2 de fevereiro de 2015

MAIS ANOS DE VIDA...



      - Tais Luso

De vez em quando chega no blog algum comentário em crônicas antigas, e naturalmente vejo os rostinhos das pessoas que lá deixaram algum parecer, na época. E numa das postagens, de 4 anos atrás, revi uma leitora - sempre muito carinhosa em seus comentários -, mas naquele ano, faleceu. Cliquei no blog dela, deixou lá um pedacinho de sua vida. Está lá seu blog e sua postagem que se refere ao 'seu' tempo.

Saí de lá com pesar. Tão jovem e cheia de sonhos! Vi seu rosto alegre e não deu outra: comecei a pensar no tempo que temos. E atrás de mim, meu som tocando Chanson D'enfance, cantado pela Sarah Brightman. Parece um complô.

Por que nós humanos, alguns reconhecidos como geniais, temos um tempo tão curto, enquanto uma tartaruga vai além dos 180 anos, fácil, naquele seu passito indolente?

Pena que usamos nosso tempo para tantas discussões, tanto exibicionismo, disputas idiotas, intromissões na vida alheia, tantas mentiras, arrogância e uma enorme ganância - coisa muito na moda atualmente. E os órgãos competentes meio anestesiados.  

Nossa espécie caiu num baita vazio, consequência demasiada da valorização e dependência excessiva da opinião dos outros. Nossa vida é exposta 24 horas - do simples café da manhã até um jantar mais elaborado.

- Tira aí uma selfie e toca tudo na 'rede', amiga!

E nem falo nas inúmeras cirurgias desnecessárias: bota bochecha, tira bochecha, bumbum, seios, lábios, coxas, costelas, dentes brilhantes, lipos, etc. etc.

Ninguém gosta muito de pensar no tempo, dá um certo desconforto, entendo. Mas penso o que alguém faria com uns cem milhões  ou um bilhão de reais ou dólares, seja o que for, zanzando por aí em mãos que não são donas da grana. Roubam para outras gerações se beneficiarem. Seria cômico se não fosse trágico. Cadê o tempo para gastarem essa grana meio 'na moita'? Panacas...

Não me passa pela cabeça o que eu faria com esse dinheiro. Não tenho grandes sonhos materiais. Para mim e minha família gostaria de algo que nenhuma grana conseguiria comprar: gostaria de viver o tempo que vivem as tartarugas. Seria ótimo, um bom tempo para o aprendizado com tudo e com todos. Tempo para entender nossa espécie.

Gastaria meus inúmeros anos numa confortável casa, numa Serra, sentindo o sol, as montanhas, acompanhando as descobertas que beneficiassem a humanidade; viveria amando e vivendo discretamente. E mais:  tenho certeza que faria algo pelos animais: compraria um enorme lugar para abrigar todos os animais maltratados, doentes e abandonados que chegassem ao meu conhecimento. Teriam casa, comida e carinho.

Todos tartarugando em paz e felizes! 
Pra que mais do que isso?





40 comentários:

  1. Prosa para se pensar, também fico a "ruminar" pensamentos assim!
    A Vida é tão curta, não entendo porque pessoas precisam de tanta grana, ou melhor, não precisam, mas querem, dinheiro dá poder, acho que é isso?!
    Amiga, amei ler aqui, sempre com algo para nos fazer refletir!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, querida Ivone, dá poder, status e muita ilusão! Depois de ter essa grana toda, e de repente tudo se vai... Você conta nas mãos os que ficam com você, não é assim?
      Beijinho!

      Excluir
  2. Gostei, Tais! Gostei mesmo! É isso aí... tudo certo!
    Apreciei o seu texto bem humorado.
    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida amiga, amiga nova!
      Beijinhos!

      Excluir
  3. Olá Tais,
    Tanto que o tempo nos dá a volta à cabeça, a alguns, que ousam questioná-lo.
    Você tem tanta razão quando diz que gastamos o tempo em tanta coisa sem valor, que só nos faz perder tempo. Há que saber valorizar o que de facto tem verdadeiro valor e ter coragem para cortar com o que só nos "empata" o tempo.

    bj amg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carmem, pois é, mas os jovens não se dão conta disso, acho que é um privilégio da maturidade ter certos pensamentos - graças a Deus!
      Beijo, amiga!

      Excluir
  4. Olá Taís como vai? Quanto tempo! Vontade de tomar este cafezinho aí ao lado, tô sentindo o aroma...Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Leila! Esse cafezinho é pra vocês, café Vip!
      Saudades, beijos!

      Excluir
  5. Gostei imenso do seu texto.

    Talvez a tartaruga viva tanto, porque vive com calma, não é stressada, como outros animais o são.
    Com os homens talvez suceda a mesma coisa...

    Acredito sinceramente que o dinheiro não dá felicidade. Dou-lhe o valor que ele tem, pois sem dinheiro e algum conforto também não somos felizes, mas não é preciso demasiado para se conseguir ser feliz.

    Uma boa semana para si:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dinheiro é bom na medida certa, que nos proporcione uma vida tranquila. É bichinho muito calmo, acho que não sabe o que é estresse... Se conviver conosco, saberá! (rs)
      Beijos, amiga. Linda semana.

      Excluir
  6. Vamos tartarugar também........
    Quando se gosta muito de uma coisa......o que
    mais queremos, é o tempo da tartaruga, para
    ficarmos felizes.....
    Será que eu vou ter esse tempo....?? A vontade
    de viver......, é desse tamanho....
    Grande abraçoTaís

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Andrade, claro que vai... faça força que você chega lá! (rss)
      O que ajuda muito é ter um temperamento calmo e fazer tudo dentro de nossas possibilidades.
      Abraços aqui do sul do Brasil!

      Excluir
  7. Um bom "pensar" o seu Taís. Li o livro da Lia Luft "O tempo é um rio que corre" e revi minha filosofia a respeito do "tempo". Sei que tenho "o tempo" divino necessário para desempenhar-me aqui na Terra. Fiz e faço planos. Sonhei e sonho. Alguns realizo, outros continuam esperando "o rio que leva"... dos encontros e das despedidas... do passeio que nos oferece a vida... É um livro lindo poético que me trouxe o significado do meu viver... Meu ritmo de vida não se compactua com a "longevidade" quelônia. Vivi e vivo intensamente com muita simplicidade adquirindo a sabedoria do viver bem.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Célia, a Lya é maravilhosa, nosso orgulho. Esse livro ainda não li, vou compra-lo.
      Mas a longevidade que pediria é exatamente para podermos viver melhor, ter tempo para nossas escolhas, nossos conhecimentos e viver intensamente sem gastarmos energia desnecessária com o supérfluo. Saborear a vida é um presente sem igual e seria maravilhoso se fosse infinita. Como isso é utopia, gostaria de uns anos a mais para, alcançando a maturidade, saber manobrá-la melhor. E já estou nela há tempo.
      Mas quando jovens, desperdiçamos boa parte com bobagens, que pena. O passado não se recupera.
      Beijos, querida Célia.

      Excluir
  8. Soneto-acróstico
    À longevidade

    Melhor seria se nos fosse dado viver mais
    Assim sazões, o que aprendemos, aplicar
    Investir em ajuda aos homens e os animais
    Sobrando tempo para curtir a família e o lar.

    Anos de estudo, leitura e aperfeiçoamento
    Na outra metade usar aquilo que se sabe
    Ouvir e valorizar um diverso conhecimento
    Saber que vivermos o tanto que nos cabe.

    Deixando que vida role sem preocupação
    Evitando que nos afoguemos em raiva e ira
    Vivermos mais, melhor, em boa comunhão.

    Imaginemos um mundo futuro sem mentira
    Deixar como quelônios a vida em mansidão
    Assumir apenas o que o viver nos atribuíra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jair, você fala em raiva e ira, sentimentos dos mais devastadores que impede de se viver não só melhor, mas mais. Conhecimento, reflexão, nova postura diante da vida e vontade de mudar requer tempo. E nunca temos o tempo suficiente para isso. Ficamos mais sábios, mais complacentes, mais equilibrados com a idade, que nos tira o viço da juventude, mas nos dá sabedoria.
      Abraços, amigo!

      Excluir
  9. Beleza de texto,Taís! Eu não me importaria de viver 180 anos, desde que permanecesse com minha independência e dignidade preservadas. E seria legal poder fazer só o que nos desse bons aprendizados e ainda o bem! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, viver com independência! Nada de ficar 50 anos dependendo de outros. Com saúde, Chica! 180 anos de vida normal. Tenho certeza que eu não me importaria... rsss
      Beijo grande!

      Excluir
  10. Taís, todo pensamento gera uma emoção, que afeta os cinco trilhões de células do nosso corpo... A tartaruga não pensa bobagens, por isso, não se estressa, não adoece, etc, etc, certo?
    Como sempre, um belo texto, gostoso de ler...
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certíssimo, Shirley!!! Veja bem, não queria ser tartaruga, queria apenas ter os anos de vida que ela tem, justamente pelos cinco trilhões de células que temos, pelos pensamentos que jogam uma química violenta nas células e que nos impedem muitas vezes de mantermos o equilíbrio saudável corpo-mente. Pensamentos que nos estressam, que nos deprimem, que nos causam doenças graves. Psicossomáticas. Nossa cabeça amadurece e nosso corpito entra em declínio. Bem que quanto ao corpo, não seria a minha preocupação e sim alcançar um bem-estar bem mais digno para todos. O que desperdiçamos no passado, por sermos inexperientes, não é compensado no futuro. E nós, pobres mortais, temos em média (no Brasil) 74 anos de vida. É pouco.
      Grande beijo, minha poeta!

      Excluir
  11. Beautiful text ...
    Greetings.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Big hug, dear Pantherka, thank you very much and always return!

      Excluir
  12. Fenomenal texto; foste feliz com a postagem, gostei de fato!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Viviani, que bom que gostou, fico contente!
      Muito obrigada pela sua presença sempre amável.
      Grande abraço aqui do sul, amigo!

      Excluir
  13. Concordo plenamente contigo Tais!
    Esta vida 'superficial' realmente não me interessa

    Beijinhos

    Bia <°))))<

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia, obrigada pela sua presença! O quanto não faríamos, o quanto você não faria, a mais, como bióloga, tendo mais anos por aqui, hein? Muitos gastam o pouco que se tem sem perceber... meio que jogados fora. Tempo desperdiçado.
      Beijos!

      Excluir
  14. Olá minha querida amiga Tais, mais um post instigante e ótimo de ler. Lembro que escolhi a música Tempo Perdido da Legião Urbana para tema de minha formatura, a escolha se deu porque na época estava 'revoltado' com o rumo de minha vida e o nome da música traduzia o que sentia...hoje é só a beleza da música, graças a Deus eu me formei. Daí percebo que nem todo o tempo do mundo me satisfaria, eu ia querer sempre mais. O que escreves aqui, sempre nos assombrará, em determinado tempo de nossas vidas,mas o que fazer senão, viver. Viver é o que nos resta...
    " Roubam para outras gerações se beneficiarem. Seria cômico se não fosse trágico. Cadê o tempo para gastarem essa grana meio 'na moita'?" Falas com tanta elegância, que quase se esquece da ganância desta gente...minha amiga, é sempre um imenso prazer estar por aqui, é uma espécie de termometro para ver como ando com os assuntos que nos cercam ou sufocam.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo Jair!! rss, bem pensando dessa maneira eu também não me satisfaria com 180 anos. Mas também me conformo, nosso tempo é esse e ponto final, alguém deve dizer isso. Mas é só um sonho, irrealizável, utopia. Isso veio à minha cabeça porque é com o amadurecimento que a gente pára de fazer bobagens, passa a pensar sério, o passado não volta. Não se briga mais por porcaria. Quanta coisa evitaríamos se tivéssemos uma sobrevida! Muito não se repetiria. as nossas neuroses se acomodariam. Mas é um texto sem pretensão, só para me lastimar mesmo...
      Abraço, querido amigo.

      Excluir
  15. Excelente texto!
    Verídico, emocionante e com um toque de humor...
    Parabéns Tais, adorei
    Beijinho
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria, bem-vinda ao blog, mais uma amiga portuguesa, que bom!!
      Muito obrigada pela sua visita e comentário.
      Já andei no seu blog, mas voltarei com calma.
      Beijnho!

      Excluir
  16. É realmente nosso tempo de vida poderia ser maior. Quando se aprende a viver o tempo já está se esgotando. Tu sabe que tenho muito medo da palavra morte não sei o porque. Fujo de tudo que se relacione com a palavra. hahaha Vou ter que me tratar.
    Bjos tenha um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade rsss, quando aprendemos já está na hora de ir... Eu não tenho medo, sinto é pena! Isso aqui é tão lindo...
      Beijos!

      Excluir
  17. Querida amiga

    Não sei se seria bom
    para a vida mais anos para nós.
    Desrespeitamos o planeta,
    extinguimos espécies,
    poluímos rios,
    enganamos nossos semelhantes...

    Claro que há os bons,
    mas confesso que já não vejo tantos...

    Fiquei curioso sobre a amiga.
    Quem era?

    Que ainda haja estrelas em seu coração,
    é o que deseja minha vida para a tua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aluisio, concordo com tudo que você diz, porém isso não me impede de achar nossa passagem por aqui muito rápida... Não dá tempo, amigo!! Da querida pessoa de quem falei? É Renata G. de Farias, sua última postagem: Tempo. (2011)
      Grande abraço aqui dos pampas!

      Excluir
  18. Taís, amiga, que saudades!
    Saudades daqui e claro, de ti!
    Porque isso é uma grande parte tua, sei porque a Coluna é também grande parte de mim.
    Guria... Eu lendo aqui tuas primeiras linhas percebo que, mesmo depois de 4 anos, vez ou outra, "renascemos" após partirmos.
    Acho tão lindo isso que fez agora, de recordar, valorizar a vivência de um ser humano.
    De certa forma, quando fazemos isso, o estamos imortalizando. E valorizando tudo aquilo que ele foi e ainda é, pois creio na vida após a morte.
    Eu reconheço minhas fraquezas em relação às suas críticas, sabe, durante muito tempo vivi meio que em "offline", mesmo não sendo fake ou online.
    Eu não me aceitava, amiga.
    Na verdade, eu não aceitava aquilo que diziam que eu era e que no fundo, beeem no fundo, eu sabia que não era verdade.
    Então hoje, depois da minha grande metamorfose que um dia talvez ainda relate a vocês, para eu exibir um selfie meu, foi questão de muita coragem e orgulho de mim mesma, depois que crio as coragens absurdas, ninguém me segura! rs.
    É sério.
    Não sou contra cirurgias não. Acho que se a pessoa não consegue se reconhecer no espelho e uma cirurgia pode resolver isso para que se sinta bem consigo mesma, tem que lutar por ela e ir adiante mesmo!
    Daí tirar bastante selfies! (oh céus, tu vai querer me matar, hahahahaha!)
    Mas é verdade, eu estou pensando em criar uma conta no Instagram, me julgue.
    Falando sério agora. O que não podemos é pecar pelos excessos, como fez o saudoso Michael Jackson. Vendo vídeos antigos dele e comparando, para mim ele sempre foi lindo, mas o ápice de sua beleza já estava no vídeo Bad, ali ele já estava lindo demais, não tinha nada que mexer com a pele, nariz e sabe-se-lá-mais-o-quê.
    Acho que o importante não é o tempo de vida e sim, sua qualidade. E olha que eis aqui uma suicida em potencial que quase concretizou mais de um suicídio (veja a coragem absurda agora, nunca disse isso nem na Coluna!) que sabe que de nada adianta viver muito e infeliz.
    Temos que viver intensamente até quando chegar a hora do nosso adeus.
    O adeus que vai durar até uma amiga fiel e considerada lembrar de nós e nos imortalizar em seu blog. ;)
    Já disse alguma vez que te adoro?
    Pois é, acho que não.
    Mas eu te adoro!
    Sarah Brightman... AMO! Angels é TUDOOOOO! \0/\0/\0/

    *0*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsss, apareceu em alto estilo! O estilo próprio da MI: sem papas na língua, tipo Nelson Rodrigues. Veja, falo dos exageros das cirurgias que, ao envés de arrumar, acaba com a criatura, o que mostra a não aceitação. Não sou contra alguma coisa, até concordo, mas amiga... a coisa virou epidemia! E você lembrou bem, o caso do Michael Jackson. Também concordo que o importante é a qualidade de vida, mas eu gostaria de quantidade e qualidade!
      Gosto de comentários assim, despidos, sinceros como esse seu quando vai abrindo o coração e mostrando a cara.
      MI, tenho uma crônica que há anos é a mais lida no blog "Madrastas e Enteados", considero uma interação das mais positivas do blog, umas vão aprendendo com outras e no final tenho um carinho por elas enorme, justamente porque ali tudo é verdade, dolorido.
      Penso que tudo o que escrevemos tem algum sentido, significado ou intenção. E tudo é válido. E é nisso que penso.
      Também adoro você pelo que você é pelo que busca ser. A vida é assim, querida, sempre se luta por algo em que se acredita.
      Grande beijo! Saudades...

      Excluir
  19. É triste ver tanta gente jogando o tempo fora, como se a qualquer hora de arrependimento pudessem pagar um serviço pra recuperar o que foi perdido. Dinheiro compra muita coisa, mas não faz esse milagre. Não se recupera o tempo que foi. Coisas novas e que valem a pena são construídas dali pra frente.
    A gente vê por aí que as pessoas se desgastam em coisas bobas, perdem saúde, momentos e oportunidades em nome de alguma coisa que não dura como duram boas memórias e bons momentos.
    Sou um fã da voz de Sarah!
    Feliz por passar por aqui!
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luis Fellipe, como está você, amigo? Feliz fiquei eu com sua visita e comentário, obrigadíssima. Também adoro a voz da Sarah.
      Apareça!
      Beijo.

      Excluir
  20. Oi Tais!
    Creio que o mais importante é viver e sentir-se feliz só por estar vivo.
    Já vi amigos jovens partirem muito cedo desta vida.
    Recentemente, num comentário de telejornal, surgiu a questão: "Os bons vivem mais?".
    E o genial Leandro Karnal respondeu: "Se assim fosse, Madre Tereza de Calcutá teria vivido mais que Fidel Castro!"
    Abraços e boa semana!

    VitorNani & Hang Gliding Paradise

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vitor, concordo que só por estarmos vivos já é motivo de alegria. Porém não me referi aos bons viverem mais e os maus menos etc. Me referi quanto á nossa espécie, seres pensantes e com figuras geniais em todas as áreas, mereceríamos viver mais anos. Nossa média é de 74 anos nas regiões mais privilegiadas. O que acho muito pouco. Por isso falei nos 182 anos das tartarugas... E o pouco que vivemos ainda parte jogamos fora com tantas imbecilidades.

      Abraços!! Linda semana.

      Excluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso