31 de julho de 2016

DEMASIA - Lya Luft


Pablo Picasso - Mãe e filho / 1921

                    (para as mães excessivas – Lya Luft)

         Os filhos que pari trilharam seus caminhos
     como dizem que deve ser.
     Eu não me conformei: andei em seus calcanhares,
     lancei-me em mil direções, fiquei perdida
     nessa casa vazia.
     Toda a noite espreito os velhos quartos
     para ver se as memórias dormem direito,
     se escovaram os dentes, fizeram as lições.

     Meus filhos tiveram outros,
     e eu me fragmentei ainda mais.
     No espelho não vejo ninguém:
     virei poeira de gente, soprada entre eles.
     Tanto me entranhei em suas vidas,
     que tentam limpar-se de mim
     para poderem crescer, para não serem
     meus filhos.

______________________________
Lya Luft / Para não dizer adeus - ed Record, pag 79
                                                                

Formada em Letras anglo-germânicas e com mestrados em Literatura Brasileira e Linguística Aplicada, Lya Luft trabalha desde os 20 anos como tradutora de alemão e inglês. Já verteu para o português obras de autores consagrados como Virgínia Woolf, Günter Grass, Thomas Mann e Doris Lessing, além de ter recebido o prêmio União Latina de melhor tradução técnica e científica em 2001 pela tradução de Lete: Arte e Crítica do Esquecimento, de Harald Weinrich.

Romancista, ensaísta, cronista e poeta, deixo aqui alguns de seus livros. Lya nasceu em Santa Cruz do Sul, em setembro de 1938 - RS.
As Parceiras / 1981 – A Asa Esquerda do Anjo / 1981 - O Ponto Cego / 1999 - Reunião de família / 1982 - O Quarto Fechado / 1984 - Mulher no Palco / 1984 - O Rio do Meio 1996 – Mar de Dentro / 2002 - Perdas e Ganhos / 2003 – Histórias do Tempo / 2000 - Pensar é Transgredir / 2004 - Histórias da Bruxa Boa / 2004. Atualmente escreve uma coluna na Revista Veja. 

"É natural ter várias possibilidades de expressão, como um pintor emprega aquarela, óleo, acrílico, esculpindo ou desenhando. A gente abre portas, espia, apanha e usa o que ajuda a ver melhor". 





27 comentários:

  1. Boa Tarde, querida Tais!
    Acabei de poetar sobre meus filhos... gostei de passar por aqui e ver seu texto lindo!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  2. Palavras se sentido, fortes, fazem pensar nessa relação mãe e filhos, eterna...LINDO! bjs, de volta, chica

    ResponderExcluir
  3. Por coincidência, amiga Táis, o meu último post é sobre o amor que me une à minha filha que não vejo à uma ano, amanhã se Deus quiser vou abraçá-la e tê-la por 20 dias.
    Ela voou para longe de mim, seguiu os seus sonhos e eu apesar das saudade estou feliz por ela.
    No entanto compreendo a profundidade e o sentimento de vazio do texto de Lya Luft.

    Um beijinho grato e até Setembro !
    Fique bem!

    ResponderExcluir
  4. "A gente abre portas, espia, apanha e usa o que ajuda a ver melhor"

    extraordinária Mulher! vou reter o nome e procurar conhecer melhor

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Acróstico

    Fazê-los, foi a mais fácil parte
    Iniciando em pequenos bebês
    Logo se aprendendo esta arte
    Hoje não sabemos os porquês
    O que fazem da vida, destarte
    Sermos uns bons pais, talvez.

    ResponderExcluir
  6. Temos tendencialmente predisposição para sermos excessivas,
    facto que acontece principalmente com as mulheres de origem
    latina, só o bom senso e o auto-controle conseguem resolver
    a situação...
    Parece fácil cantar num poema singelo um problema complexo
    como este, mas não é.
    Um poema muito expressivo, humano e admiravelmente sintético.
    ~~~ Abraço Taís ~~~

    ResponderExcluir
  7. Querida amiga, Taís Luso, boa noite !
    A manifestação literária da intelectual Lya Luft,
    espelha a tensão de quem, eternamente, se preocupa
    com a prole. Também sou assim, mas tento me vigiar
    para não cometer excessos...
    Muito grato por partilhar, e uma feliz semana, com
    o meu fraterno abraço.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  8. Lya Luft é dona de um texto maravilhoso e de posições avançadas.
    O poema é uma grande lição de vida, sobretudo para quem tem filhos, pois sabe como é tê-los "sem tê-los como sabê-lo".
    Beijo,

    ResponderExcluir
  9. Lya Luft narra em seu poema a realidade da vida... Fizemos assim cm nossos pais... Agora, é a nossa vez de atravessarmos o vazio do ninho, dos quartos, da casa, em geral. Importante é não deixarmos cair no vazio nossas emoções dos bons tempos. Cuidar da nossa autoestima.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Taisamiga

    Estou de volta aqui (peço-te desculpa de tão longa ausência...) e venho encontrar uma Mulher com caixa alta. Não conhecia Lya Luft, mas agora com a tua preciosa ajuda já conheço. O poema fez-me lembrar o adágio popular Quem filhos tem cadilhos, mas é belíssimo! Parabéns pela escolha e pela publicação. A relação entre pais e filhos e entre os avós e os netos fica aqui plasmada sem motivo para interrogações. É o retrato da vida!

    Qjs do Leãozão

    ___________

    Venho informar que vou publicar na NOSSA TRAVESSA (até ao fim desta semana) um CONCURSO que para mim é fácil, tem a sua piada – e dá prémios…

    ResponderExcluir
  11. Gracias Tais por permitirme conocer la obra de Lya Luft.

    ResponderExcluir
  12. Comoveu-me o poema. E confesso que me revi nele...
    Gosto muito da poesia de Lya Luft. Este livro "Para não dizer adeus" faz parte da minha estante de poesia. Foi muito bom encontrá-la aqui.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Palabras muy profundas, gracias por compartir este verso, una feliz semana.

    ResponderExcluir
  14. Não se conforta nunca com os filhos que partiram! abração

    ResponderExcluir
  15. ¡Cuantas mujeres han trabajado por la cultura y qué pocas han perdurado! No conocía a Lya Luft, igual por ignorancia mía. Pero desde ahora sé de su obra y un poco de su vida. Gracias por aportar tu granito de arena a la causa.
    Abrazos

    ResponderExcluir
  16. Tais Luso
    Belo e interessante, o poema de Lya Luft, até por ser bem concludente.
    Depois para quem, como eu, aprecia a cultura brasileira, tomar conhecimento de intelectuais da Pátria irmã, é sempre agradável.
    Postagem “Maranhão – São Luis”
    Veja e comente o post
    http://amornaguerra.blogspot.pt/
    BRASIL: O SORRISO DE DEUS.

    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Cara amiga Tais, justa homenagem à eclética e talentosa Lya. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  18. No seu poema "Demasia”, Lya Luft não tem dificuldade em externar o sentimento da mãe que viu seus filhos crescerem e saírem em busca de seus próprios ninhos. A mãe fica perdida na casa vazia, onde os filhos foram criados, e passa a espreitar os quartos vazios, premida pela saudade, sabendo que os seus netos impõem a ela uma existência fragmentada, e, mais ainda, sabe a mãe que agora necessitam fugir de sua influência (“Tanto me entranhei em suas vidas, / que tentam limpar-se de mim / para poderem crescer, para não serem / meus filhos”).
    Um belo poema, profundo e realista, que mostra como a poetisa vê os seus filhos deixarem a casa e saírem para o mundo, prontos para as suas próprias conquistas.
    Um beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  19. Por muito que se compreenda que os filhos têm de seguir as suas vidas, é muito dificil ver as casas vazias .... a ausência faz doer a alma.
    Excelente escolha, maravilhoso poema.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  20. Bom dia querida Tais.
    Bela partilha do poema Demasia, Lya Luft espoe o forte sentimento de mãe que criou seus filhos e eles saírem em busca de seus próprios caminhos. Eu sempre criei a minha filha e meu sobrinho que o tinha como filho para entregar um dia ao mundo. Eu sempre procurei ser uma mãe moderna, porque antigamente os filhos ainda demoravam mais para sair de casa e procurar a sua propria independência. Hoje a partir de 20 anos já fazem. Aos 24 anos meu sobrinho me comunicou que iria mora no interior e se casar, e o que eu achava ? Se eu volta-se ao passado teria dito a ele para avaliar melhor, a mulher dele tinha 19 anos e não quis largar os pais que moravam no interior. Ele largou tudo, ate a faculdade, na época eu achava que a decisão é dos filhos, afinal é a vida deles, hoje eu não penso totalmente assim, acho que devemos da assas aos filhos quando sentirmos que eles já estão prontos para voar. Nessa caso ele nem chegou a se casar, pois com apenas um més, beberam em uma festa e ele bateu o carro em um poste, e teve morte ainda no local. Depois disso involuntariamente sufoquei a minha filha de cuidados, mas logo depois cai em si e deixei ela bem a vontade de seguir a vida dela, devemos deixar que os filhos tenham vida propria, e siga o seu caminho, no tempo certo. A ausência doer demais, mas antes o quarto vazio por eles te indo ser feliz, do que por alguma fatalidade. Acho enfim que para tudo na vida tem que ter equilíbrio, quem tem filhos tem que entender que eles foram emprestados por Deus para ser orientados pelo pais ate terem a sua propria vida, muitas vezes longe deles mais eternamente juntos nos corações. Um belo poema, que mostra como a poetisa vê e sente a ausência os seus filhos que a deixaram para conquistar seus próprios sonhos. Um lindo e abençoado agosto para você, o Pedro e toda família. Grande abraço.

    ResponderExcluir

  21. Querida Taís: Os filhos voam e os pais ficam com suas asas vazias, sem função. Recolhi as minhas e deixei que voassem. Compraram um apê juntos e foram, ficamos e nos adaptamos. O filho casou e mudou-se do tal apê, a irmã ficou. Tempos depois divórciou-se, aí sim sofri com ele e por ele. voltou para o apê.
    Agora por conta desta casa em que moramos e que os deixa preocupados,ainda não estamos nesta situação eles passam dias aqui e dias lá, claro que estou amando isso :)...
    A situação aqui está ao contrário, eles é que abrem as asas e nos protegem. Embora jurem que não querem casar, só namorar, eu acredito que são só palavras e torso para que formem suas famílias.
    O importante é que sejam felizes do jeito que quiserem.
    Já tive a feliz oportunidade de ler dois livros da Lya e amei, assim como este poema que além de lindo é uma constatação real.
    Parabéns pela maravilhosa postagem.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  22. Os filhos têm mesmo que sair do ninho....., depois cabe
    a eles, não esquecerem quem lhes deu a vida.....e aÍ...???
    Os tempos continuam em mudança..
    Beijo

    ResponderExcluir
  23. Minha querida amiga Tais, amo demais Lya Luft, conheço praticamente toda a obra dela e amo, aprendi com ela e ver de um viés que quase sempre tentamos esconder ou não ver, o lado dolorido de nossas vidas que esta colado ao lado colorido e feliz, mas tudo se mistura e podemos nos perder. Lendo Lya aprendi que a dor é possível exorcizá-la e é possível comemorar o amor, o cotidiano. É um belo poema e não posso deixar de pensar em minha mãe (deu saudade, vou ligar). Ocorre assim, apesar de ainda e para sempre ser o filho e entendo bem esta necessidade que a vida tem de nos separar, seja pela morte, seja pelo trabalho longe. Devo estar muito sensível hoje, estou comovido com este poema. Hoje consigo entender a preocupação de minha mãe, quando era jovem e saía, hoje faço questão de dar satisfação de minha vida para ela, acho que é uma forma de não cortar o cordão umbilical. Obrigado por compartilhar. Sempre muito bom estar aqui.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  24. OI TAÍS!
    QUE IMPRESSIONANTE, NÃO CONHECIA ESTE TEXTO. É ASSIM MESMO, HÁ MOMENTOS EM QUE NOS SENTIMOS ASSIM, COMO SE JÁ TIVÉSSEMOS PASSADO E NÃO SOUBÉSSEMOS DISSO. OS FILHOS TEM DE SEGUIR SEUS CAMINHOS MAS, NOS CUSTA MUITO DAR ESTE ESPAÇO.
    COMO SEMPRE FAZES UMA BELA ESCOLHA PARA DIVIDIRES CONOSCO.
    ABRÇS, AMIGA.
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Gostei imenso do poema.
    Tenho alguns livros da Lya Luft e gostei de todos, mas de poesia não conheço. Vou ver se há aqui à venda em Portugal.

    Beijinhos e um bom fim-de-semana:)

    A imagem escolhida é muito bonita. É uma conjugação perfeita:)

    ResponderExcluir
  26. Oi Tais que texto maravilhoso.
    Puxa como é difícil para uma mãe cortar o cordão que prende aos filhos!
    Mas basta respeitar a individualidade de cada um, com muito amor, para que possam viver suas próprias vidas, e crescerem da melhor forma possível!
    E Saber acolher, quando necessário!
    Um grande abraço!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  27. Gosto imenso do que leio desta autora... apesar de não conhecer muito da sua obra...
    Grata por esta belíssima partilha, sobre um tema tão sensível, a todas as mães...
    Beijinhos! Bom fim de semana! Um feliz mês de Agosto, para vocês, e até breve!
    Ana

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso