23 de maio de 2015

AS MÃES DA PRAÇA DE MAIO



          - Jaime Vaz Brasil

Elas chegam e pedem por seus filhos
que sumiram num tempo desumano
quando espadas forjaram soberanos
e o expresso da morte ganhou trilhos.

Quando aportam na praça dos lamentos
como barcos perdidos na neblina
a esperança navega, clandestina,
mas Caronte transporta seus rebentos.

Nessas madres loucas
o vazio replanta
a semente morta das esperanças tantas.
Suas vozes duras
quase em desatino
clamam por justiça,
choram seus meninos.

Elas rezam e renovam suas sendas
num protesto refeito a cada instante
onde a crença, já quase agonizante,
nas vigílias constantes de remenda.

O poder, aninhado em mãos tiranas,
inseriu dentro delas os seus gumes
e nas dores que guardam, se resume
a história latino-americana.

Essas madres loucas
a erguer retratos
são do povo triste
um espelho exato
e seus lenços brancos
aves peregrinas
a voar, imóveis,
sobre a Argentina.

______________________   Punhais do Minuano, WS editor - 1998 (pg 40)

Jaime Vaz Brasil, nasceu em Bagé - 1962, é psiquiatra e escritor gaúcho. Diretor técnico e docente do Instituto Fernando Pessoa. Possui seis livros publicados e recebeu vários prêmios literários e em festivais de música. Dentre eles, o Prêmio Açorianos de Literatura e o Prêmio Felippe d'Oliveira. Alguns dos poemas foram musicados, e há dois livros com os poemas em cd: "Os Olhos de Borges", musicado por vários compositores, e "Pandorga da Lua", musicado por Ricardo Freire. 



17 comentários:

  1. Maravilhosa e intensa poesia do Jaime! Gostei muito! beijos, lindo domingo! chica

    ResponderExcluir
  2. Conhecendo e aprendendo sobre o autor.
    Um poema que diz muito às mães que sabem da loucura que é o amor por seus filhos!
    Ótimo destaque você deu Taís, ao Jaime - sua vida e obra.
    Obrigada!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Belíssimos versos sobre tema tão triste...
    Parabéns ao Jaime Vaz Brasil!
    Beijos, Taís!

    ResponderExcluir
  4. Soneto-acróstico

    Joga aquelas palavras com perfeição
    Ataca os malditos com golpe certeiro
    Indene a vedetismos seus versos são,
    Mexe com crueza acúlea no vespeiro.

    Efetivo neste ataque àquela opressão
    Vai à batalha íntegro, de corpo inteiro.
    Ainda que as mães lamentem em vão
    Zéfiro de justiça desfará esse nevoeiro.


    Bem colocada essa tal poesia protesto
    Reduz os bárbaros ao que são: tiranos
    Asnos peçonhentos de cérebro infesto.

    Sente dor de mãe que por muitos anos
    Insiste na Plaza de Mayo em manifesto
    Lutar contra os amaldiçoados insanos.

    ResponderExcluir
  5. Versos comoventes sobre um tempo negro da história latino americana. Beijos, Tais!

    ResponderExcluir
  6. Olá Tais,

    Um poema tocante.
    A ditadura deixa rastro de sofrimento onde quer que se instale. Pobres mães! É triste, sem dúvida, mas é bonito ver que elas nunca desistem de sua luta. Dificilmente elas terão o alívio de recuperar os restos mortais de seus filhos ou mesmo a graça de saber o que aconteceu com eles.
    Não conhecia o autor. Apesar do tema triste, o poema é brilhante.

    Feliz semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Hermoso poema de Jaime Vaz...recoge todo el fuerte sentir emotivo, sufrimiento de las madres en la Argentina por sus hijos desaparecidos.....herida que nunca cerrará en países , en su gente ,donde la dictadura causó tanto daño...
    Fuerte abrazo, gracias por compartir este hermoso poema
    Desde Chile
    Cristina

    ResponderExcluir
  8. Olá Taís! Confesso que não conhecia o Jaime Vaz Brasil, com certeza se fará presente na minha relação dos grandes poetas brasileiros. Ótima escolha! Belo poema, com enfase para a estrofe abaixo:

    Nessas madres loucas
    o vazio replanta
    a semente morta das esperanças tantas.
    Suas vozes duras
    quase em desatino
    clamam por justiça,
    choram seus meninos

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  9. Olá Taís! Boa Noite!
    Muito belo poema do Jaime!
    E sobre um tema tão tocante, ainda nos dias de hoje!
    Muito boa postagem!
    Beijos e beijos mil

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. UN POEMA QUE ALTERA EL ALMA. MUY HERMOSO TEXTO!!! GRACIAS POR COMPARTIR.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Reitih, bem-vindo ao blog e muito obrigada pela sua presença.
      Abraços aqui do Brasil!

      Excluir
  11. Um belo poema sobre um triste acontecimento.
    Um abraço, Élys

    ResponderExcluir
  12. Poemas de intervenção são um modo de lutar pelo que não é certo e seguro.
    Belíssima e oportuna composição.


    Beijos



    SOL

    ResponderExcluir
  13. Eis um bom poema sobre um momento muito triste no país do hermanos.
    Um abraço. Tenhas uma linda tarde de quarta-feira chuvosa!

    ResponderExcluir
  14. Só por esse final: "
    Essas madres loucas
    a erguer retratos
    são do povo triste
    um espelho exato
    e seus lenços brancos
    aves peregrinas
    a voar, imóveis,
    sobre a Argentina", desenhou um retrato exato das dores dessas Mães da Praça de Maio.
    Momentos tristes da política argentina, que ainda hoje, não virou para sempre, aquela página negra da história!
    Abraços!


    VitorNani & Hang Gliding Paradise

    ResponderExcluir
  15. Manchas que recaem sobre nações e que nunca serão apagadas. Essas mães nunca desistiram, mesmo sabendo que não poderão enterrar seus filhos. Há governos que destroem famílias e esse lado escuro da Argentina permanecerá sem luz. O poema traz uma descrição de muita beleza e sensibilidade. O autor é deveras talentoso. Bjs.

    ResponderExcluir
  16. As "Mães da Praça de Maio" - amor-dor até à morte.

    bj amg

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso