12 de maio de 2012

CURIOSIDADES DA IDADE MÉDIA


 - Tais Luso de Carvalho

A FALTA DE HIGIENE

Não é porque a Europa seja o continente mais antigo em poder ocidental, que seus hábitos na Idade Média tenham sido louváveis. Entre os séculos V e XVI – mais ou menos entre 476 e 1453 houve um período em que a Europa não primava pela limpeza, ou por hábitos saudáveis; não existia sistema de saneamento básico, nem sequer preocupações com esse detalhe. Ao longo dos séculos, esse período, que une a Antiguidade e a Idade Moderna, foi rotulado como Anos Escuros e Idade das Trevas. A higiene pessoal se resumia em lavar as mãos, rosto e passar um pano nos dentes. E outros tantos métodos rudes.

BANHEIROS...

Ao amanhecer, os dejetos dos penicos eram lançados janela afora, emporcalhando um pouco mais as ruas. À noite, varas imensas de porcos percorriam as cidades mais populosas, conduzidas por seus tratadores: tinham a função de fazerem a faxina urbana.
Este foi um dos fatos com que a Europa no século XIV tivesse uma das maiores populações de ratos do planeta e que vieram a gerar a famosa  peste negra, responsável pela morte de um terço da população.

DENTES...

Escova de dentes nem pensar! Foi produzida na China em 1490, com cabo de madeira e cerdas de porco. Na Europa só chegou depois de um século. As escovas, por serem muito caras, eram divididas pela família inteira. Além disso, devido a umidade, os pelos mofavam e enchiam as bocas de fungos e bactérias. As pastas de dentes eram preparadas à base de ervas aromáticas, como a sálvia. 

BANHOS E AS FRALDAS...

Os medievais não eram nada chegados a banhos: era preparada uma grande banheira com água quente. O chefe da família era o primeiro, depois os outros homens da casa – por ordem de idade. E, depois as mulheres. As crianças eram as últimas, terminando com os bebês. Daí, podem ver a cor da água e a transmissão de doenças...

Os leques eram usados não por causa do calor, mas sim para afastar os maus cheiros exalados que vinham debaixo dos vestidos das mulheres, pois as partes íntimas nunca eram lavadas. Se formos a Versalhes, veremos que o palácio - talvez o mais importante da França - não possui banheiros.

Os casamentos realizavam-se no início do verão, pois o primeiro banho do ano dava-se no mês de maio – daí a tradição de que maio é o mês das noivas. E o ramalhete de flores servia para dar um cheirinho floral à ocasião...

Entre os séculos 14 e 17, mais particularmente na Inglaterra e na França, as mulheres quando iam para grandes festas usavam vestidos com muita armação de arame, cinco, seis camadas e dessa forma não conseguiriam utiliza o toilette adequadamente. Por isso era comum o uso de fraldas entre as senhoras que frequentavam a alta sociedade Europeia. Dançavam de fraldas!

Esse hábito exalava um cheiro insuportável, e as obrigava a usar uma grande quantidade de perfumes e saches no meio das roupas. A pompa e a gala dos grandes eventos do início da Idade Moderna também tinham seu preço... Os europeus costumavam dizer: um banho ao nascer; um banho ao morrer!

PERUCAS

As perucas foram lançadas por Luis XIII, da dinastia dos Borbons. Com menos de 30 anos Luis XIII já era careca. Ao fazer uso das perucas, os indivíduos estavam livres do desconforto dos parasitas - piolhos e pulgas - que naquela época abundavam nos cabelos da população européia. Faziam a festa de cabeça em cabeça! 

Devido à tanta falta de higiene e às guerras, a expectativa de vida na Idade Média não chegava a atingir os 35 anos de idade. Mas todos os períodos enriqueceram nossa história, e  não há como negar que a Idade Média - mesmo com esse período de obscurantismo -,  deixou feitos e  heranças muito boas para todos.
Mas não foi moleza: deve ter sido dura a mão!!



Referências: Curiosidades Históricas / Rogério Sidaqui / IBRASA
----//----

25 comentários:

  1. Os leques e as fraldas me fizeram ânsia de vômito. Tais e seu brilhantismo!

    ResponderExcluir
  2. Seria muito complicado conviver com os cheiros... da falta de higiene
    da época.
    Na altura era assim e daí tanta morte prematura, penso eu...
    Hoje causa-nos espanto como era possível?!
    Um abraço.
    M. Emília

    ResponderExcluir
  3. Taís,
    Primeiro, parabéns pelo seu dia. Depois, tua crônica é um exame daquele passado europeu do qual eles não devem se orgulhar. Dizem que quando a corte de João VI mudou-se para o Brasil eles estranhavam que os brasileiros tivessem o hábito do banho - mesmo que, as vezes, apenas semanal nos estados do sul - e atribuíam esse costume a "sujeira" que as classes mais pobres estavam imersas. A nobreza não necessitava banho porque eles eram "limpos". Consta até que Don João VI só tomou um banho por recomendação médica, estava com sarna. Abraços e bom dia das mães, JAIR.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Tais. Fiz história e à época de estudante foi o período que mais me fascinou estudar. Tanto pelos formidáveis desenvolvimentos da humanidade quanto pelas contrdições engendradas por eles. O que acabou levando à retomada dos preceitos clássicos gregos em tudo também, (inclusive na higiene.rsrs). Paris até o séc. XVII era m...pura (literalmente nas ruas).rsrs.

    (No livro 500 anos de história do Brasil, Hernani Dônato nos conta que os europeus ficavam injuriados com o nosso povo indígena por causa de seu "terrível " hábito de tomar banho todos os dias).

    Grande abraço e um lindo dia das mães. paz e bem.

    ResponderExcluir
  5. Tais, depois de ler seu post desta semana me senti mais grata do que nunca por ter nascido nesta época (por piorzinha que ela seja, pelo menos banho diário a gente toma né... rsrsrs) e bem longe da Europa!

    Já conhecia essa parte da história, mas não com tantos detalhes "sujos" (literalmente) como os que você nos relatou! Fiquei imaginando os pobres bebês numa água marrom... que dó! E os dejetos dos penicos jogados pela janela! Haja leque e haja perfume... E viva nosso século e nosso Brasil cheirosinho! rsrsrs

    ResponderExcluir
  6. Oi Taís, as histórias da idade média me fascinam. Muito legais (quer dizer... não sei se "legal" é a palavra certa, mas enfim...) essas características que você tão bem descreveu.

    Feliz dia das mães!

    ResponderExcluir
  7. Olá Taís, que bacana sua postagem, adorei saber a origem do mes das noivas, nunca imaginei que vc esse o motivo kkk, bom como super obcecada com limpeza e higiene que sou só posso agradecer por não ter vivido nessa época, ou se vivi já esqueci rsrs adorei!!! Bjoooss

    ResponderExcluir
  8. Sempre que vejo filmes de época acho tudo muito sujo. Interessante você falar sobre isso!

    ResponderExcluir
  9. Taís, cada época apresenta seus hábitos considerados normais, somente tempos depois é que, alguns, são vistos como absurdos. Fiquei me perguntando: o que dirão, daqui algumas décadas, dos nossos costumes de hoje? Nem quero pensar!

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Otima postagem Tais, a historia é algo fascinante mesmo, ainda que assim.Muito interessante.Parabens e bela semana.
    Meu abraço.

    ResponderExcluir
  11. rsssss...Que esse comentário não chegue na Itália,rssr...

    Tinha( tenho...) uma cunhadinha que atravessava o oceano pra nos visitar( uma pena que ela tinha essa disposição, pois era e é chata, mas agora a chatice só por telefone,rs) e tinha a petulância de fazer um banho de gato apenas... E isso há coisa de não muitos anos. Pode?

    Outra:

    Minha irmã foi visitar parentes na Alemanha; Eles reclamaram que ela gastava muito papel higiênico...

    A coisa não é mooooole,rssr!! beijos,adorei tua crônica! chica

    ResponderExcluir
  12. Ô, CHICA, rsrs, não acredito!
    Poxa... Eu falei foi da Idade Média!! Virgi Maria...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Que vai à França, pensa que o cheiro de perfume frances paira no ar não é mesmo? Ledo engano...
    Ainda hoje não são adeptos dos banhos como nós, pelo clima muito frio e sinceramente para viajar de metrô em Paris, é necessário o cachecol para tapar o nariz. Mulheres lindas com uma maquiagem impecável, cílios com rímel poderosos, roupas lindas e fedem cebola podre com perfume.
    Quando fechavam a porta de entrada no hotel onde fiquei, era insuportável ficar na recepção, pois os próprios recepcionistas se incubiam de infectar o ar. É não era hotel ruim não heim??
    Mas no Brasil, na época da colonização, os portugueses também não tomavam banho assim nao, aprenderam com os índios que banhavam toda hora nos rios, riachos e ribeiros. E para espantar os mosquitos, as portuguesas usavam saches de sangue de porco amarrados nas ligas por baixo das saias para que os mosquitos mirassem suas picadas ali... Imagine esse sangue apodrecido e juntando com as partes intimas que nao viam agua por dias e dias.
    Tais, a coisa era mesmo complicada e ainda é para alguma culturas.
    Beijokas doces e adorei o assunto que postou.

    ResponderExcluir
  14. MARLI: estou sabendo de mais coisas através de vocês. Sache de sangue de porco para os mosquitos??
    Mas a coisa era mais feia do que eu pensava...
    Isso se chama informações compartilhadas! Obrigada! rsrs.

    bjs pra você.

    ResponderExcluir
  15. Boa noite, querida amiga Tais.

    A beleza ficava mesmo, só nos trajes.
    Devia ser muito difícil ser alegre, nessas condições.

    Coitadas das mulheres, no momento íntimo, na gravidez, na hora do parto!
    -----------------------

    Na hora do banho eu costumo agradecer a Deus. Banho é felicidade.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Taís,parabéns pela crônica! Revivestes por momentos, costumes, para nós, inimagináveis, mas verídicos.
    É bom lembrar que nem sempre a vida tinha este conforto que agora desfrutamos.Valeu amiga, este teu passeio pela idade média! Bjs no coração Eloah

    ResponderExcluir
  17. Uma crônica que nos mostra, como devia ser difícil viver naquela época. Bom que tudo mudou...

    Agradeço as suas palavras amáveis no seu comentário no Blog Confraria da Soninha. Muito obrigado.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Taís
    Quando era menina, minha mãe fiscalizava tudo, a fim de que adquiríssemos ótimos hábitos, em todos os sentidos, principalmente na higiene pessoal. E costumava usar o velho ditado "por fora bela viola, por dentro pão bolorento", se percebia alguma roupa íntima descosturada ou mal cuidada.
    Ela, certamente, nada conhece desses fatos históricos e ficaria horrorizada (kkk).
    Amei sua postagem.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  19. Eu é que agradeço a visita! Tem post novo no meu blog, volte sempre que quiser. Ótimo FDS!

    ResponderExcluir
  20. Um verdadeiro show de horrores! Mas creio que as pessoas acabam se acostumando com o cheiro...Eca!!!!
    Sou muito sensível a esse tipo de coisa...me deu mal estar só de ler!

    Beijão

    ResponderExcluir
  21. Anônimo05:37

    Hi admin, I'm also interested in this. (Take a look at the latest post on my site for details.) This was a really interesting read, you have definitely given me some food for thought!

    ResponderExcluir
  22. Anônimo04:24

    Great article. I've enjoyed this contribution. Its nice to see every questions answered in a blog post like this. I will add this post on my blog and link to it. Thanks for a clear informative post, I've learned a lot. I hope to see videos though as I can be A.D.D and reading articles is not my favorite thing to do online. So what I do sometimes is just print the whole thing and read offline.
    HTTP://www.CoolMobilePhone.net

    ResponderExcluir
  23. É...! Mas, infelizmente, hoje ainda temos pessoas tidas como esclarecidas que convivem "harmoniosamente" com a imundície. Conheço dois "médicos", um deles cirurgião que cria um cão labrador, com sarna, em seu apartamento e divide com esposa e dua filhas menores e o outro cuja casa, creio, nem os porcos conviveriam bem.

    ResponderExcluir
  24. Anônimo16:45

    VIVO PESQUISANDO COISAS SOBRE A IDADE MEDIA E DE ASSUSTAR A NOJEIRA EM QUE VIVIAM

    ResponderExcluir
  25. Anônimo22:07

    QUE HORROR A IDADE MEDIA APESAR DE GOSTAR DE PESQUISAR SOBRE ELA

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso