2 de fevereiro de 2014

VIVER: ESQUECER PARA RECOMEÇAR



          - Tais Luso de Carvalho

Recentemente li uma matéria – e gostei muito –, na Scientific American Brasil. Trata-se de uma matéria que está sendo estudada por neurocientistas sobre o processo de formação de memórias: para alterar, substituir e até mesmo apagar lembranças traumáticas. Projetos para que o ser humano seja mais feliz.

Mais um ano, mais um recomeço. Muitas coisas boas aconteceram, outras nem tanto. É normal, faz parte do nosso aprendizado quando buscamos um melhor viver. A vida não é um oba-oba e nem tudo é cor-de-rosa. É pé no chão. O resto é bazófia. E festança.

Crescemos, amadurecemos, perdemos, ganhamos, e continuamos grudados em fatos acontecidos que nunca tiveram a dimensão que um dia lhes foram atribuídos. Na verdade, penso eu, poucas coisas na vida tem grande importância, a maioria é firula e descartável. Mas estão presentes, e se não cuidarmos ficam ali, na espreita, para um dia virarem mágoas que com o tempo petrificam e nos fazem vítimas.

Seria ótimo esquecer de certas coisas que impedem que uma felicidade mais duradoura se aproxime. Esquecer doenças do passado, atitudes agressivas e mentiras. É difícil de passar uma borracha? Sem dúvida. Mas não impossível.

Muitas vezes criamos raízes enormes que se vincularam a um passado remoto, ou nem tanto, mas que já prescreveram seu tempo de validade. Não devem pesar mais. Não podem pesar a ponto de nos preocupar.

Mágoas, ranços, ingratidões, injustiças… Sim, machucam, mas é preciso uma intervenção drástica para extirpar a infecção e curá-la dentro da gente. É como se tivéssemos um enorme furúnculo -, se deixá-lo por muito tempo, a intervenção será cada vez mais invasiva. As sequelas, maiores.

Reconstruir outra jornada é a meta, mas é preciso aliviar o peso da mochila. Cada um sabe o que é melhor pra si. E não é por nada que vários neurologistas estão queimando as pestanas para nos dar uma mãozinha. Para ensinar a apagar lembranças  indesejáveis.

E pensando bem… o que há de tão importante a não ser o fato de levar a vida numa boa e dentro dos princípios honestos? Existem caminhos que dão menos trabalho. E um deles é ser honesto, apesar da maré contra. E é um atalho e tanto.

É preciso honestidade e respeito com nossos sentimentos. Ser honesto conosco é a melhor maneira para vivermos uma vida sem sustos, sem arrependimentos. Muitas vezes nos preocupamos com os outros e esquecemos de cuidar da matéria-prima que há em nós.

Uma das melhores coisas é quando a gente se conscientiza que precisa mudar, seja aos 40, 60, 80... E melhor ainda é quando conseguimos.

E, enquanto eu tiver consciência, quero sentir o saldo positivo da renovação.






27 comentários:

  1. Lindo e bem sábio teu texto! A vida não é apenas facilidades e belezas. Tem trabalho, incomodações, família que também dá problemas... Saber levar a vida do melhor jeito, não apagando o ruim, mas pelo menos, não nos fixar no ruim e no mau! Gostei de te ler, aliás, sempre! beijos,chica, diretamente do nosso Forno ...Que horror,não?INSALUBRE!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depende, se precisar apagar o ruim, que se apague! Se não incomodar, que fique como exemplo para não repetir a dose.
      Você já voltou ao forno? rss que horror. Disseram que nunca aconteceu isso em 90 anos!
      Beijos, Chica, como sempre, gosto de você por aqui!

      Excluir
  2. Taís! Excelente reflexão de vida! Honestidade e serenidade nos conduzem a viver bem melhor. Delegar a responsabilidade a cada um por direito adquirido, faz-nos esvaziar a mochila. Ficar remoendo dores e angústias passadas em nada nos acrescentará. Pedir um "tempo". Falar "não". Propor limites e respeito às individualidades... Apenas ouvir, olhar e dar pistas, mas que cada um terá que trilhar... É renovarmo-nos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como sempre, Célia, você vai no ponto certo, direto e perfeito.
      Sempre, meu obrigada pela sua presença.
      Abraços e uma boa semana!

      Excluir
  3. Muito interessante, amiga Tais. Um abraço. Tenhas uma ótima semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Dilmar, uma boa semana também.
      Vamos a 37, 38 e na próxima semana, para nossa alegria, vamos aguentar 39 graus. Pobre gauchada. Segundo a ZH isso vai até final de março.
      Abraços!

      Excluir
  4. A principio bem interessante essa ideia, parece bem pratico, excluir as lembranças desagradáveis, formatar, simples assim. Mas precisará chegar a tanto. As lembranças desagradáveis ou não fazem parte de um apanhado indispensável de nossas memorias, argamassa de nossa personalidade. São nosso referencial. Sei não, talvez tenha uma utilidade pratica para curar alguns distúrbios da personalidade , traumas pós traumáticos, depressões, talvez...

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Oi, Fábio, pelo que entendo, os estudos são mais profundos, apagar o que nos traumatiza, independente de fazer parte de nossa história, e de ser muitas vezes o sustentáculo de nossa personalidade. Existem coisas que nem sempre são boas para fazer parte de alguma coisa. Se para tornar o ser humano mais feliz, que venham os apagões! Na verdade penso que muitas lembranças não precisamos. O que precisamos é de mais tranquilidade, menos traumas e recordações (descartáveis) para vivermos em paz. Vivermos mais. E felizes.
      Beijo, Fábio.

      Excluir
  5. Oi, Taís!
    Acredito que muitas memórias ruins podem ser válidas para ajudar na recuperação. Também li, só que superficialmente, uma matéria sobre isso. E 'apagar' as memórias indesejáveis pode ser uma boa opção para alguns casos, o que já não se encaixaria em outros. Por isso, acredito, que na hipótese de um tratamento do tipo entrar em vigor, deverá ser muito bem ministrado pelos responsáveis da área da saúde.
    Algumas memórias ruins corroem nosso interior, mas são produtos indispensáveis no momento de nos renovar.
    Aplaudindo o texto, um tema maravilhoso a se tratar. E tão "século XXI".
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fellipe, como está você?
      Olha, é uma junta de especialistas, acredito que o foco seja em patologias cuja recuperação seja difícil. Como a medicina está avançando muito em todas as áreas, espero e acredito que deverá vir algo de muito proveitoso.
      Sim, o tema é sempre atualíssimo! Aliás, o ser humano sempre dá pano pra manga, é uma beleza...rs
      Beijos, Fellipe!

      Excluir
  6. Querida Tais, a matéria de sua postagem é excelente.Quanto a medicina está evoluindo e quanto ainda precisamos caminhar para o progresso. mexer com ranços da memória é dificílimo.Que bom seria se pudéssemos recomeçar do zero,mas ter a percepção que nos falta para agirmos corretamente.A paz é no mínimo interessante que vem em consequência das boas ações e bom caráter. Tais, estou participando do TOP BLOGUEIRO da amiga Lindalva.
    http;//anos-da-ilha.blogspot.com.br
    Dê uma passada lá. Obrigada! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marli, com certeza se começássemos do zero muita coisa alteraríamos, mas não o suficiente para mexermos em questões tão profundas, tão nobres e desconhecidas da mente. Falta 'estrada' para todos nós...
      Passarei lá, sim!

      Beijos, querida.

      Excluir
  7. Very interesting and beautiful.
    I wish you a nice evening.

    ResponderExcluir
  8. Mais uma bela crónica......escrita no Forno..!! ??
    A inveja é grande......Quem me dera estar aí.....Por cá
    a paisajem é Bela....Branquinha.....mesmo Alva.....mas
    acompanha com um vento ciclonico, que arrasa tudo....
    Aguentem....que vale a pena...
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, foi escrita debaixo de 38 graus, e hoje vai a 40! Estou esperando o inverno, aflita e saudosa. E você quer 40 graus? Bem que nosso inverno é muito camarada... Neve só na Serra. Por aqui é ótimo.
      Beijo, amigo! Sua presença é sempre bem-vinda.

      Excluir
  9. Conheço pessoas de mais de 70 anos que ate hoje falam com raiva de algo acontecido ha mais de 40 anos.Pobre criatura. Esta segurando uma brasa na mão esperando que o outro se queime. De minha parte procuro esquecer quem me fez algum mal ou dano. Para mim é como se a pessoa deixasse de existir. É muito melhor e mais confortável.É claro que se a tal criatura estiver em risco de vida e precisar de minha ajuda eu não vou negar. Afinal tenho que ser melhor que ele (ou ela) para ter algum mérito diante do Grande Juiz, certo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sig, como está você?
      Pois é, também conheço gente assim, e na maioria se tornam carentes, chatos, desagradáveis. Desfilam um mar de mágoas. Mas o que importa é a gente se conscientizar da situação e tomar certas precauções.
      Grande abraço, Sig, Obrigada por sua presença.

      Excluir
  10. Muita gente tem a tendência de querer "fugir" do que lhe causa dor. Fugir do sofrimento só faz adiar uma dor que no futuro virá... O sofrimento faz parte da nossa vida. Já vem no pacote. Não adiante querer fugir ou ignorar. Temos que ter forças para enfrentar os momentos ruins. E quando conseguimos eles não nos farão sofrer mais... Ficará somente uma vaga lembrança. É o mérito por ter enfrentado a dor. O merecimento só vem do esforço!

    Bjusssssssssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marineide, sim, você tem razão em parte. O sofrimento já vem no pacote, muitos deles é nosso e com ele morreremos abraçadas. Porém tem aqueles que podemos descartar, que querem se juntar ao 'pacote'. Existem sofrimentos que plantamos, que regamos e alimentamos; que pegamos para nós, que 'permitimos' que venham, como se devêssemos ou tivéssemos obrigação de acolher todos os sofrimentos alheios. Aí, penso eu, que resta um afastamento para nosso próprio bem, para nossa proteção. E temos esse direito, pois alguém carregada de problemas, será um inferninho para os outros. Ou para si própria!

      Beijossss!!

      Excluir
  11. Um bom recurso para a finalidade de "limpar" essas lembranças é a hipnose, que trata a causa que trouxe a marca, dando ao sujeito nova maneira de lidar com suas marcas. Os resultados são mais do significativos, inclusive eu mesma passei pela experiência, resolvendo uma questão que causava pânico. É como reviver!
    Tudo que estiver ao alcance da ciência para minimizar o sofrimento humano é bem vindo, na minha opinião, a gente não nasceu para sofrer, e temos ferramentas poderosas dentro de nós que desconhecemos. A honestidade e respeito consigo mesmo faz a diferença, além da convicção de que mudanças são sempre desejáveis e saudáveis, não importa a idade, né?
    Estou quase embarcando pra torrar nesse calorão do Rio Grande... Deus me ajude... rsrs
    Bjos, queridona!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, lançar mão do que a ciência oferece é ótimo, a hipnose é uma das ferramentas. Na verdade, nascemos para sermos felizes, bons. Mas além de trazermos no nosso DNA coisas boas e outras nem tanto, também somos produto do meio. E aí trava-se a luta constante, pois também temos nossa formação individual, e vontade própria, boa, íntegra.
      Você vem para o Rio Grande, agora? rssss, então vá pra Serra! Hoje em Porto Alegre vai a 40 graus, fora a sensação térmica. E em outras cidades está pior.Tá bom assim? rs

      Grande beijo, meu carinho.

      Excluir
  12. Que coisa boa poder ler isso,neste exato momento vem me acrescentar uma tonalidade verde festiva da esperança,mesmo porque estamos sempre ali,esperando, aguardando,porém,ensaiando sempre mais um passo...Isso tudo se chama fé no bem...Amei Tais! Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Izildinha, fico muito contente quando aprendo lições da vida e consigo passar adiante. É mais um passo que damos para corrermos atrás das coisas que realmente são capazes de cooperar para sermos mais felizes. Essa interação - palavra tão em moda -, só traz benefícios quando realmente cumpre seu papel.: o de beneficiar a quem dá e a quem recebe.

      Mil beijos!

      Excluir
  13. E que viver nos renove. Que a cada manhã consigamos começar de coração vazio.
    Vazios de ontem, vazios de muitos ontem´s atrás...

    Grande abraço Tais

    Leila Rodrigues

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, e deixando o peso pelo caminho; exercitar mais o esquecer e olhar mais o novo, o que realmente vale a pena.
      Beijos, querida.

      Excluir
  14. Bom dia, Tais. Gostei muito do texto, me identifiquei demais!
    Quantas lembranças ruins eu gostaria que fossem apagadas da minha mente, mágoas que carrego e já era tempo de esquecer, mas são difíceis demais para mim, tento, até penso que consegui, mas me engano.
    Lamentável viver em condição de vida que em algumas situações foge ao saudável.
    Esse texto é um alerta acima de tudo.
    Conheci o teu blog através do Fabio Murilo, do blog "A POESIA ESTÁ MORRENDO", e já fiquei por aqui para depois voltar, ler com calma os outros textos e comentar.
    Tenha um abençoado feriado de paz!
    Beijos na alma!

    http://redescobrindoaalma.blogspot.com.br/

    http://carinhosemselosdosamigos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Patrícia, bem vinda ao blog!
      O fato de esquecermos as mágoas é só benefício pra nós, não creio que os outros se beneficiem. Pensei muito no assunto, também vivi mágoas, quem não as tem? Mas não vale um centavo pensar no que os outros nos aprontam. Que fiquem com suas cabeças alopradas, curtindo o que fazem nesse mundinho. A gente chega numa idade, amiga, que temos escolhas a fazer. A vida não é longa.
      Grande beijo, volte sempre. Irei conhecer seu blog.

      Excluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso