13 de julho de 2014

PRECONCEITO À VISTA!



              - Tais Luso de Carvalho

Não faz muito que assisti uma entrevista no programa Provocações, do Antônio Abujamra. Dentre muitos assuntos o que mais chamou minha atenção foi quando o repórter saiu às ruas para colher alguns depoimentos sobre a ambição. E pegou um flagrante triste de se ver: abordou uma jovem senhora, que mais parecia uma metralhadora falante, e perguntou-lhe se ela era uma pessoa ambiciosa:

Já fui ambiciosa, hoje já não mais: gosto de dividir tudo o que tenho com as pessoas que amo, com as pessoas mais humildes, como a minha secretária, uma pessoa muito simples, humilde, mas honestíssima. Maravilhosa.

O que ela faz na sua casa? perguntou o repórter.

Arruma a casa, cozinha, cuida de tudo!! Da família inteira, é uma secretária maravilhosa.

A senhora tem algum problema em dizer que ela é sua empregada doméstica?

Após alguns segundos de constrangimento...

Sim: porque ela é minha secretária. Merece mais. Ela é uma pessoa que está comigo há 7 anos e gosto muito dela; é minha amiga e merece tudo de bom. Tenho o maior respeito por ela. É minha secretária. repetiu a ansiosa metralha.

É claro que ela ficou numa situação muito embaraçosa. Foi flagrado o preconceito diante de milhares de pessoas, e isso a incomodou bastante. Uma atitude velada que partiu da patroa. Usa alguém que desempenha esse serviço doméstico, mas discrimina a profissão. O repórter tocou num ponto nevrálgico, desnudou o preconceito.

Mas é isso aí. Acabei entendendo que a pessoa que trabalha como empregada doméstica não pode ser honesta, maravilhosa, humilde e amiga, mas uma secretária pode! Então tá. Está aí  mais outro preconceito: empregada não pode ter virtudes e nem ser maravilhosa, mesmo trabalhando como uma mula.

Tenho certeza que o dia em que a tal secretária se mandar do emprego, a coisa vai mudar: quem deixará o emprego será a empregada desonesta, inimiga e abominável; vai ser amaldiçoada.

Que coisa feia foi isso, hein madame? Agiu como se um status melhor - segundo sua ótica - pudesse moldar o caráter de alguém. Cada dia as pessoas tornam-se mais criativas, dissimuladas e interesseiras.

Bem, tenho de fechar essa crônica porque amanhã, bem cedo, receberei minha nova faxineira… Estou um pouco apreensiva, vá lá que bata à minha porta uma pessoa honestíssima, amiga, maravilhosa e bilíngue querendo fazer a minha faxina... 

Não saberia lidar com a língua; preciso colocar meu inglês em dia: minha  frase de boas-vindas seria The pencil is on the table!! 

Pra engolir essa coisa grotesca, só levando na brincadeira. 
Foi terrível. Triste. 





30 comentários:

  1. Perfeita sem medo de escancarar uma coisa, que no Brasil é cada vez mais evidente, as mascaras para ocultar sentimentos preconceituosos e discriminatórios. São os mesmos que conseguem dar cor a alma de uma pessoa não branca. Dona madame falante pisou feio na bola em tempo de Copa.
    Belo trabalho Taís,
    Uma boa semana de volta ao normal,rsrs.
    Meu terno abraço amiga.
    Bju de paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Antonio, é, a madame se perdeu, ou melhor, talvez tenha se achado! É tão incompreensível o que vi que tive dificuldades em narrar, em deixar claro. Obrigada, querido amigo, uma boa semana pra você.
      Beijos.

      Excluir
  2. rsssssssssssssssssss...Crônica leve,apesar do tema pesado:preconceito! E ele existe mesmo. Uma palavra ,um termo pode mudar a posição da ajudante? Cada uma!!!Pena,né?

    Adorei e boa sorte com tua nova faxineira,rs beijos,linda semana! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chica, é difícil de explicar certas coisas tanto quanto descobrir e conhecer o ser humano nos seus esconderijos. De tão absurda a coisa, tive de fazer força para deixar leve. De pesada já foi a Copa das Copas... rsssss
      Beijo grande!

      Excluir
  3. A propósito deste conteúdo, enviei um vídeo
    que se encaixa na perfeição.....Chama-se, "A importância de uma fatiota......"
    Triste de se ver.......
    Beijo

    (Justa a vitória sobre a Argentina....hihihi..)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andrade, vi o vídeo! Que triste.
      Claro que a vitória foi justa!! Uma bela Seleção a alemã. Aliás, as duas. Venceu a que mereceu.
      Obrigada, amigo, Beijo!

      Excluir
  4. SIEMPRE INTERESATES LECTURAS. GRACIAS!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amigo Alberto, sempre muito bom tê-lo aqui. Volte sempre.
      Grande abraço!

      Excluir
  5. Tais: Dessas coisas há por todo o mundo, infelizmente que seja assim, mas há muito que fazer para se conseguir mudar este par de coisas gostei de ler a reportagem.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querido amigo Santa Cruzl! Não acredito que essas coisas mudem. Isso faz parte das nossas imperfeições!
      Um beijo aí para Portugal.

      Excluir
  6. Taisamiga

    Depois da tempestade costuma vir a bonança; mas nem sempre. Encontrar a pessoa que goste do que faz, que goste de estar connosco é coisa boa, é fundamental. Mas se um qualquer preconceito fizer entornar a panela, adeus ó vindima. Preconceito já não deviahaver - mas há. Infelizmente, é a vida...

    Qjs

    Há Natália Correia na nossa Travessa. Resultado: o leão da Babilónia não é um leão, é uma leoa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Henrique, a arte está em saber conviver com essas coisas, mas descartando esse tipo de gente. Acho que a vida fica mais leve, mais bonita. De um lado assistimos uma festa de confraternização e do outro os preconceitos ficam pipocando...Vá entender esse mundo louco...
      Beijos aí pra Portugal, também!

      Excluir
  7. Olá amiga, aproveitando para fazer umas visitas que estou devendo e agradecer por está sempre presente lá no meu cantinho, prestigiando, comentando. Obrigada , você será sempre bem vinda.
    Parabéns pelo tema abordado no seu post. o preconceito existe e casos como este acontece muito na nossa sociedade. Hoje numa aula de Sociologia aos meus alunos do 2º EG, Estratificação social e falava na valorização profissional, que na estratificação profissional, o emprego doméstico ainda é descriminado como outros.Muito bom o tema.
    Uma linda noite e uma semana abençoada.
    Abraços Lourdes Duarte
    http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/
    Querida, este linque é d e um blog de uma ex aluna, está iniciando agora e me pediu para que eu a orientasse e divulgasse seu blog. Está ficando interessante! Como na blogsfera somos unidos um ajuda o outro, deixo o convite , se puder conheça, participe ficaremos gratas. http://leticiapriscila0511.blogspot.com.br/2014/07/amo-te.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lourdes, também agradeço sua visita sempre bem-vinda. Vou, sim, visitar o blog de sua aluna. Valorizo e me junto aos blogueiros que adoram escrever, externar suas opiniões e levar assuntos variados e poemas àqueles que gostam e que procuram coisas relevantes na web.
      Um grande abraço, volte sempre.

      Excluir
  8. Querida amiga

    Quando alguém
    se sente melhor
    que outro alguém,
    é a certeza
    que há muito de errado
    no exercício
    da nossa essência humana.

    Desejo para ti,
    a vontade infinita de ser feliz,
    amando de forma plena
    cada segundo da vida,
    sem ontens ou amanhãs,
    mas com a certeza e as possibilidades
    do presente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aluisio, no fundo, amigo, esse sentimento de desprezo pelo outro tem uma boa medida de insegurança, egoísmo e um certo amor mal resolvido. Pessoas realmente felizes, não são portadoras dessa anomalia.
      Grande abraço!

      Excluir
  9. Olá, Taís!
    O preconceito vai muito mais além do que os nossos cinco sentidos, interagindo juntos possam perceber.
    Imaginemos uma festa que vamos dar, mas o local só pode comportar a metade dos amigos que temos, e como não somos preconceituosos, dentre esses amigos, existem pessoas de peles de cores diversas, de classes sociais diversas e profissões também diversas, “onde incluem-se” alcoólatras, homossexuais, ex presidiários, pessoas com hiv, religiosos diversos, políticos, obesos, deficientes físicos ou áudio visuais e também desempregados e etc. A pergunta é: sendo que todos esses nossos amigos querem e podem ir à festa e são todos de boa índole, que critério usaríamos para convidar apenas a metade deles? - Colocaríamos seus nomes em uma urna e faríamos um sorteio, ou usaríamos outros métodos de seleção?
    Abraço...

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Olá, Tito: simples, eu usaria o critério que toda a festa social pede:

      É sabido que quando se dá uma festa, temos de convidar grupos que têm algo a ver entre si, caso contrário a festa ficará o samba do crioulo doido, pois preconceitos sempre existirão. Jamais convidaria alguém que tivesse aversão a um religioso se esse estivesse na festa. Pra quê? Caso eu convide advogados e juízes, logicamente não convidarei ex-presidiário! Isso causaria constrangimento entre eles. Seria essa a linha que eu seguiria, evitaria que a festa pudesse desandar, isso cabe ao anfitrião.

      Abraços a você!

      Excluir
  10. Boa tarde estou visitando seu Blog e venho agradece-la por participar do meu . Ja estou te seguindo , seu Blog é muito interessante ameii , parabéns e muito sucesso . Fica com Deus bjoos. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Letícia, bem-vinda! A propaganda é a alma do negócio, não? Segui o conselho da prof, Lourdes e fui conhecer seu blog, mas voltarei lá com mais calma.
      Beijo, carinho!

      Excluir
  11. Linda amiga Taís, assunto polêmico, infelizmente o preconceito existe, mas acredito que os preconceituosos são os que mais sofrem, pois não podemos enganar nossa alma, no fundo, quando se está a sós a dor vem e nem sempre podemos viver mentindo o tempo todo para nós mesmos!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida Ivone, é sempre ótimo ver você por aqui.
      Olha, amiga, essas pessoas tão preconceituosas não estão nem aí, não se abalam para o sofrimento dos outros e não ficam com culpa, penso eu, até posso estar errada. O egoísmo, a inveja e a soberba é que dirigem suas vidas.
      Você tem um coração grande, puro. Infelizmente eu não sou muito crente no ser humano.
      Grande beijo, carinho, amiga!

      Excluir
  12. Ah! esse tal de preconceito...
    Quando não se acha um motivo, alguém logo dá conta de inventar um. Que pena que os humanos são assim! rssss
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Estela, como está você? É, amiga... ser humano é superação... Quando se pensa que está tudo mais ou menos, vem mais uma bomba!
      Beijos, meu carinho!

      Excluir
  13. Sabe Tais!
    As vezes eu me perco nas palavras, e também no que escrevo, e muitas vezes sou mau interpretado, e só para esclarecer, sobre meu comentário anterior, essa não foi uma pergunta pessoal, nem para você nem para seu leitores, e sim para que eu talvez consiga entender aonde começa e aonde termina essa linha divisória entre uma seleção e uma exclusão. Pois como sabemos, somos nós mesmos que criamos e quebramos regras sociais, e que no meu ponto de vista têm sempre um prazo de validade e cujas dependem apenas da aceitação ou não da maioria.
    Em relação a sua resposta, eu também agiria da mesma forma.
    Sem mais, um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tito, acho que seu comentário anterior foi ótimo, sim. Como já vi muito isso em festas, e não funcionou, até pude deixar algo que ajudasse. Essa linha que você fala, muitas vezes nos surpreende, seria como convidar pessoas para comerem mocotó sem sabermos se gostam desse prato! E nas relações humanas a coisa pesa muito e, como sei que não vou mudar o mundo nem as pessoas, faço a seleção antes. Convido um grupo que sei que uns simpatizam com os outros, garanto o sucesso da festinha. Infelizmente é assim. Não me iludo em pensar que poderei modificar o interior de alguém. Mas gostei do seu comentário, sim.
      Grande abraço!

      Excluir
  14. Curioso, irônico e cheio de leveza bem humorada este post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ricardo, é, tive de colocar um pouco de ironia e humor, mas pensando bem é barra pesada. Todos nós precisamos desses serviços, no entanto certas pessoas têm medo de ofender, o que no fundo a vergonha está é nelas. Que pena. Mas não tenho ilusões com a queda dos preconceitos, isso é real e jamais acabará. Será sempre uma luta inglória.
      Grande abraço, muito bom você por aqui, muito obrigada!

      Excluir
  15. Boa tarde querida Tais..
    tem pessoas que gostam de falar bonito...
    que para manterem as aparencias tem que dar nome ou recriar nomes..
    tem vergonha do que os outros vão pensar..
    dias atrás mesmo.. falava com meu pai sobre parentes que nem vim a conhecer..
    ele me dizia que os filhos do casal passaram a imensa casa a empregada.. quando o pai veio a falecer.. pelo reconhecimento do que ela havia feito..
    a irmã deles que morava 3 casas depois nunca ajudou os pais em nada.. dai se doeu quando os mais velhos fizeram isso.. isso é ser grato .. e tem pessoas honestas.. ainda tem.... lembro-me tb que anos atrás eu fiz um teste.. deixei a baba crescer..
    já sou cabeludo, amo usar camisa de banda, all star e minha calça jeans mais batida que eu mesmo rsrs e ia para lojas, bancos.. tinha gente que até trocava de calçada sabe rsrs
    no minimo.. bah.. aquele é um maconheiro.. aquele é isso aquele é aquilo.. e este que vos fala é poeta e nunca colocou um cigarro na boca rsrs
    ouvi cada coisa de pessoas próximas.. mas só para observação mesmo.. Deus deu 2 ouvidos e uma boca para ouvirmos mais e falarmos menos rsrs
    bjs e lindo dia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Samuel, sabe quando vai acabar esse tipo de coisa? Nunca! Também já fiz esse seu teste e me dei mal num shopping. Fui bem à vontade, rasteirinha etc e inventei de entrar numa joalheria. Naturalmente não fui bem atendida, acho que a balconista não achou que eu poderia comprar a tal coisa, rss Mas amigo,.. não te conto. saí e no dia seguinte voltei à mesma loja, mas na 'beca', com salto, maquiada, etc, etc. e veio outra para me atender. Mas eu quis ser atendida pela outra, aquela! Aí entrei com um papinho nas alturas, fiz ela se lembrar de mim.
      Querido Samuel, o resto não preciso contar, né? Sou humana e não concorro a nenhum cargo santificado.. Isso só por causa da roupa!!! Por isso lhe entendi. E tenho absoluta certeza de certas coisas, certos preconceitos vão continuar. Feio ficou pra ela, não pra mim. Acho que consegui que ela notasse seu preconceito. Ou avidez.
      Beijo!

      Excluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso