16 de fevereiro de 2014

CONHEÇA SUA INIMIGA: A BARATA



- Tais Luso de Carvalho

Ando com dúvidas se tenho fobia por barata ou coisa pior. Tenho de entender o porquê desses insetos me causarem tal pavor. Mas com fobia ou sem fobia vou atrás, até que consiga seu extermínio. É a tal da superação: ou mato ou morro. É uma fobia diferente: busco a guerra. Como sempre, é melhor conhecer os nossos inimigos e suas armas de destruição. E fui buscar conhecimentos.

As baratas existem há 350 milhões de anos! São 3.500 espécies conhecidas, mas somente 35 vivem em ambiente doméstico – o que já leva muitas mulheres à loucura. No Brasil as baratas mais comuns são a Blatella Germanica e a Periplaneta Americana. Pra mim tanto faz seus nomes, suas classificações. Barata é barata.

Conheci as cucarachas dos hermanos (Argentina), são uns horrores. Pareciam ter cinco mil anos. Apresentaram-se com uma grossa camada de poeira, coisa assustadora.

As baratas comem de tudo, mas adoram gordura. Uma boa panela suja, esquecida à noite, é um prato cheio. Como andam e fazem cocô sobre os alimentos, carregam germes por onde passam e transmitem doenças como a cólera, herpes, hepatite B, alergias, diarreia, febre tifoide entre outras tantas. Penso que já está de bom tamanho essas consequências por vivermos no mesmo mundo. Ou no mundo delas, já que estão aqui há mais tempo.

Vivem em média 2 anos. As fêmeas põem 50 Ootecas (aqueles saquinhos medonhos que protegem os ovos). Cada um dos saquinhos tem 16 embriões desgraçados, que nascem em 45 dias para o tormento do mundo.

Eu não sobreviveria 45 dias sem comida, 15 dias sem água e 3 dias sem cabeça, mas as baratas conseguem: elas resistem porque seu sistema nervoso é difuso e não depende da cabeça para funcionar. Nós, sem cabeça, não servimos pra nada.

Quase sempre vi baratas morrerem de costas, algo que me intrigava. Isso acontece porque seu casco é mais pesado que o corpo e, quando elas ficam tontas, perdem o equilíbrio e viram de barriga pra cima. Esse é o motivo.

Muitos pensam que numa guerra nuclear, as chances de sobrevivência das baratas seria de 100%. Um pouco de exagero, mas que suportariam mais do que nós e outras espécies não há dúvidas. Isso aconteceria devido aos lugares subterrâneos que habitam, portanto estariam protegidas das radiações, como também se alimentariam de qualquer matéria orgânica. O que não faltaria, naturalmente.

Para cada barata encontrada, podem haver dezenas ou centenas de outras amigas escondidas. E quando aparecem é porque estão famintas e com sede.

Os predadores da barata são as lagartixas, formigas, aranhas, escorpiões, fungos, ácaros…

Estou pensando em criar alguns bichos desses dentro da minha casa, depois vendo a ideia, já patenteada. Bem que faz alguns anos que não me aparece uma barata. Mas deve ser sorte.

Mas o que me deixa muito incomodada não é por conseguirem viver 3 dias sem cabeça e eu ter de topar com uma delas. O que me incomoda é quando vejo uma mostrenga dessas na calçada do meu prédio e meu marido clamar por sua vida!

Não mata, deixa o bichinho seguir
Mas se ela aportar lá por casa?

E não matei! Devo estar doente da cabeça...
Existem certas coisas que preciso renascer para acreditar.

-----------


Leia outra aventura com baratas: aqui!




32 comentários:

  1. Eu tenho nojo, medo, sei lá o quê e sempre que vejo, onde quer que seja, MATO,rs... DETESTO! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe, Chica, eu acho que não tenho nojo, é uma coisa meio louca!! rsss
      Beijão!

      Excluir
  2. Odeio baratas! É mais forte do que eu, quando vejo uma fico toda arrepiada. Até me mete nojo matá-las, mas é dos poucos bichos que mato. Se vejo uma barata (aqui nesta casa, um 5ºandar, já vi duas - creio que vieram nos sacos de batatas ) não descanso enquanto não a mato. Fico ali paralisada a olhar para ela e depois quando a vejo mexer, reajo...
    Odeio-as! Baratas e moscas!

    Gostei imenso das suas crónicas (também li a outra).
    Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isabel, posso ver outros bichos que não me incomodo muito, mas minha neurose é com baratas. Não fico parada, antes fosse... faço um escarcéu para matá-la.
      Obrigada por gostar dos meus textos, volte sempre.
      Beijo!

      Excluir
  3. Pois é amiga Tais, as baratas surgiram na terra bem antes de nós e de repente permanecerão aqui, além da sobrevivência da espécie humana no planeta.
    Um abraço. Tenhas uma linda semana .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Dilmar, e isso que me torna mais indignada: elas permanecerão. Na verdade, quem somos nós? Quando aqui aportamos, já haviam várias espécies...
      Abraços, amigo!

      Excluir
  4. Já há muito que não dou de caras com esse 'nojo'....Oxalá siga assim por muito tempo, pois enquanto não exterminar......a dor de cabeça não passa...Mas nós temos cabeça, precisamente para lhes darmos luta.....
    Mas que continuem a deixar-me em paz.....
    Como sempre....Adorei a cronica...
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andrade, quando eu estava pesquisando e li que elas conseguem ficar sem cabeça, sem água e comida por bom tempo, quase desmaiei! Seria uma luta desigual...
      Beijos, amigo!

      Excluir
  5. Não tenho problemas com baratas. Já tive, mas superei. Só que, deixá-las vivas, jamais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então me passe um pouquinho de sua coragem!!!
      Isso não vou superar nunca!
      Beijos, Anabela.

      Excluir
  6. Muito bom, você fez uma verdadeira pesquisa. Muitas curiosidades interessantes sobre esse inseto que quando não amedronta a todos, pelo menos provoca grande repulsa rsrs. Sinceramente nem com chinelo eu gosto de matá-las rs, prefiro pegar um inseticida e dar um banho mortal nelas, o problema é que ela fica tão desorientada que acaba vindo na sua direção de tão tonta, nojentinha rs. Muito divertida sua publicação Tais Luso, voltarei mais vezes!!

    "Só por um tempo é hoje nos seus sonhos voe, voe. Só por um tempo é hoje. Este dia, em breve só o terá em suas lembranças, torne-o valioso." (frase de minha autoria)

    Aproveito para convidá-la e também seus leitores a acessar meu blog que se chama: 'Um lugar para estar'.

    http://umlugarparaestar.blogspot.com.br/

    Excelente tarde a você e a seus leitores!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Leo, bem-vindo ao blog! Irei conhecer seu espaço, sim.
      Olha... lembro de uma vez que não tinha um inseticida para matá-la e passei a mão num laquê! Foi o que veio rápido à minha cabeça! A criatura ficou dura, colada. Então terminei o 'serviço'! rs Que horror...
      Grande abraço, boa semana.

      Excluir
    2. Muito obrigado pela recepção! Essa do laquê foi demais rsrs, se não desse para matá-la pelo menos embelezava um pouco rsrsrs. Hey Tais, vou pedir sua opinião no blog então viu? rs Aqui passeando pelo seu, já percebi sua experiência! :D te espero por lá! Grande abraço!!

      Excluir
  7. Muito boa sua pesquisas desta maldita figura da qual tenho pavor e raiva quando entram voando pela janela.E saber que estas misérias seriam as únicas sobreviventes numa explosão nuclear as tornam ainda mais odiosas.
    Linda semana Tais.
    Meu terno abraço amiga.
    Bju de paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Toninho, na real, eu não sei bem o que sinto, mas tenho certeza que uma certa fobia é! Meu coração acelera e saio da casinha...rsss Não gosto de nada que se esconda e isso é típico delas. A coisa é por aí!
      Grande abraço, amigo, e muito obrigada pela sua presença!

      Excluir
  8. Interessantíssima! Delicia de cronica. Sou também feito seu marido, não estando em casa, deixo a barata seguir em paz e entrar na casa do vizinho, rs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito, Fábio!! Pensei que essa característica fosse apenas de meu marido... Não faz muito que matei uma barata na porta da vizinha e ela abiu a porta pela tamancada que dei. Quase quebrei a porta da mulher. E a minha cara?? Você não imagina...
      Beijos, e parabéns pela sua generosidade com as baratas...rs.

      Excluir
  9. Tais, levei um susto ao abrir sua página (kkkk). Credo, como são horríveis as baratas! Não sabia que viviam sem cabeça. Moro há 10 anos no mesmo apartamento e, há pouco tempo, apareceu uma na área de serviço. Fiquei enlouquecida, mas não consigo matar. No outro dia, pedi à faxineira que revirasse tudo até encontrá-la. Felizmente, achou e matou. Mas não é ela a razão de minha fobia, mas a aranha. E nem ousaria fazer uma pesquisa porque sequer consigo olhar sua imagem. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marilene, eu também não sabia o negócio das cabeças!! Você já imaginou esse bicho sem cabeça? Mas amiga... vejo que sou mais corajosa do que você: não durmo se deixar uma barata viva! Na outra crônica descrevo minha luta com dezenas de baratas vivas!
      E você fala em aranha??? Então me aguarde!
      Beijão!!

      Excluir
  10. BARATAS

    Costuma-se ouvir por aí que os únicos animais que resistiriam a uma explosão atômica seriam as baratas, ou que, no caso de hecatombe nuclear, quando os demais seres vivos do planeta sucumbiriam pela radiação resultante, as baratas se adaptariam e tornar-se-iam os animais dominantes na face da terra, em decorrência da ausência de predadores e competidores naturais. Essas afirmações não estão muito longe da verdade, as baratas, insetos da ordem das Blattaria, estão entre os animais mais resistentes e adaptáveis da fauna mundial. Há mais de 400 milhões de anos vivendo sob as mais diversas condições de climas, competindo com outros seres e tendo tempo suficiente para evoluir e adaptar-se, as baratas tornaram-se campeãs de sobrevivência.
    Comparando as baratas de hoje com as do passado elas mudaram muito pouco, permanecendo como insetos não especializados, ou seja, comem de tudo e não têm exigências especiais quanto ao ambiente em que vivem. Dentro das características desse inseto, pode-se relatar a capacidade de sobrevivência sem se alimentar durante até um mês, sem ingerir água durante até uma semana, ficar até 40 minutos submersa e se deslocar por fendas muito pequenas de até 1,6 mm. Como os demais, é um inseto ovíparo, que dizer, que se reproduz colocando ovos, e o faz na ooteca que é uma estrutura em forma de cápsula hermética que tem a função de proteger os ovos das variações do ambiente, inclusive dos inseticidas, garantindo assim, a perpetuação da espécie. O corpo das baratas tem formato ovular achatado. A cabeça é curta, subtriangular, apresentando olhos compostos grandes e geralmente dois ocelos (olhos simples). Em geral são de coloração parda, marrom ou negra, porém existem espécies coloridas. Nas zonas tropicais, predominam as de cor marrom avermelhada, além das cores verde e amarela. O formato e o tamanho variam dependendo da espécie, mas em gênero podemos dizer que as fêmeas são maiores que os machos, porém os machos têm as asas mais desenvolvidas.
    A maior barata tem aproximadamente 20 centímetros de comprimento. Já a menor cerca de 4 milímetros e por ser tão pequena, vive em ninhos de formigas. As baratas gostam de ambientes úmidos e algumas espécies preferem lugares quentes. A alimentação é variada. As baratas são insetos onívoros, ou seja, comem qualquer coisa, tendo principal atração por doces, alimentos gordurosos e de origem animal. Conseguem perceber o perigo através de mudanças na corrente do ar à sua volta. Elas possuem pequenos pelos nas costas que funcionam como sensores, informando a hora de correr. As baratas domésticas podem ser vetores mecânicos de doenças e são responsáveis pela transmissão de vários microorganismos nocivos através das patas e fezes.
    Por isso, são consideradas perigosas para a saúde dos seres humanos, contudo, o maior óbice de sua convivência com os homens refere-se à repugnância real ou suposta que as pessoas por ela sentem, por se tratar de animais que vivem em esgotos e ambientes contaminados, ou seja, são insetos “sujos”. Os seres humanos também odeiam baratas porque pode ser extremamente difícil acabar com elas em razão de seu comportamento natural. Elas se reproduzem rapidamente e são difíceis de matar. Como elas são noturnas, muitas pessoas não percebem sua presença até que sejam tantas que acabaram sem lugares para se esconder. As baratas são particularmente boas para se esquivar e fugir de chinelos, jornais e outras armas domésticas, e várias espécies se tornaram resistentes aos inseticidas. Das 4 mil espécies de baratas que existem no mundo, porém, apenas algumas infestam casas e pontos comerciais. Na verdade, em muitas partes do mundo apenas uma espécie - a barata alemã - é responsável pela maioria das infestações. Infelizmente, as pessoas têm uma boa parte da culpa por essa prevalência mundial.

    ResponderExcluir
  11. Continuando…
    BARATAS
    várias espécies se tornaram resistentes aos inseticidas. Das 4 mil espécies de baratas que existem no mundo, porém, apenas algumas infestam casas e pontos comerciais. Na verdade, em muitas partes do mundo apenas uma espécie - a barata alemã - é responsável pela maioria das infestações. Infelizmente, as pessoas têm uma boa parte da culpa por essa prevalência mundial. A maioria das pragas de baratas se espalhou pelo planeta pegando carona em barcos, aviões, caminhões a até mesmo em caixas de mudança e sacolas de supermercado. Não importa se estão digerindo madeira decomposta em uma floresta tropical, saboreando restos numa lata de lixo industrial ou se escondendo debaixo de uma geladeira, as baratas são fascinantes.
    Elas são insetos primitivos extremamente adaptados e nada indica que venham a se tornar extintas algum dia. Apesar de sua natureza imutável, elas sobreviveram quando outras espécies não conseguiram. Por exemplo, os dinossauros foram extintos há 65 milhões de anos, mas as baratas continuaram prosperando até os dias de hoje. Entretanto, mesmo apresentando o status de super-insetos que podem parecer indestrutíveis, elas servem de alimento para uma variedade de outros animais. Algumas espécies de vespas usam as baratas como incubadoras para seus ovos. Uma vespa fêmea pica a barata ou retira suas antenas para deixá-la paralisada. Depois, ela deposita seus ovos dentro da barata, onde os filhotes irão crescer alimentando-se das proteínas baratais até a fase adulta, quando abandonam o local e vão reiniciar o ciclo de vida vespal em outra barata. Além disso, outra praga caseira, as comuns centopéias, comem as ninfas das baratas. Algumas espécies de pássaros como o anu e o bem-te-vi também se alimentam de baratas na falta de melhor prato, supõe-se. Pelo fato de as baratas serem tão resistentes e adaptáveis estuda-se seu organismo com a finalidade de descobrir quais os mecanismos que permitem seu sucesso, e se esses mecanismos são passíveis de serem aproveitados em favor da sobrevivência humana.
    Cientistas chineses afirmam que componentes químicos encontrados no sistema imunológico das baratas poderão ter um efeito tão benéfico quanto ao AZT no tratamento da AIDS, e isso, por si só, já é uma notícia que justifica olharmos o inseto com menos repugnância e com mais praticidade no sentido de aproveitá-lo para pesquisas médicas. Pelo sim pelo não, viva as baratas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Senhora!!! Aprendi muito com esse seu comentário, você é uma enciclopédia, Jair.
      Complementou minha crônica e não deixou pedra sobre pedra... Mas e esse negócio sobre o tratamento da AIDS? Olha, até não duvido, pois esses insetos não morrem nunca. Se não fosse nossa fúria, a incontrolável obsessão em destruí-los, certamente dominariam o mundo. Certamente fiquei conhecendo mais sobre a vida animal, algo fascinante. Só discordo do seu final: do viva as baratas! Lembro que vi os Orientais comendo baratas no espetinho, o nhoc-nhoc... fiquei muito ruim, passei mal. (aliás tenho uma crônica sobre isso).

      Amigo Jair, agradeço muito por sua presença aqui, sempre tão bem vinda, sempre com algo a acrescentar e a dividir com todos.
      Grande abraço, amigo.

      Excluir
  12. BLATTARIA
    Se de insertos domésticos se trata
    Quase há convergência de opinião
    A mulher pega no sapato e mata
    Sem arrependimento ou compaixão

    Argumentos contra não se acata
    Porque “bichos” causa destruição
    Principalmente se for mera barata
    Que para todos é um bicho papão

    Porém os insetos criou a natureza
    E num erro criou até o ser humano
    Que se acha investido de realeza

    E que trata insetos como engano
    Alheio ao direito à vida e à beleza
    Num comportamento assaz insano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quase deletei esse, não vi!
      "E num erro criou até o ser humano
      Que se acha vestido de realeza"...

      Concordo com tudo, sim!
      Mas somos arrogantes e imperfeitos! E insanos. E outras coisas mais.

      Excluir
  13. Querida Tais lendo teu post lembrei de uma história contada ainda na minha adolescência, era um grupinho pequeno e sempre compartilhávamos histórias, e uma que uma amiga contou me deixou impressionado até hoje rs, fazendo que adquirisse hábitos que até então não era uma obrigação; ela contou que quando dormimos e comemos algo doce antes, elas (as baratas) caminham em nossas bocas...desde então, não durmo sem lavar a boca, quase um toque.
    Até sem cabeça estes seres sobrevivem, e adorei a comparação, nós não sobrevivemos rs..Então quer dizer que elas são em número muito maior do que eu imaginava, e que elas só aparecem quando estão famintas. Minha querida a barata é um bichinho nojento, mas como gostei de ler sobre elas aqui contigo. É sempre muito bom poder compartilhar palavras, conversas, trocar idéias...
    ps. Meu carinho meu resprito e meu abraço.
    ps2. E muito obrigado por visitas tão amáveis no meu blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desse jeito vou infartar! rs Muitas vezes respiro pela boca sem me dar conta!
      Agora seja o que Deus quiser... A sorte é que tenho tela nas janelas. Veja, Jair, sem cabeça já somos difíceis, imagine você se não tivéssemos... rs.
      Grande abraço, amigo!

      Excluir
  14. Querida Tais, gostei da crônica, mas eu faço questão de matá-la Rss.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E sem piedade! rss
      Obrigada, querido amigo.
      Abraços!

      Excluir
  15. Tenho a mesma politica do seu marido com relação às baratas. Já a minha esposa adota a sua política. De minha parte, se cruzam meu caminho as deixo ir, talvez até com um cumprimento. Mas tenho minhas ressalvas com aquelas que voam - se é que se pode chamar aquela queda controlada que elas têm de voo -, pois (ai já não sei se é uma impressão minha ou perseguição de minha pessoa, da parte delas) me parece que elas só acham de aterrissar na cara da gente.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu pensando que meu marido fosse o único ser com compaixão por esses bichos! Aquelas que entram voando, parecidas com morcego, é para infartar. Dê meu abraço à sua esposa, no fundo nós sabemos das coisas! Ainda não vi mulher que aguente barata.
      Um abraço, Thomaz, bom domingo!

      Excluir
  16. Taís, pois saiba que vc encontrou alguém que tem mais medo de barata do que qualquer outra coisa. E não é nojo porque nunca irei comê-las...é MEDO, FOBIA, PAÚRA...a cena mais dantesca pra mim é uma maldita dessas numa parede branca. Eu morro e ressuscito. Odeio o calor porque as chances de me deparar com uma delas é bem maior... Não vou pra casa dos meus filhos em São Paulo, porque atraio (dizem eles)...Moro em Atibaia e aqui nunca vi uma sequer...Tudo bem que depois das 5 da tarde fecho todos as frestas, portas, janelas, ralos, qualquer coisa por onde elas possam passar. Morro de calor, mas não morro de barata. E aqui não tem esgoto, moro num condomínio e a água é de poço artesanal, realmente agradeço a Deus por nunca tê-las visto em 11 anos de moradia. Não sei como vc conseguiu colocar essa imagem matadora no post. Passei direto para o texto. Não consigo olhar, não gosto de ver nem no papel, ou morta, ou qualquer coisa relacionada... E outra coisa: não mato, não porque tenho dó, quero mais é vê-las torrando, esmagadas, mas é porque tenho medo, saio correndo, me jogo do carro (já fiz isso), desmaio....kkkkkk não é brincadeira. Essa sou eu. Beijosssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas eu sou assim, também, só que mato para ela não me matar!!! É a lei da sobrevivência, Sonia! Muito engraçado esse seu comentário...rs Somos uma legião de acovardados!!! rss
      Beijo, querida!

      Excluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso