9 de abril de 2008

SONETO A QUATRO MÃOS / Vinícius de Morais


- Vinícius de Morais e Paulo Mendes Campos

Tudo de amor que existe em mim foi dado,
Tudo que fala em mim de amor foi dito
Do nada em mim o amor fez o infinito
Que por muito tornou-me escravizado. 

Tão pródigo de amor fiquei coitado
Tão fácil para amar fiquei proscrito
Cada voto que fiz ergueu-se em grito
Contra o meu próprio dar demasiado. 

Tenho dado de amor mais que coubesse
Nesse meu pobre coração humano
Desse eterno amor meu antes não desse. 

Pois se por tanto dar me fiz engano
Melhor fora que desse e recebesse
Para viver da vida o amor sem dano.


2 comentários:

  1. Vânia11:28

    Tais, achei lindo esse Soneto, não conhecia, tenho vários livros, mas não achei.

    Abraços
    Vânia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vânia, esse Soneto está no 'Livro de Sonetos', Vinícius de Morais, pela Companhia Das Letras / 1991, 2ª ed.pág 155.
      Foi escrito com Paulo Mendes Campos em 12/8/1945.

      Abraços pra você, também, volte sempre, obrigada!

      Excluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso