17 de dezembro de 2007

SE EU MORRESSE AMANHÃ!





                        – ÁLVARES DE AZEVEDO


                    Se eu morresse amanhã, viria ao menos
                    Fechar meus olhos minha triste irmã;
                    Minha mãe de saudades morreria
                    Se eu morresse amanhã!

                    Quanta glória pressinto em meu futuro!
                    Que aurora de porvir e que manhã!
                    Eu perdera chorando essas coroas
                    Se eu morresse amanhã!

                    Que sol! que céu azul! que doce n’alva
                    Acorda a natureza mais louçã!
                    Não me batera tanto amor no peito
                    Se eu morresse amanhã!

                    Mas essa dor da vida que devora
                    A ânsia de glória, o doloroso afã...
                    A dor no peito emudecera ao menos
                    Se eu morresse amanhã!



 (In Álvares de Azevedo, Poesia, Antologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1960, p. 91)




Um comentário:

  1. Anônimo19:07

    Um poema belo, reflexivo, mas triste...
    Parabéns pelo seu blog, gostei.
    Um abraço
    Marina

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso