19 de agosto de 2015

MÁGOAS – Augusto dos Anjos




      Quando nasci, num mês de tantas flores,
      Todas murcharam, tristes, langorosas,
      Tristes fanaram redolentes rosas,
      Morreram todas, todas sem olores.

      Mais tarde da existência nos verdores
      Da infância nunca tive as venturosas
      Alegrias que passam bonançosas,
      Oh! Minha infância nunca teve flores!

      Volvendo à quadra azul da mocidade,
      Minha alma levo aflita à Eternidade
      Quando a morte matar meus dissabores.

      Cansado de chorar pelas estradas,
      Exausto de pisar mágoas pisadas,
      Hoje eu carrego a cruz das minhas dores!




Augusto dos Anjos (Paraíba 1884 - 1914 MG) foi ignorado pela crítica do começo do século. Se alguma exceção se abriu, foi para reputá-lo como autor de versos estapafúrdios  e aberrantes. Nas décadas seguintes acabou reconhecido como um dos mais admirados e originais poetas brasileiros. Augusto dos Anjos é, certamente, o precursor da moderna poesia brasileira, poesia que daria seu voo somente em 1922, na célebre Semana de Arte Moderna.

 Augusto dos Anjos / Eu e Outras Poesias
L&PM Pocket – pág 153
_____________________________________________________________

      

30 comentários:

  1. Adorei a escolha! Belo poema, grande autor! beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida Chica, pois é, leio muitos poemas antes de escolher um; quero que fiquem junto de mim, aqueles que mais gosto! Mas existem uma infinidade, vou trazendo...
      Beijo, um bom fim de semana!

      Excluir
  2. Lembre-se sempre disso: Um desabafo e uma reflexão...

    De tudo o que existiu fica tudo!
    Ficam a empatia, os risos, o choro, o medo, o desabafo, os nós desatados e os que atamos também.
    Ficam as palavras, as expressões e gestos de afeto e carinho.
    Ficam os olhares de cumplicidade e intimidade nos momentos que foram nossos.
    Ficam as músicas que não tivemos, as atrapalhadas, as caras de espanto e o medo de magoar com qualquer bobagem impensada.
    O toque que a cada dia foi tomando forma mais sincronizada, sem muito desespero. Também fica junto com ele o abraço que foi se tornando cada vez mais apertado fazendo a gente quase entrar na gente.
    Ficam os "nãos", os "sins", os "tudo bem" e ficam também os "bóra"! As aulas ficam. Tanto as de "como não fazer" quanto às de "como não ser".
    Ficam as longas conversas sobre tudo e nada, sobre eu, sobre você, sobre os outros e sobre nós.
    Ficam o silêncio e a troca intensa de emoções que fizemos através dele.
    Ficam as broncas acompanhadas de gargalhadas, ficam as piadas engraçadas e as sem graça também. Ficam aquelas que fizemos pensando ao mesmo tempo a mesma coisa sobre a mesma situação. Como tudo isso foi incrível!!
    Ficam os sentimentos de cuidado, de carinho, de zelo. Fica cravado no peito o respeito de uma grande e forte "amorizade".
    Mas acima de tudo pudera eu dizer pra você: fica?!
    Sugiro que modifiquemos e transformemos tudo isso que ficou para continuarmos usufruindo, mas de outra forma.

    Muita das vezes vamos o que mais desejamos, é um local no qual nós podemos ancora nossos pensamentos e deixar desaguar aquilo que pensamos e sentimos, seja ela pequenas ou grandes... Confesso que é com este grande carinho que aqui parei hoje para me deleitar da sua farta mesa poética.... bj no coraçãop linda te espero em uanderesuacronicas.blogspot.com
    Ja estou a te seguir, por favor faça o mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estou seguindo seu blog e irei conhecer alguns de seus textos.
      Obrigada pelo seu lindo comentário, volte sempre.
      Abraços.

      Excluir
  3. Amei os versos do belo soneto escolhido!
    Amiga, é sempre um prazer poder postar essas belezas e ter quem lê, eu amo ler e nunca deixo de refletir sobre o que leio, eu amo mitologias, mas também posto de tudo um pouco, meus poemas são sem peias exatamente por isso.
    Aqui também sempre encontro algo bom para ler, é sempre um prazer!
    Deixo abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida Ivone, gosto muito de você aqui com seus ricos comentários.
      Você, com sua sensibilidade, faz parte da casa...
      Beijo grande!

      Excluir
  4. Oi linda Taís,
    A poesia é linda mais triste
    Deu tudo errado até com as flores
    Eu adorava conversar com as flores do campo quando criança.
    Beijos
    Dorli Ramos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, querida Dorli, penso tanto se as flores entendem alguma coisa!
      Gostaria de saber isso...Mesmo assim tenho pena de ver uma rosa no vaso, cortada...
      Beijo, amiga!

      Excluir
  5. Tais, Augusto dos Anjos foi um poeta sui generis. Talvez avançado para o seu tempo, mas hoje na Academia Paraibana de Letras, de que foi Académico, está patente a sua estatueta.

    E por falar em Paraíba, convido a dar uma passagem no meu espaço O SORRISO DE DEUS, que está em João Pessoa, Paraíba.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pura verdade, amigo Daniel. Não foi compreendido. Mas é assim, o que tem valor muitas vezes é reconhecido quando se vai...
      Obrigada pelo carinho da sua visita,
      Abraços!

      Excluir
  6. É mágoa....ou saudade.....???
    Bonito.., não conhecia o autor...
    Bfs
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é puramente "Mágoa", mas tem a "Saudade" que postarei mais tarde - também de Augusto dos Anjos. Linda de morrer! Casualmente eu estava na dúvida de qual postaria primeiro, rs
      Beijos

      Excluir
  7. Fascinante, Augusto dos Anjos. Sei até dele de cor seu poema mas conhecido: Versos Íntimos. Quando era mais jovem tinha o livro dele já era fascinado pela sua forma de escrever, extrair beleza do mórbido, encantar com o repulsivo, asqueroso. Imaginava só ser possível folhear seu livro depois de imensa alegria qualquer, aproveitar e contrabalancear. O poeta de um livro só: EU, precisou mais não, pra se notabilizar. "Caba bom!", como se diz pro aqui no nordeste. Alias, ele era Paraibano. Beijos, Tais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fábio, Paraibano de 1884. Que pena que não viu seu grande sucesso. Seus versos doem, machucam, ora tenho pena dele, ora tenho pena de nós todos lendo "Queixas Noturnas"... Tantos versos lindos, mas "Versos íntimos" arrasa.
      Beijos, Fábio!

      Excluir
  8. Minha querida amiga Tais, sabes o quanto gosto deste poeta, Augusto dos Anjos é meu poeta punk, um visionário, quase um futurista, também acho um dos pilares da influência literária brasileira que influenciou sobre maneira na Semana de Arte Moderna em 22. Acho que desde antes, digo, antes de conhece-lo já cultuava coisas mórbidas rs, gostava de frequentar um cemitério, principalmente após a morte de meu avô materno, meu herói. Quando o conheci de fato foi amor a primeira leitura, seu poemas de cor dele até hoje, não lembro desse poema, mas amei ler algo que para meu inconsciente parece uma obra nova dele. O temas dele também não estão muito distante do que gosto ou procuro ou consigo escrever, claro, tudo dentro de uma proporção que eu acho rs. Este poema não é diferente, é único. Ele sempre tratou de minhas dores, minhas mágoas, sempre soube me dizer o que estava sentindo, a poesia tem poder sobre mim, a poesia de Augusto dos Anjos fala, ainda, pela minha alma. Belíssima postagem querida amiga Tais.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rss, Coisas mórbidas? E você já notou como os versos mórbidos são lindíssimos? Parecem mais reais. Mexem mais com nossos instintos de preservação da vida, de medo, de dúvidas. Não diria instintos 'primitivos' como o nosso político lá...
      Grande abraço, amigo Jair!

      Excluir
  9. Respostas
    1. Também acho, obrigada pela visita, ludu.

      Excluir
  10. Querida amiga Tais, primeira vez que contatei Augusto dos Anjos, fiquei embasbacado, assustado...nem consegui ler todo o livro "Eu" Somente mais tarde fui perdendo o medo...
    Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também, virei um espanto só, principalmente com "Versos íntimos"! Forte. Augusto dos Anjos é um dos meus preferidos, e seu sofrimento têm a ver, aparece em tudo. É um misto de admiração com espanto e dó, justamente porque levou tempo para ser reconhecido, o que não deveria. Foi incompreendido.
      Grande abraço, amigo Dilmar!

      Excluir
  11. Olá Tais.
    Um poema incrível, com grande magoa e problemas existências. Um feliz fds para vocês. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, muitas mágoas... E que lindo quando lemos sentimentos bem colocados, mesmo os que exprimem dor.
      Beijo grande, amiga! Obrigada pelo carinho da visita.

      Excluir
  12. Hermoso soneto y destacado homenaje has dejado Tais a interesante y reconocido escritor
    Fuerte abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os poetas são pessoas sensíveis, Cristina, é pra se guardar do lado direito do peito!
      Obrigada pelo teu carinho
      bjus!

      Excluir
  13. UN POEMA BELLO. GRACIAS POR COMPARTIRLO.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracias pela sua visita sempre gentil, amigo ReltiH!
      Um ótimo fim de semana.
      Abraços!

      Excluir
  14. Acróstico

    Alinham-se os astros no firmamento
    Um raríssimo tão feliz acontecimento
    Generosos presenteiam a Terra então
    Um prócer das artes nasce neste chão.

    Surgiu pois Augusto, esse poeta maior
    Tendo no seu bedelho a cartilha de cor
    Onde uma altíssima poesia se encontra
    Deleitando aquele que observa a montra.

    O vate que em todos os temas é capaz
    Sabe tudo dessa arte que tão bem faz
    Assim, nos brinda com sua inspiração
    Nesses versos que de graça nos serão.

    Jacente a seu poemar assim tão sagaz
    Obliterando qualquer maior pretensão
    Seja Augusto aquele que nos satisfaz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo acróstico, bela homenagem, Jair! Os versos desse poeta são tão sofridos que comovem, Obrigadíssima pela sua homenagem - sempre à altura.
      Grande abraço, amigo, um bom fim de semana.

      Excluir
  15. Muito boa tarde querida Tais..
    este grande poeta por quem tenho um respeito muito grande...
    ele me fez abrir muito o dicionário a pesquisar as palavras rsrs
    este sim me fez abrir o dito cujo rsrs
    passou por muitas coisas.. e ralou pra conseguir fazer seus poucos exemplares..
    quando comecei a fazer sonetos tinha dois objetivos
    fazer um número perto dele e do Cruz e sousa..
    e quando me vi tinha feito mais de 1000..
    não como os deles que são fantásticos..
    deixo aqui um soneto que fiz a ele.. olhe a data rsrs

    beijos e fleiz sempre doce amiga

    AUGUSTO DOS ANJOS

    Fostes preso por uma visão... sofredora
    Descrita nos teus versos de beleza... fria...
    Tua vida coberta pela aflição... fora
    Uma vida regada em tristeza... e agonia;

    Fostes o monossílabo não... que devora
    E que devorou a pobreza... tão sombria...
    Daquela geração... para ser só agora
    Visto com tal grandeza... e com sabedoria;

    Fostes sim o vencido... O maior devorador
    De livros que acabou deixando... somente o EU...
    Este livro que deu susto... até em arcanjos;

    Fostes bem atingido... pela forte dor
    E mesmo assim manteve-se moldando... o teu
    Livro tão tristemente Ó Augusto... dos Anjos;

    11-07-06 Soneto ao poeta Augusto dos Anjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querido amigo, outro soneto lindo entrando aqui, homenageando esse poeta,
      o fantástico Augusto dos Anjos! Se eu soubesse construir sonetos também faria um em sua homenagem, mas sou cronista, minha veia é outra.
      Adorei tua participação, como sempre.
      Bjus e uma linda semana!

      Excluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso