijo.

    ResponderExcluir
  14. Insônia! Muito díficil encontrar quem não conviva com ela e parece-me que as mulheres estão mais propensas.

    Os pensamentos que se formam é que é a coisa cruél, kkkkk ou são bizarros ou só love, e quando a danada é na tpm que vem junto com uma choradeira .

    Tenho tanta coisa para fazer que quando uma insônia se apresenta nestes dias frios aqui da fronteira eu estou barganhando com ela, rs,rs levanto e faço um chá bem gostoso e vou ler algo , assim ela não resiste e o sono para a alegria das minhas células volta a reinar.

    Bjão querida e abençoada semana.

    ResponderExcluir
  15. Adorei o texto; adorei os comentários.
    A insônia só vale quando produzimos algo com ela.
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  16. Insônia...sei bem o que é isso, Taís
    Ela é minha companheira inseparável...rsrs
    Tenha uma ótima noite e bons sonhos para nós...rsrs
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  17. Anônimo16:05

    Ah! Aposentadoria! É meu sonho de consumo,rsss pretendo viajar muito!
    Insônia, hummm...nada agradável, mas sua crônica sim, me fez rir muito, rsss
    Que suas noites sejam mais tranquilas, com lindos sonhos, um abraço.
    Ivana Altafin.

    ResponderExcluir
  18. Eta noite de insônia animada! Deu para diversificar e pensar em mil e uma situações.É somos assim, mesmo negando.Que seria da vida se não houvesse esse diz que me disse?Adorei a história do chato querendo pendurar o pano de prato pela ponta.Pobre mulher! Ela que deixe ele com os serviços caseiros e arrume outra atividade.Adorei teu texto.A peregrinação da insõnia foi demais.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  19. O curioso nesse caso é que a gente vai deitar com o maior sono e depois... É isso, menina, e contar carneirinho deve servir mesmo, mas para mim nunca deu certo.

    Abraços, minha menina!

    ResponderExcluir
  20. Tais, a insônia pode até fazer mal para o corpo, mas para a mente, estou mais uma vez constatando que não. Os melhores e mais elaborados textos saem dessas elocubrações, lembranças e esmiuçamentos do cotidiano. Eu defini(para mim) que o cronista é o melhor fofoqueiro que há: fala de todo mundo bem e mal e não fala de ninguém especificamene (o que o levaria a ser um fofoqueiro reles). hahahah! Adorei. Abração. paz e bem.

    ResponderExcluir
  21. Agonizante!! Estas insônias parecem nos tirar as vísceras a sangue frio! Muito bom!!

    []s

    ResponderExcluir
  22. Amiga Tais, sendo hoje o dia internacional da Amizade e do Amigo, passei especialmente para deixar um abraço bem apertadinho e um grande beijinho.
    “A glória da amizade não é a mão estendida, nem o sorriso carinhoso, nem mesmo a delícia da companhia. É a inspiração espiritual que vem quando você descobre que alguém acredita e confia em você.” (Ralph Waldo Emerson)
    Maria

    ResponderExcluir
  23. Querida Taís, passando pra te dar um abraço pelo dia do amigo!

    Insônia é a pior das companhias. Eu bem a conheço! rs

    Beijos amiga linda e até mais.

    Lu C.

    ResponderExcluir
  24. Uma noite de insônia que rendeu mais uma deliciosa crônica.

    Ai, amiga, só rindo mesmo pra não chorar. Essa história do pano de prato me fez lembrar uma outra (tomara que os envolvidos nunca leiam isso aqui). O marido, todo dia, picava papel e jogava embaixo da cama para ver se passavam a vassoura por lá. rsrsrsrs A empregada ficava irritadíssima. Resultado: divórcio. Lógico, não apenas por conta disso, mas porque o danado era um poço de "criatividade" no que se refere aos cuidados com a casa, coisa que a esposa acreditava deveria ser preocupação apenas dela. E isso, só para contar a ponta do "pano de prato" da sua relação com o marido, - um louco! -, espécime a ser estudado. rsrs Prato cheio para os psicanalistas. E ainda estava longe do momento da aposentadoria!...

    Quanto à sua vizinha idosa, há pessoas que sentem um prazer (mórbido) em frequentar velórios. Vá entender!... Essa aí provavelmente sempre sonhou ser carpideira. Agora, ela tinha 85 anos de idade, não é? Já estou achando que velórios, contraditoriamente, têm a ver com longevidade. Claro, desde que lá se esteja para velar, e não para ser velado! rsrs

    Querida, bendita a sua insônia! rsrs Muito me diverti lendo esse excelente texto.

    Eu,... trabalhando, trabalhando e trabalhando... Abrindo uma fresta aqui e ali para tentar continuar a blogar. Vi hoje o comentário que você deixou lá no Zambeziana. Obrigada, querida! E feliz Dia do Amigo, embora todo dia seja nosso dia, né linda? Um beijo, um abraço apertado, e inté!

    ResponderExcluir
  25. A insônia gosta muito da Sônia aqui. rsrsrs
    Noites e noites...aff!
    E como os monstros são mais feios à noite, amiga!
    Ótima crônica, como sempre, amiga!
    Beijos meus!

    ResponderExcluir
  26. Insônia é terrível eu procuro esvaziar a mente ou então pensar algo bem leve, algo que me deixou feliz, feliz mas não a ponto de me deixar ansiosa, não procuro entrar em questões porque senão não durmo mesmo, gostei muito de sua crônica, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  27. Que insônia produtiva heim?
    A insônia para mim soa como o lado frágil,aquele o qual eu nunca soube administrar...Outra coisa,eu também vi um bancário enraigado,ao se aposentar,mudando a posição das roupas no varal,passando pano no meu pé no banheiro enquanto me preparava para ir ao trabalho ...[claro que não fazia por maldade,mas porque estava perdido procurando algo para administrar]rsrsrs Aí o jeito foi desocupar a área...Beijos!

    ResponderExcluir
  28. Oi, Taís, insônia, para quem trabalha com a palavra é um "prato cheio". É só dá margens à imaginação, vai escrevendo que o sono chega...De quando em vez, ela me ataca...aí eu tiro prveito e prduzo...

    Bela crônica
    Beijos'

    ResponderExcluir
  29. Tais...
    DEsculpe minha ausencia..
    Estava sem muito tempo..mas agora as coisas ja estão voltando ao normal.
    Eu sei o que é insonia.
    Antes eu acordava sempe, as 2 da manhã. Era horário marcado.
    Eu chegava a pintar de madrugada.
    E haja imaginação..nessas oxasiões da insonia nossa mente nos domina., Nos leva pára onde quer. Até em diálogos imaginários.
    Gosto muito de ler suas cronicas.
    Gosto da sua autencidade.
    Acabamos por fazer uma idéia da pessoa só pela maneira como ela se expressa.
    Gosto muito de vc!!
    Um beijo..e um lindo final de semana!!
    Ma

    ResponderExcluir
  30. Ontem tive insônia... Nem me fale... É um enxurrada de pensamentos que não conseguimos conter... e lá se vai a noite.
    Bjo

    ResponderExcluir
  31. É por isso que eu só penso coisas estranhas então...
    Culpa da insônia eterna.
    Tais vamos conversar online pela madrugada, rs...
    Eu aqui já infernizo a vida dos co-habitantes do lar com a minha mania por escorredores de pratos, preciso deles impecavelmente limpos, bem organizados na hora de secar a louça,e lindos!
    E olha que eu estou é longe de me aposentar, haha!
    Velório? Sem cantina não dá, pior é que eu choro mesmo, não preciso nem gostar do defunto...

    Bjsss!

    ResponderExcluir
  32. Olá querida Thaís,
    Passando para deixar meu abraço e dizer que tem um selinho para você lá no meu blog.
    Um grande beijo,
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  33. Tais..Um lindo domingo a voce!!!

    l
    Ja comentei sua cronica anteriormente, mas nao resisti e acabei lendo-a novamente.
    Sempre bom te ler.

    Um bj carinhoso,

    Ma

    ResponderExcluir
  34. "Porém, vivemos num mundo em que as pessoas se entrelaçam e se enroscam: vizinhos, parentes, colegas de trabalho, conhecidos..."

    Uma imagem perfeita, sensorial, dessa realidade que se imiscui em cada segundo ou centímetro do dia a dia: gente, gente e mais gente - em carne e osso, em câmeras, em e-mails, telefonemas, torpedos, youtubes... E daí assistimos àqueles filmes ou vemos fotos sobre o tempo em que as pessoas eram espaçadas, em que 1 metro era 10, em que 1 minuto era 15, em que um fim de semana eram férias de 3 meses.

    Parabéns pela minúcia do perceber e pela sensibilidade na escolha das palavras.

    ResponderExcluir
  35. Taís,suas cronicas sempre são interessantes!Numa noite de insonia,pensamos mesmo coisas que parecem malucas!...rss...coisas que não pensamos quando bem acordados!O comportamento das pessoas é sempre um surpresa e esse marido,talvez querendo ajudar,vai acabar com seu casamento!Quanto a velha do velório,conheço tb algumas assim!...rss...bom te reler!Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  36. oiee muito lindo o que vc escreve...espero estar sempre acompanhando suas novas crônicas..cada uma delas se encaixam perfeitamente com o nosso dia a dia..essa me lembra noites sem rumos..onde viajamos em nosso pensamentos, programando afazeres.ao memso tempo um silêncio que envolve alma..horas de sonos perdidas mais sonhando acordada..



    bjooo gostei do blog

    ResponderExcluir
  37. Nossa Taís nem me lembro de quantas noites de sono já e fiquei na madruga e as vezes tendo que trabalhar no outro dia. Pois tenho apenas 23 anos

    ResponderExcluir
  38. Muito bom dia querida Tais.. tema este que persegue muitas pessoas..
    pude ler em livros maravilhosos sobre o sono.. e tem um horario especifico..
    certo seria as pessoas irem para a cama até lá pelas 22 e 30 e acordarem lá pelas 6..
    coisas do corpo.. cada sistema tem uma função.. assim como é certo almoçar ao meio dia pois libera a fleuma se não me engano que tem um horario para a mesma digerir..
    o corpo trabalha certo, nós é que judiamos dele..
    são bem raras as noites que não consegui dormir...
    as mesmas se deviam a minha mãe que roncava demais acompanhada de meu pai e no outro quarto meu irmão com rinite alérgica srrs
    era um inferno..
    teve uma época que comprei o sino dos ventos... quando me acordavam com roncos eu puxava o sino e acordava todo mundo srsr
    dai queriam me matar, mas quanto a mim.. eu que me dane né srrs
    cansado disso.. me retirei do meu quarto.. fui dormir no sofa do porão.. que luxo..
    as vezes um sofá ou até mesmo o chão são melhores que travesseiro e colchão..
    nunca mais dormi no meu quarto e fazem alguns anos já..
    falo com algumas pessoas e como sofrem com isso..
    as vezes recebo email as 4 da manhã..
    uma vez uma pessoa me mandou algo assim..
    são 4 e meia da manhã.. ainda não consegui dormir srrs
    vem me nanar rsrs
    bah rsrs terrível né..
    eu despertando e ela nem tinha pregado os olhos...
    sobre a questão que tu citou..
    meu pai faz uns 15 anos que se aposentou.. a mãe tem depressão desde que sou pqueno por outros motivos..
    mas o casal não pode mergulhar no vazio.. é como uma fuga... um tentando achar o que fazer e a outra desligada de tudo se afundando..
    tem amigos do pai que se aposentaram antes dele e ainda trabalham... dizem que não conseguem parar mas no fundo é tudo por ganancia,, sempre querem mais.. o pai nunca mais fez nada.. caminha.. vê a tv dele.. faz umas coisas fora de casa.. é calmo.. meu pai tem 59 mas eu dou uns 40 e muitos dão isso pois mal tem cabelos brancos.. não se estressa.. obrigado pelas palavras.. tb sou fã do que tu escreve.. vc aborda todos os assuntos.. teu blog é o único que entro e vou atrás de temas mais antigos.. e como tem os mesmos.. estou fazendo uma poesia sobre o palacio do planalto srsr imagina né srs ainda to pegando levinho com essa joça ai e a tropa de gentinha dentro do mesmo.. beijos e um lindo domingo a vc até sempre

    ResponderExcluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso