29 de janeiro de 2013

TEMOS INFORMAÇÕES DEMAIS!



- Tais Luso de Carvalho

Pois é, não é por nada, mas cheguei de férias e resolvi ter um ataque - e tive. Tento, há meses, colocar minha papelada em ordem, mas não consigo. São diversos jornais, são diversas coisas que recorto, e a pilha vai subindo... Não estou conseguindo vencer tantas informações! Não consigo ler tudo. Afinal, temos rádio, televisão e Internet; esta última cada vez mais rápida, mais interligada. Não há mais a necessidade de recortar matéria e guardá-la para consultas.

Pensando assim, fui para o chão (tapete) e resolvi que terminaria com essa loucura. Peguei jornal por jornal, páginas separadas, assuntos recortados e arregacei as mangas: ao trabalho, Tais! Ano Novo, vida nova!

Fiquei pensando, por que recorto e guardo todos os benefícios da cenoura, da beterraba, da berinjela, do agrião, da rúcula... Por que preciso saber e guardar montanhas de coisas sobre os Estados Unidos,  Argentina, Alemanha,  França, Suécia,  China,  Japão... Por que recorto informações se temos a Internet com bilhões de páginas à disposição?

Gosto de mel; mas não me interessa mais que ele seja bom para o coração, artrite, colesterol, rins, picadas de insetos...É bom? Então dá cá! Não precisa mais fazer apologia. Eu como! Uf, acho que tô radical.

Mas esta mania de guardar notícias sobre tudo, de comprar tantas revistas e jornais exige organização: ler e descartar. Não sei a razão de guardar tudo. Só ando meio estressada com tantos papéis.

Achei ótima a vitória do Obama; li, naquela época, tudo sobre as intenções do Obama; do trabalho do Obama; sobre a família do Obama; sobre o cachorro do Obama. Li sobre o primeiro voo do Obama!! Espetacular,  mas e daí?

Lembro que li tudo sobre o câmbio; li que o governo elaborava o cronograma para pagar os precatórios – e lá vou eu ler e recortar sobre os precatórios,  as tricoteiras dos precatórios que já estão carecas de tanto tricotarem.

Leio sobre o planejamento dos gastos do Estado; acompanho os inúmeros casos que estão na mídia: todas as CPIs do nosso país, os conflitos do mundo inteiro. E acabo misturando tudo com os cabelos avermelhados da presidenta Dilma, com o maiô vermelho e as plásticas da dona Mariza Letícia que ficaram na minha memória.

Vou virando as páginas e salta a SELIC, FGV, GNV, IPC-S, CNS e ainda me preocupo com a data do IPVA, IPTU e memorizar, ainda, o meu CPF e RG - que nunca lembro.

Mas agora, preciso um pouco de poesia: o campo das notícias está muito árido. E a vida, se não tiver uma nesga de poesia, fica dura.

Mas lembrando... se o Alzheimer depender dos exercícios de meus neurônios, nada foi em vão! Fico contente. Direi que valeu.



34 comentários:

  1. Olá!
    Sou professora e a quantidade de artigos que eu junto é inigualável. Deus me livre. Uma vez fiz a mesma coisa. Sentei-me no chão com eles e comecei a limpeza; não posso negar, foi uma tarde muito bacana, relendo coisas muito interessantes (e outras nem tanto...) rsrsrs. Joguei fora muita coisa, mas mantive boa parte. Principalmente artigos literários e aqueles que, daqui a alguns anos provarão que assisti a muito pedaço importante da história.

    Obrigada pelas visitas lá na nossa casinha!

    Eliana

    ResponderExcluir
  2. Oi, Eliana! O problema é separar o joio do trigo, rsrsrs. Sou do tipo que vai guardando porque um dia posso precisar... Mas ainda tenho muita coisa, a luta continua!

    Obrigadíssima pela visita e dá um beijão na Lu. Sempre estou ligada no site de vocês, por sinal, muito bom! Adoro.

    Beijão, volte sempre.
    Tais

    ResponderExcluir
  3. A coisa que menos acumulo é papel. Quando quero saber de algo, busco na internet, em livros, anoto e coloco no computador. Se um dia um vírus detonar com o arquivo, problema é do vírus. Eu que não vou socar a parede por causa disso. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga

    Frequentemente me pergunto se tudo o que guardamos ajuda ou atrapalha. Acho que mais atrapalha porque não encontramos o que precisamos quando precisamos. Me lembro de uma frase de Einstein: cultura é aquilo que fica quando se esquece o que aprendeu na escola. Acho que cultura é aquilo que trazemos dentro de nós, por isso após ler um material eu o descarto, pois sei que não terei tempo para lê-lo novamente e se precisar não o encontrarei mais. Por isso acho que cultura á o que extraimos das coisas que lemos e guardamos dentro de nós, construindo tijolo por tijolo a nossa filosofia de vida.
    Um grande abraço e passe pelo Momentos e pelo Quintana lá tem algumas poesias novas.
    Bernardo

    ResponderExcluir
  5. Táis é bom uma limpezinha, agora guardar ou não, isso é da pessoa, é "estilo", mas se começarmos a guardar tdo, vai chegar um dia que teremos de sair da casa, para manter todo esse material...rsrsrs..aliás teve até um caso(passou na tv)a pouco tempo, de uma senhora que quardava tudo, inclusive "lixo", e a casa estava tão cheia de coisa e um cheiro, que os vizinhos denunciaram...sei que não é o seu caso, né amiga?
    Eu não sou mto de guardar coisas, mas tenho algumas que não me desfaço, pois já joguei tanta coisa fora, e que depois senti mta falta.
    Sobre as comidas, isso é mesmo uma loucura, uma hora é péssimo, outra hora é ótimo consumir,com quem esta a verdade? Por isso que temos que ter discernimento...idéia própria, e andar c/as nossas pernas.
    Sobre a nova ortografia, é falta do que fazer, alíás eles só mexem no time que esta ganhando...pois é mais fácil. Eu quero ver ter idéias, renovar, criar, desenvolver
    novos projetos, colocar a cabeça pra funcionar...enfim enquanto eles brincam de faz de conta, a gente fica com um mundo cheio de dúvidas, má formação acadêmica, palavras sem s, os mano, as mina, eu moro ca minha mãe, e por aí vai... conjugação não existe, futuro nem pensar, realmente é um pobrema - deixa eu corrigir, porque isso pega - problemaaaaaaaaaaaaaaaaaa!bojcas!
    Wal.

    ResponderExcluir
  6. João00:31

    ...licença. Tô entrando...
    Não conhecia o blog. Desculpe, mas vou ficar freguês. Já coloquei nos favoritos.

    João, de Brasília

    ResponderExcluir
  7. Tais

    A eterna mania de guardar recortes de jornais, em mim é como que um vício. Por tudo e nada guardo. Por vezes é para ficar com documentação. Porém, vou fazendo limpeza e fico estarrecido com a papelada, sobre assuntos que já tratei.
    O mundo da Net veio aliviar. Arquivo muito em páginas Word e vou-me desfazendo de bagunça.
    Daniel

    ResponderExcluir
  8. Ora aí está uma coisa que eu tenho absoluta necessidade de fazer. Mas depois de ler o seu post, achei melhor nem sequer começar... Fiquei cansada só de ler. E sabe, mesmo quando consigo deitar fora, fico cá com uma pena! E com a impressão que, se calhar, ainda irá fazer falta...
    Para já fico-me pela organização dos meus livros (que é eterna). Estou a fazer uma base de dados com os livros, géneros, editoras, autores e local onde se encontra. Mas já percebi que não vou acabar nunca...
    Se quiser dar uma passadinha pelo meu buraquinho tem um pequeno agrado para si.

    Um beijo transatlântico.

    ResponderExcluir
  9. Empatamos! Eu também tenho gavetas e mais gavetas de recortes do tipo "um dia posso precisar".
    Guardo sobre alimentação, mas concordo com você, o alimento que hoje é a panacéia pra todos os males, amanhã vira vilão, rsrs.
    Guardo sobre poetas, amo todos, nacionais e importados (ou deportados, rs) Já fui de Rumi a Baudelaire. Não tenho cronologia e nem ordem, sou anarquista.
    Agora recorto sobre vitaminas milagrosas. Estou na fase de correr atras da saúde perdida, rsrs
    E você me deu um Eureka,qualquer dia também escrevo sobre essa mania de colecionar recortes e páginas, acho que todos temos o vício ...
    Brigadim pela visitinha lá no Tempo in-verso e volte quando quiser. A casa é sua.
    Bitokitas e luz.

    ResponderExcluir
  10. Tais, cheguei por aqui através do blog do Marcos (PorEntreLetras) e gostei muito dos seus textos. Por sinal esta foto do cachorro na postagem é sensacional. Parabéns e continue com o bom trabalho, voltarei com mais calma para ler as postagens com atenção.

    ResponderExcluir
  11. Oi Tais. Parabéns pelo blog! muito bom. Concordo com você. São tantos papéis, tantas informações que aguardamos ao longo do tempo... e quanta dificuldade tenho de me desfazer delas... Isto porque fazem parte de um momento único de aprendizado. Mas chega a hora de realmente pararmos e fazermos uma faxina no armário, porém, e isto é a melhor parte, foi-se o papel velho e amarelo, mas a informação ali contida nos acompanha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Amiga Tais,
    Superinteressante teu blog, texto e imagens tudo super bacana..Parabéns! Tbm tenho muita coisa guardada em caixas, pastas e gavetas, principlmente coisas sobre artes, montes de desenhos enfurnados na estante e nunca jogo fora, mas um dia vou fazer uma limpeza geral.

    Abração e boa semana.

    ResponderExcluir
  13. Oi Thaís, obrigada por fazer parte do meu mundo. Serei tua seguidora também.
    Lindo teus blogs.
    Realmente muita informação cansa.
    um bjs carinhoso

    ResponderExcluir
  14. Tais, gostei tanto desta imagem!

    ResponderExcluir
  15. Muy buena reflexión Tais, ahora que hemos comenzado un nuevo año. Lo de guardar información; periódicos, artículos y cualquier tema que en algún momento nos haya interesado, creo que "lo practicamos" cuando ya tenemos algunos años.
    Guardo algunos archivadores con artículos publicados que en su momento me interesaron, aunque he de confesar que, cuando ahora busco sobre algún tema, voy directamente a Internet, pero.. mi archivo ahí está lleno de papeles algo amarillentos por el paso del tiempo y de los que (por ahora) no me pienso desprender.
    Como ejemplo pondré la posibilidad de leer y descargar libros digitales, pero yo siento un gran placer con los libros de mi biblioteca y sobre todo si los tengo en alguna edición de 1860. Tocar ese papel y disfrutar del olor que desprenden es algo muy agradable.
    Gracias por tu visita a mi blog y tu amable comentario.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Amelia, entendo e também concordo: vamos acumulando nossas recordações, recortes, tornou-se hábito. Quanto aos livros... Bem, essa é outra história que não abro mão: Nada como os livros!! Esses faço questão de mantê-los, comprar sempre.
      Jamais lerei um livro na mídia eletrônica.

      Grande abraço, obrigada por sua presença.

      Excluir
  16. Tais, também tenho "mania de informação", agora mais do que nunca - e você sabe porque. Gosto especialmente de jornais. Mas não guardo tudo, sou seletiva. Afinal, temos de fato uma sobrecarga de informação, nosso cérebro não dá conta de tanto! Opto por aquilo que tem um significado pessoal, descarto os benefícios da cenoura e etc. Esses são conhecimentos que armazeno na mente, não preciso mais do papel comprovando o conhecimento adquirido. Mas notícias como a desta lamentável tragédia, que abalou a cidade que mais amo neste mundo, eu certamente guardarei. Como um lembrete, talvez, para quando meus filhos se tornarem adolescentes. Por vezes, certas tristezas precisam ser relembradas, para que não se tornem repetidas.

    Adorei o texto, veio em ótima hora! Um beijo carinhoso pra você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzy, sempre juro que vou ser mais seletiva, mas vão aparecendo e sempre acho um destino para os artigos, as notícias e todo o tipo de informação, coisas tipo 'um dia servirá'...
      Que loucura isso. Mas chego lá!
      Essa desgraça enorme com a cidade de 'Santa Maria', não quero guardar, é sofrimento demais! É tristeza no último grau. Estou vendo tudo, dia após dia... Estou sensibilizada demais com esse fato.

      Beijos, amiga!

      Excluir
  17. Recentemente passei por uma mudança significativa, com a reforma total de minha casa, me deparei com pastas e caixas de guardados que nunca s]consegui classificar por assunto...tudo guardado para se um dia fosse necessário, importante, interessante, etc, etc...poucas vezes revi esse material, e tive ímpetos de jogar tudo, pq se não mexo nisso há anos, provavelmente não mexerei nunca, apenas acumulo inutilidades - pensei. Aí remexi algumas pastas e declinei do pensamento de livrar-me daquilo tudo...resolvi guardar pra dar uma boa olhada qualquer hora dessa e selecionar o que "presta"e o que não interessa...ou seja....rsrsrs...continuo com dificuldade de desvencilhar-me de coisas, deixar ir, soltar, dar espaço para coisas novas... é verdade que tem muita coisa inútil armazenada pelos cantos, e numa boa analogia com a vida, muita coisa passa a fazer sentido considerando nossos padrões de funcionamento...
    Bem, análises à parte, gostoso te ler (imaginei o tapete cheio e vc ilhada entre os papéis....rsrsrs) e sentir-se parte de um grupo de semelhantes...vou repensar essa coisa de manter tantos guardados "inúteis"...
    Beijo, amigaúcha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Denise, imagino a dificuldade de muitos, também! A gente arruma e até classifica a bagunça em pastas, assim fiz. Mas nada muda! Nossa cabeça continua vendo toda a bagulhada sem sentido. uf, ainda não acabei, amiga! Está em andamento. E com esforço. Não é falta de lugar, a falta de lugar se dá na minha cabeça rsrs. Claro que nada a ver com aquele programa 'os acumuladores'. Aqueles não tem consciência do desastre! Imaginas o tapete? Não... não imaginas... rrs.

      Grande beijo!

      Excluir
  18. Oi Taís,
    Eu também estou precisando de uma faxina desta aqui na minha casa. Comigo a coisa fica mais complicada, por que eu sou muito alérgica, e qualquer papel guardado me causa uma série de espirros, coriza, e as vezes até sinto falta de ar. Não costumo acumular tanto assim, por que sei que não confio em ninguém para se desfazer das minhas coisas, e e se me atrevo, me arrependo depois, por causa das consequências. Procuro-me livrar de papéis antes que sejam engavetados, claro , quando isto é possível. Outro dia, me arrisquei a dar um bota-fora desses aqui.Neste caso eu tive que colocar uma máscara, e assim mesmo tive que molhá-la antes, uma simples poeirinha pode ser um grande transtorno para mim. Não a poeira do lado de fora mas aquela que praticamente nem se vê.Não me preocupo muito com notícias econômicas, estas eu deixo para o meu marido, eu fico com as notícias de saúde mas também estou deixando de lado, pois sei que ficar despreocupado e alheio muitas vezes pode causar maior efeito positivo às nossas vidas, do que a preocupação excessiva, com novos tratamentos, medicamentos ,terapias etc.
    Mas sei que quando a gente tira um tempo e consegue se libertar de tanto papel, dá um alívio tremendo, uma sensação de dever cumprido. Um vazio bom e menos trabalho depois.
    Um grande abraço.
    Uma Boa tarde pra você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lourdinha, penso que viver com muitos papéis e recortes que não são necessários é jogar saúde fora. Na real, o que interessa é muito pouco, e viver com esse pouco é saudável. Estou conseguindo me desfazer de toda a papelada! E joguei as pastas fora. Esse meu interesse em saber de tudo, guardar recortes veio da minha avó! Passou de geração para geração. rsr

      Obrigada, amiga, sempre ótimo receber você!
      beijos

      Excluir
  19. Não há como o toque e o cheiro do papel.....Não passo um dia, que
    não leia o jornal, à hora do Pequeno Almoço....Essa horinha,
    ninguém ma tira...Mas se quero guardar notícias....aí sim, vou
    guardar no computador....
    Bom Fim de Semana
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Andrade, esse vício também não largo, sou viciada em ler jornal depois do café da manhã! O problema foi a 'tesoura'...rs
      Bom fim de semana, amigo.
      Bjs,

      Excluir
  20. Algum tempo que não visitava o seu blog, hoje encontrei-o e vim fazer uma visita, eu acho que é mal que muita gente tem, guarda tudo para mais tarde jogar fora, minha esposa tudo quanto é receitas guarda em pastas, depois que estão cheias, acaba por deita-las fora e começar de novo.
    António.
    Ps. Meu blog é o Peregrino E Servo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, António, isso que sua esposa faz, eu também fiz! Colocava fora e começava novamente a recortar e guardar... Mas acho que desta vez vai ser diferente. Pretendo!
      Muito obrigada por sua visita, volte sempre.
      Sou seguidora do blog Peregrino.

      Excluir
  21. Hello!
    Interesting blog. Welcome to http://filmandotherstories.blogspot.se/
    :) Take care!

    ResponderExcluir
  22. Minha nossa! Não sabe o alivio que me deu ler este post. Achei que eramos doidos eu e minha esposa, por guardar dezenas de papeizinhos com endereço, telefone, e outras coisas, mas estou vendo que temos muita companhia. Acho que vou comprar um armario com uma gaveta nem grande e depois guardar tudo, mas tudo mesmo, na tal gaveta.
    Quando precisar de alguma coisa tipo, um CD, um livro, um endereço, ma agenda etc, etc, fica facil achar. Esta tudo naquela gaveta. É a chamada "organização" libriana (somos ambos de Libra)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sig, você e sua esposa estão bem acompanhados! Também sou de Libra, acho que deve ser uma doença qualquer, kkk. Mas estou aqui, ainda na tal 'organização enlouquecedora'. Será que esse problema é de Libra?

      Abraços!!

      Excluir
  23. Taís,
    Eu só vivo arrumando meus recortes, alguns eu jogo fora e vou juntando mais outros... E tem aquele mais antiguinho que já sei de cor, é de estimação.
    Tenho alguns cadernos ou folhas em fichário onde vou colando o que mais interessa, enquanto outros ficam na fila de espera.
    E com a internet vou criando arquivos e mais arquivos... não tem fim (rssss).
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Estela!! Como está você?
      Poxa, eu faço isso, também, mas a fila de espera que me deixa louca!
      Aliás, essa papelada toda... estou tentando acabar com isso, mas como é difícil! Mas é guerra: ou eu ou a papelada! kkk

      beijão pra você.

      Excluir
  24. Tais! Acho que estamos sendo bombardeados com N'ilhôes de informações que por fim serão deletadas pelo nosso cérebro por falta de aplicação pratica! Cultura Minimalista, consumenos é a tendência! Axé . Abraços : Camilaodoceara@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem-vindo, Antonio. Nada disso tudo guardaremos, e a maioria servirá para tumultuar mais do que já estamos.
      Abraço.

      Excluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso