16 de agosto de 2009

Família só é bonita em porta-retrato?




                  - Tais Luso de Carvalho



Será verdade? Há muitos anos ouvi esta frase: família só é bonita em porta-retratos! Ouvi, achei engraçada, mas não passou disso, não levei a sério. Mas, hoje me pergunto se esta frase não estará certa, aplicada nos dias atuais em milhões de famílias espalhadas por aí.
O título da crônica pode ser engraçado ou um tanto mordaz, mas pelo que tenho visto, no decorrer de muitos anos, família e paraíso não são sinônimos. Vejo, cada vez mais, um núcleo desestruturado, rancoroso e azedo. Haja jogo de cintura para se sair vivo de uma fofocaiada, de uma intriga familiar. Não existe nada mais complexo e labirintoso do que esse núcleo, hoje. Mesmo por que a base é o ser humano, com todas suas nuances.
Daí o convívio, em muitas famílias ser algo surrealista, difícil de entender. Se o ser humano piorou, se perdeu quase que totalmente o respeito uns pelos outros, consequentemente as famílias pioraram.
Também não quero dizer que não exista o amor familiar; ele está presente, mas não o suficiente para manter as pessoas unidas e em harmonia por muito tempo. Primeiro é o eu; depois continua sendo o eu. E sobra pouco pra dividir. E no primeiro tropeço, começa a desintegração.
Dizem que a família é o mais importante núcleo para a formação de uma sociedade saudável. Até concordaria, mas se saudável fôssemos. Porém, estamos cada vez mais desacreditados, incapacitados para sentimentos, e por incrível que pareça, nos estarrecemos ainda com todas as atrocidades que vemos.
Nossa espécie está mais violenta do que nunca: tudo já aconteceu. Não sei qual surpresa pode estar a caminho, talvez a explosão do planeta. E até isso não me surpreenderia. Nossos caminhos podem estar estão cheios de flores, mas repletos de espinhos!
Em minutos ficamos sabendo das últimas atrocidades: do filho que matou a família inteira; da mãe psicopata que jogou a filha no lixo; do pai que atira a filha pela janela; do filho que esfaqueia a mãe para obter dinheiro; da mulher que envenena o marido; da mãe que vende a filha para ser prostituída; da filha que mata os pais com olho na herança, da mãe que mata o filho drogado, do neto que espanca a avó... Que coisa mais maluca! Enfim, uns parentes ordinários que não se sabe de onde saem. Isso se chama família? Não tem nacionalidade, cor ou credo. E não são casos isolados; não são poucas as famílias que se atracam o dia inteiro. Mesmo em nome do amor familiar!
Sempre teremos no nosso núcleo - ninguém foge dessa - pais, irmãos, primos, tios, avós, filhos, sogros e cunhados que farão o inferno astral uns dos outros, cooperando para a formação e instabilidade dessa base social.
E é nesse núcleo que nasce a inveja, a avareza, a insegurança, o egoísmo, a intolerância, a arrogância, o desrespeito e a formação de caráter. Que núcleo é esse, onde o sangue que corre pelas mesmas veias não tem o poder de fazer com que impere o amor, a proteção e todos os sentimentos nobres? Que berço esplêndido se desenvolverão esses sentimentos?
É no núcleo familiar que aprendemos a armar confusões por coisas insignificantes; é no núcleo familiar que crescemos vendo as primeiras desavenças entre pai e mãe; é nesse núcleo que fofocamos dos primos, das tias, dos avós, dos netos, dos cunhados e dos sobrinhos; é no núcleo familiar onde começam nossas carências afetivas. E é no núcleo familiar que aprendemos a querer o mal do outro. É nesse núcleo que se forma o ser humano.
É nesse núcleo - no término do casamento - que os filhos são colocados na linha de combate e atingidos pelos atos de vingança de seus pais. É mãe escondendo o filho do pai e pai se esquivando de pagar a pensão dos filhos. E depois dê-lhe terapia no anjo.
Que instituição é essa que o amor não sobrevive diante da matéria? A coisa só afrouxa nos velórios. Mas passados uns dias, quando tudo já está esquecido e o defuntinho enterrado, o tal núcleo volta a ser o que sempre foi: cruel, insensível e interesseiro.
Não tenho mais pruridos em falar de família. Família deve ser vista sem máscara e sem verniz. Caberia também ao Estado cuidar do que é oferecido aos nossos jovens; ter mais cuidado com os filmes, que são verdadeiras escolas de crimes.
Por isso digo que família só é bonita em porta-retratos: nele, as famílias ficam lindas e sorridentes para serem vistas pelas gerações futuras: este é o fulano, filho do sicrano e neto do beltrano!
Maraviiiilha!! Que linda família, que harmonia!!
Recomendo o filme Parente Serpente: uma típica família italiana se reúne na casa da nona para a ceia de Natal. Tudo começa bem, recordando os bons momentos da infância. Com o passar das horas a personalidade de cada um dos irmãos vai emergindo e minando, aos poucos, o clima festivo até o dia que tudo termina da pior maneira possível... Eu vi esse filme várias vezes: no cinema e na vida real.




27 comentários:

  1. Olá Taís,

    FAMÍLIA É FAMÍLIA

    Sou filha de uma família nordestina, composta de oito filhos.
    Adorei minha infância de casa cheia, brigas, pazes, brincadeiras bagunças e por aí vai...

    Enquanto estávamos todos sob o mesmo teto, atendendo o comando dos pais entre erros e acertos éramos uma família feliz.

    Mas chega o dia de cada um tomar seu rumo, e seguir seu próprio nariz.
    Agregar pessoas diferentes, com diferentes costumes e conseqüentemente vem o choque.

    Tento conviver bem com todos. Mas subo no salto quando vejo chegar de algum lado injustiça e descaso com meus pais.

    Como mãe sempre fui uma onça a brigar pelos meus filhos, porém nunca deixei que nenhum deles me mostrasse suas garras.

    Tem mais!!! Posso até falar de minha família, mas meu sangue fala mais alto e fico possessa se alguém tenta fazer a mesma coisa.


    Beijos
    Dalinha

    ResponderExcluir
  2. Maria Lúcia Meireles18:25

    Minha amiga Taís!

    Como sempre fantástica! Não perdes a essência. És como vinho, quanto mais o tempo passa melhor ficas. Não quis te chamar de velha, hein, não vá me interpretar mal. Disse "quanto mais o tempo passa", mas você é demais mesmo!!! Família é uma coisa lindíssima, mesmo, lá na estante, no porta-retrato, bem lindo!!!! Mas, segundo a Bíblia, o que aconteceu com a primeira família? A mulher enganou o marido, um irmão matou o outro. Enfim, começou tudo já errado. Se tivesse começado normal, legalzinho, talvez não fosse assim hoje. Concordas??? Mas cada dia que passa a gente fica pasma mesmo vendo os noticiários e acontece igual pertinho da gente, só que o santo de longe faz mais milagre. Quando falas em cunhado, sogra, não sei mais o quê, agora somos todos parentes!!! Crês nisso? É, agora, agora é maneira de falar, essa lei é desde 2002, cunhado, sogra, viraram parentes! Disse para o meu genro que não sei qual foi pior, ele se tornar meu parente, ou eu tornar-me parente dele. Mas, amiga, haja o que houver, na hora que um é atacado, aparece família de todos os lados para te defender. É um auê, mas é família... Quem somos nós sem ela??? Magnífico seu texto, amiga! Lisonjeio-me em ler-te!

    Um abraço, Lúcia.

    ResponderExcluir
  3. Texto bom, mas não diria que a familia em si esteja totalmente perdida, pois há uma parte dela que escolhemos, aquelas pessoas que chamamos amigos...

    Alguns, de tão intimos chamamos amigos e irmãos....

    Vou lendo o restante...

    Fique com Deus, menina Tais.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Neste exato instante, na cozinha de certa casa, duas tias da Tais conversam (imagino eu):

    - Você vê, Mercedes, a Taizinha, filha da Cleonice!

    - Ah, a loirinha, sei, que tem ela?

    - Deu pra escrever, menina! E agora fica lá naquela intreinete metendo o pau na gente!

    - Cê tem certeza?

    - Tenho, Mercedes! A Lurdinha, filha da nora da vizinha do pai dela, que mexe com essa coisa de intreinete, disse que ela nessa semana mesmo falou mal de você.

    - De mim?!

    - Disse que você nem devia de estar nos retratos da família, de tão malidicente que é!

    - O quê, menina, mas que injustiça! Veja você que o finado Oswaldo ia de virar na cova se ouvisse isso! Eu e ele levava essa menina pra todo canto e até estudo pagamos pra ela quando a mãe ficou sem serviço! Num saia lá de casa a peste, e comia, viu? Só você vendo! Mas deixa estar que o Natal ta aí!

    Ah, a família...

    bjão
    Cesar

    ResponderExcluir
  5. Assino em baixo desse seu texto Taís. Assino pois...

    Um abraço aqui de Portugal onde as famílias são a mesmíssima coisinha desse jeito que você "retrata" em suas palavras. É que são mesmo, Taís!!!...

    ResponderExcluir
  6. Olá Taís

    Minha amiga, por muito que nos custe dizer, infelizmente a frase
    está certa. Longe , muito longe vai o tempo, em que família era
    estruturada e unoda.
    Nos tempos actuais, famoloa só é bonita no retrato.

    Beijinhos

    Alvaro

    ResponderExcluir
  7. Olá Taís:)

    Antes de mais queria agradecer-lhe o ter-se tornado seguidora do meu blog.
    Quanto ao seu post, acho que está delicioso. Quando fala:" O ser humano piorou, consequentemente as famílias pioraram.", penso que é caso para se perguntar quem nasceu 1º? o ovo ou a galinha?
    Nas últimas décadas ocorreram mudanças sociais significativas na estrutura da vida familiar. Tal transformou de uma forma radical o quotidiano, os ritmos e as rotinas das crianças e dos jovens e surge assim a diminuição de competências sociais e auto-estima relacionadas com o aparecimento de novas patologias do foro psicológico, o desaparecimento progressivo de hábitos de literacia e o aparecimento de fenómenos relacionados com comportamentos anti-sociais.
    No meio do mundo o homem sente-se socialmente só, anónimo e este sentimento reflecte-se necessariamente dentro da família. Esta ausência de integração social é um factor de desequilíbrio e de perturbação para a criança e para o jovem. Como poderá uma criança adaptar-se a uma sociedade na qual a própria família não conseguiu integrar-se?

    Continuarei atenta ao seu blog, pois gosto destas reflexões.

    Um beijo, desde Portugal

    ResponderExcluir
  8. Adoooorei o seu texto, é grande mais nada cansativo !
    seu blog é fantastico.Muito legal!!
    Desde já te convido a visitar o meu quando puder e espero que gosto como gostei do seu !!
    Beijão
    Lily C.

    ResponderExcluir
  9. Olá Taís

    amiga, tem um carinho para si em meu blog ao cimo da barra lateral.
    BLOG DE LUZ - espero sua visita

    Beijinhos

    Alvaro

    ResponderExcluir
  10. Adorei!
    Estava há tempos querendo ler.
    Suas crônicas, como sempre, ótimas!
    Saudades irremediáveis, minha querida amiga.
    Beijo,
    Vanessa

    ResponderExcluir
  11. Por vezes uma grande verdade infelizmente, é a vida
    O tempo não é algo que se possa
    voltar atrás...por isso plante
    seu jardim e decore sua alma...
    antes de esperar que alguém lhe traga
    flores...!
    Um beijo

    ResponderExcluir
  12. Taízinha

    Bela crónica e bela interpretação da família de hoje - mas que é válida para a de sempre.

    Foram os árabes que nos primaram com um ditado (que nós os lusos&brasucas adoptámos e integrámos nos nossos): Os Amigos podemos escolhê-los; a família, não. Verdade grande como punhos.

    Tu e o Pedrão formam um casal de truz. Bué da fixe, como dizem os meus netos, terminologia que já abracei. Com entusiasmo. E sei que têm uma família fabulosa. Boa! Felizmente, eu também.

    Um destes dias, se mo permitires, claro cumo binho tinto (à nortenha, carago!), vou enviar-te um picaninininho glossário dos usos da fala juvenil. Um mimo.

    Mas, para já: bué da = muito. Quem havia de dizer?

    Por hoje é tudo. Daqui a bocado chega o meu neto primogénito, o João (a caminho dos 16...) que vai fazer um minicurso de fotografia digital, a convite da Paulinha (16 feitos anteontem) que eu não conheço - mas que me parece que ele - bem... Família éoké.

    Já agora, parabéns pelos blogues.

    Qjs

    ResponderExcluir
  13. Há sempre dois lados de uma qualquer coisa. Desta feita a família. Tudo o que diz é verdade, mas o inverso também é verdadeiro.
    E o que fazemos nós para a não desintegração das famílias? Isso assusta-me mais do que a própria desintegração.
    Um beijinho,
    Maria Emília

    ResponderExcluir
  14. Cara Taís

    Na minha juventude eu sempre repetia a frase: "família só é bom por carta ou telegrama (não havia ainda internet). Eu achava que muito contato sempre resultava em crises, demonstrações de ostentação, fofócas, interferências nas condutas etc. Mas o tempo passou, os pais se foram, os filhos cresceram e tb seguem seus caminhos próprios e vc começa a ver de outra maneira: "família é como a democracia, às vezes é duro de aguentar, mas sem ela seria muito pior".

    ResponderExcluir
  15. Olá Taís! Em 1° lugar gostaria de agradecer pelo comentário feito a minha postagem de um ano do Wallarte no ar... e dizer que é bom demais contar com vc!
    Achei a sua postagem sobre "família", mto propícia para o momento, onde a gente vê tantas coisas acontecendo no mundo.
    Deixo aqui algumas palavras de Luis Gasparetto, onde ele certa vez disse mais ou menos assim em seu programa que já saiu do ar:
    - O mal é acreditarmos que podemos estar todos na cozinha juntos preparando a comida, todos rindo, se divertindo, e descascando cebolas... e eu completo:
    pena que o ser humano sempre está idealizando em sua mente como tdo deveria ser!
    Bjocas.
    Waleria.

    ResponderExcluir
  16. Infelizmente é verdade, família bonita, feliz e harmoniosa, só em porta retrato. É uma pequena que nos deixemos levar por sentimentos tão pequenos como a inveja, orgulho, ciúmes, etc. Se tivéssemos consciência que estamos nessa terra de passagem usaríamos melhor nosso pouco tempo.

    Ótima crônica, parabéns!

    Abçs
    Adriana

    ResponderExcluir
  17. "Família, família
    Papai, mamãe, titia,
    Família, família
    Almoça junto todo dia,
    Nunca perde essa mania
    Mas quando a filha quer fugir de casa
    Precisa descolar um ganha-pão
    Filha de família se não casa
    Papai, mamãe, não dão nenhum tostão
    Família ê
    Familia á
    Família
    Família, família
    Vovô, vovó, sobrinha
    Família, família
    Janta junto todo dia,
    Nunca perde essa mania
    Mas quando o nenê fica doente
    Procura uma farmácia de plantão
    O choro do nenê é estridente
    Assim não dá pra ver televisão
    Família ê
    Familia á
    Família
    Família, família,
    Cachorro, gato, galinha
    Família, família,
    Vive junto todo dia,
    Nunca perde essa mania
    A mãe morre de medo de barata
    O pai vive com medo de ladrão
    Jogaram inseticida pela casa
    Botaram um cadeado no portão
    Família ê
    Familia á
    Família.."

    Gostando de rock como gosto, não poderia deixar de postar essa musica do Titãs, que revela quase o que voce escreveu: o circulo vicioso dessa instituição. Adorei o texto, flor, tambem estou te seguindo..beijos!

    ResponderExcluir
  18. Taís, às vezes parente é serpente
    mesmo. Talvez porque não os escolhemos com o coração...
    A gente nasce no meio deles e não
    há o que fazer.
    Há muito tabu em torno dessa relação
    tão delicada. Aprendi com um psicanalista que não temos de gostar de pai ou mãe que não são bons.
    Somos todos seres humanos e alguns de nós não são criaturas boas e mesmo assim nos tornamos pais e mães e somos filhos e tios e por aí afora.
    E sempre foi assim...não estamos piores. A humanidade é a mesma, somente vivemos num mundo mais complexo.
    Pelo menos eu penso assim...

    Um grande abraço, amiga!

    ResponderExcluir
  19. Taís,
    Faço parte de um programa de rádio, Antena 1 de Santa Maria em que mulheres debatem vários assuntos no programa "Jogo de Cintura" todos os dias às 19 hs. Se quiser ouvir, pode acessar pela web www.antena1sm.com.br`. Pegando o "gancho" escrito em sua crônica, com o título homônimo do programa, seria uma excelente pauta: a questão da família! Vamos falar sobre isso e vou citá-la, se não se incomoda no ar, para que leiam suas crônicas e poemas: são fantásticos! Estou no ar nas sextas, mas às vezes substituo alguém em outros dias. Um beijo grande!!!

    ResponderExcluir
  20. Oi, Marília, claro que podes citar esta crônica na rádio, só tenho a agradecer!

    Um grande beijo e sempre o meu obrigada.

    tais

    ResponderExcluir
  21. Bem sei que tudo é inteiramente verdade, mas existem ainda aqueles que vivem na hipocrisia de afirmar sua família com exemplo, são cegos e donos da sua verdade, fazer o que?

    Adorei seu espaço e passo a seguir.

    Renata Vasconcellos.

    ResponderExcluir
  22. Olá
    assunto eterno esse, né
    Eu só tenho dúvidas de quem enlouquece quem. Pra mim, que já tive simpatias com idéias anarquistas, a família é a maior fábrica de loucos e neuróticos que existe.
    Aliás, lembro de outra frase, do livro "A Idade da Razão" do Sartre.
    "família é que nem varíola: a gente tem quando é pequeno e fica marcado pro resto da vida"
    Beijos
    Ademir

    ResponderExcluir
  23. Thaiz Carina Semensato21:33

    Ola tudo bem? Bom, sou Thaiz Carina Semensato, tenho 15 anos
    e estou no 1º colegial, a minha professora de portugues
    pediu para cada um pesquisar uma cronica...e o autor(a) da cronica.

    E no meio de minha pesquisa eu encontrei suas crônicas, Tais Luso,
    eu adorei suas crônicas, elas sao demais...
    e na minha pesquisa eu peguei a crônica: Famlia só é bonita em porta-retrato.
    Essa cronica indentificou-se muito comigo...

    Agradeço a sua atenção beijos e abraços...

    ResponderExcluir
  24. Há quem diga ainda que o problema está nos pais "mercenários" que "espancam" a criança; como se não fosse necessário, às vezes, um pulso firme para conter ações desvirtuadas das crianças. Chamam de "ditadores" os que impedem as crianças de assistirem ou fazerem algo; como se limites, disciplinas não fossem essenciais para a formação do caráter e conduta do ser. Se a família não administrar de forma conivente, dá no que você mostro - muito bem mostrado.

    ResponderExcluir
  25. silvia masc14:50

    Perfeito moça, é assim mesmo, em festa de Natal, família também é bom, desde que seja uma festa curta e sem muito vinho... (rs)
    beijos

    ResponderExcluir
  26. Anônimo11:14

    Concordo com você.Vou dá um ex: meu marido foi diagnosticado com câncer no pâncreas, em maio deste ano, pois bem, começou um tratamento com quimioterapia e tem que fazer uma dieta rigorosa passada pela nutricionista, a família dele está ciente de tudo isso, mas mesmo assim ficam convidando-o para sair para almoçar fora, como se ele pudesse comer qualquer coisa, não aparecem nunca para visitá-lo, telefonam uma vez na vida e outra na morte, e só para ficarem com demagogia barata, não perguntam pelo menos se nós precisamos de alguma ajuda. Realmente só são bons em porta -retrato.

    ResponderExcluir
  27. Maravilhoso...É isso aí. Beijos, dircinha e Lord JACK...

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso