24 de março de 2013

O QUE COMER ?





        - Tais Luso de Carvalho
Há muito que ando meio perdida nas comilanças. Lembro, quando criança, que comer ovos era muito saudável. Fui uma criança magrinha, mas com boa saúde. Meus pais e todos da família, eram fortes, corpulentos. Alguns gordos. Mas é sempre assim, os gordos pensam que os magros estão morrendo de inanição.

Meu tipo físico não combinava com o restante da família e isso quando não preocupava, incomodava. Parecia que todos vendiam saúde e eu é que estava indo pro brejo. Então, meus pais me empurravam fortificantes. Muitos fortificantes e complementos alimentares. O negócio era abrir o apetite! Não sei como não morri com tantos fortificantes! Mas nunca adiantou, continuei magra.

Cresci, casei, tive meus filhos e engordei um pouco – acho que fiquei normal. Bem que não sei mais qual o conceito de normal. Na Mauritânia, o normal e aceito são as mulheres obesas, de 150 quilos, quanto mais gordas mais lindas, enquanto que em outros países o ideal é ser bem magra. No Brasil é ser meio cheinha. Então temos de encontrar o meio-termo da coisa. E aí é que mora toda a neura da mulher contemporânea. Ninguém aceita seu tipo físico e a moda é malhar até a exaustão pra ficar parecida com a fulana.

Bem, voltando às comilanças,  lembro de algumas coisas que não eram consideradas nocivas  e que depois de anos deu rolo: era ótimo  o suco de tomate, abacate, leite, queijos, vinagre, ovos, chocolates, carne,  camarão, peixes, frangos, pudins, massas, bolos, café, iogurtes... tudo era permitido, se bem dosado. 

Mas anos depois a coisa virou e  fui tateando...

O tomate foi desmistificado: não servia pra coisa alguma  a não ser pra molho de cachorro-quente.
O gorduroso abacate virou vilão – sumi com o abacate.
O vinagre, diziam que causava anemia, então passei a usá-lo como limpador de carpetes, abre a cor – maravilha.
A carne vermelha deveria ser pouco consumida, pois entupia as artérias e coronárias. Churrasco só uma vez na vida e outra na morte. De preferência ainda em vida...
O coitado do frango, estava contaminado com hormônios.
O camarão, nem pensar: era comer e se despedir da vida.
O leite e seus derivados? Seria bom esquecê-los, só os humanos insistem; os animais só tomam leite quando pequenos... passei a tomar pouco leite.
Café? Cuidado com muito café e chás!
O pão? Só o integral, aquela coisa sem gosto...
Refrigerantes?  Nem pensar. 

E massas, pizzas, embutidos, salgadinhos, doces, biscoitos, pudins, bolos? Veneno! De vez em quando até me permitia, mas comia com uma culpa de cão, e depois ficava com ideias suicidas.

Lembro que andei uma época meio desatinada: nada do que eu via era saudável, a não ser frutas, legumes e hortaliças. E peixe – quando não estava contaminado por uma indústria que soltava metais pesados...

E as especiarias? Por bom tempo fui considerada a rainha da macarronada, temperada e apimentada, coisa de louco, um show! Mas acabaram com minhas pimentas: fiquei conhecida como a vilã da família. Escutava, pelos cantos, que nesse tranco eu mataria a família inteira do estômago! Então, em nome da paz e da saúde familiar, abandonei as pimentas.

Mas hoje, estou meio surpresa. Olhem como a vida dá voltas...

O vinagre, antes vilão e meu limpador de carpetes, passou a ser ótimo para os que têm problemas com glicose!
O chocolate  amargo é magnífico para o coração.
Três ovos por dia é saudável! Será? Eu fora...
O abacate faz subir o colesterol bom.
O tomate deu a volta por cima, anda em alta!
A desgraçada da pimenta – que fez de mim uma homicida familiar – hoje previne o cancro e virou um ótimo analgésico.
O café evita a doença de Parkinson. E um estudo feito na UFRGS, em parceria com a Universidade de Coimbra, mostrou que o cafezinho  previne o aparecimento do Alzheimer. (ZH fev – 2013).
A banha de coco é tri de boa. Até voltei a usá-la...
E o leite e derivados? Tudo maravilhoso!  Ótimos para Osteoporose.

Será que tenho chances em pensar num  à la minute  que não faça mal à saúde?

Confesso que estou farta de comer tanta gramínea. Mas o que não se faz em nome da vida? Com todos esses cuidados, e seguindo inúmeras tabelas, só tenho receio de morrer cheia de saúde. 
Talvez vítima de uma bala perdida ou atropelada por aí... 
E pior: de barriga vazia.


-----..-----



16 comentários:

  1. Eu acho que podemos comer de tudo mas na medida certa. Só a pimenta que já fui um devorador e hoje não posso sentir o cheiro.
    A crônica está bem divertida e educativa rs rs.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  2. Limerique

    Há quem coma de forma incontida
    Como se fosse faltar toda comida
    Vamos comer o necessário
    Prá manter o viver diário
    Afinal alimento é fator de vida.


    Já escrevi vários textos sobre comida, então te convido a ler "Viver faz mal à saúde" em: http://jairclopes.blogspot.com.br/2009/07/viver-faz-mal-saude.html

    ResponderExcluir
  3. Tais é a carne vermelha?? Mataaaaaaaaaaa! Mas eu não deixo de comer meu churrasquinho de vez em quando. Eu também já tive minhas neuras em relação à comida saudável e cheguei a conclusão de que saudável é ter equilíbrio sempre. Deu vontade, pimba, eu como e depois maneiro na outras refeições.
    Adorei o seu texto e fiquei aqui lembrando da Emulsão Scott, Biotônico Fontoura e Sadol... Aiiiiiiiiii tudo pra ter filhinhos bochechudos e agora a gente sofre pra acabar com elas.
    Bjks doces e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  4. Isso ai, Tais, ainda bem que vários conceitos mudaram e hoje a gente pode comer coisas determinados alimentos sem aquela culpa de tempos atrás...
    Ah, tu és gaúcha? Suponho que sim pois te referiste ao estudo da UFRGS e usaste o termo tri de boa, coisas comuns a nós gaúchos.
    Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  5. Faltou mencionar a batata frita.....!!!Veneno....
    Mas um peixe grelhado, ou frango grelhado....que delícia....Legumes saladas, um bom azeite de oliveira, um copito de vinho tinto....Há tanta coisa boa na vida..................
    Se engordam ou não...., que me interessa...é preciso é comer correto...
    Vou a seguir, ao site 'jairclopes,'
    Um texto incrível este...Adorei
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Olá Tais!
    Um belo texto o seu, cheiinho de pimenta!
    Já tenho comentado isso mesmo com pessoas amigas. Os estudiosos da alimentação, os nutricionistas têm andado aos zig-zags, algo que é excelente hoje, passa a ser uma peste amanhã...
    Sempre digo: o melhor é regular-me pela minha cabeça e tentar encontrar o meu equilíbrio - se gosto e me sinto bem, há que comer...com peso,conta e medida.
    Um beijo. M. Emília

    ResponderExcluir
  7. Tais: lindo texto mas devemos escolher e comer aquilo que não nos faça mal, eu como sou doente Crónico e do foro Cardiológico devo ter muito bom senso na comida, Já que não posso comer gorduras com sal fritos Bolos e outras coisas mais. Uma Pascoa Feliz e cuidado com a boca.
    Beijinhos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
  8. Oi Taís!
    A vida já é bem sacrificada, corrida... e morrermos com fome, de barriga vazia não dá, né?
    Então vamos comer de tudo, na hora certa e na quantidade correta!
    Adorei o post!
    Beijos,
    Mariangela

    ResponderExcluir
  9. Tais, muy interesante esta entrada. Comprendo el complejo familiar que describes de tu infancia al estar rodeada de personas corpulentas y fuerte.

    Creo que tenemos y debemos comer de todo con moderación diariamente y... en las comidas especiales olvidarnos un poco y disfrutar.

    Aquí en España, por estas fechas de Semana Santa son típicas las Torrijas de Pan, os dejo esta web con la receta http://www.directoalpaladar.com/postres/torrijas-de-leche-receta

    El chocolate negro es uno de mis placeres diarios, eso sí tomo una sola porción.

    Besos.

    ResponderExcluir
  10. Boa noite
    Muito legal seu texto e mais ainda seu blog, tudo bem organizado
    É sempre legal passar em linhas nossas vivencias ou algo que nos chama a atenção, particularmente eu gosto e o seu foi bem legal, já estou seguindo seu blog

    Abraços,
    Thiago - Trocyn Bão

    ResponderExcluir
  11. Tais, ri muito com seu texto! Cheguei a conclusão de que você abandonou a pimenta na macarronada, mas guardou o tempero para as crônicas que escreve: quer algo mais apimentado do que seu comentário final, referindo o receio de morrer cheia de saúde, mas de barriga vazia?! rsrsrs

    Realmente, os estudos avançam tanto nessa área que, depois de condenarmos a vovozinha da família pelas loucuras gastronômicas que ela realizava, descobrimos que estudos recentes confirmam: ela tinha razão! Não é esse o caso dos ovos - vários por dia?! E por aí vai...

    Quanto a mim, sigo uma regra pessoal de saúde que elimina, por exemplo, o cafezinho - não há Alzheimer que vá me fazer tomá-lo! Pelos mesmos motivos, dispenso a bebida alcoólica e outras substâncias que me parecem nocivas, não importa o rumo para onde o vento das descobertas soprem. Em relação aos demais alimentos, estou pronta para analisar, acima de tudo, a reação de meu corpo a sua ingestão e, como muitos já pontuaram, nada parece mais sábio do que a moderação.

    É isso aí, amiga, e agora te atira na pimenta - antes que mudem de ideia novamente!!! rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  12. Oi amiga, tudo bem? Venho através deste comentário, informá-la que seu blog foi escolhido por mim, para receber o selo The Versatile Blogger Award que eu recebi da minha amiga Maria Machado. Lembrando que você pode optar em aceitar ou não. Se se interessar e quiser postar o selo em seu blog, vá a esta página, pegá-los e ver regulamento:
    http://blogdobichodomato.blogspot.com.br/2013/03/selos-que-recebi-e-meme-7-coisa-que.html
    Obrigado pela atenção.
    Receba um grande abraço do amigo Bicho do Mato, até mais.

    ResponderExcluir
  13. Tempo de Páscoa

    Páscoa é tempo de meditar, de buscar,
    de agradecer, de plantar a paz.

    Tempo de oração!

    Tempo de abrir os braços, de abrir as mãos e de ser mais irmão.

    Tempo de recomeçar!

    Tempo de concessão, de compromisso, de salvação. Tempo de perdão.

    Tempo de libertar, de libertação, de passagem, de passar...

    Para onde? Para a luz, para o amor, para a vida que é eterna!

    É tempo de ressurreição!


    Feliz Páscoa!

    Leandro Ruiz

    The time: Me and the time

    ResponderExcluir
  14. Ah Tais, suas crônicas são maravilhosas. Verdade, evitamos alguma coisa por ouvirmos que causa mal disso mal daquilo. Mas que de repente aparece uma matéria nos jornais e revistas dizendo que aquele mesmo produto é bom demais para prevenir, ou até mesmo curar determinada doença. Ficamos como se diz; entre a cruza e a espada. E daí, fazer o que?

    Bj

    ResponderExcluir
  15. Ahhh !Tais preciso deixar um beijo pra ti aqui e dizer que amo suas crônicas ! Faz 5 meses que sou cirurgiada bariatrica e morri de rir quando li esta crônica em especial !Só me faltava depois de todo sacrificio, uma fatalidade e a barriga vazia ... kkkk... Boa semana querida ! bjãoo

    ResponderExcluir
  16. Tais, adorei a forma como sua crônica se desdobrou e mostrou os dois lados dos alimentos. Ora condenados, ora exaltados. Acredito que alimentação seja balanceamento. O problema é que nosso dia já é cheio demais para verificarmos porcentagem do alimento dentro da nossa dieta diária, pesquisar os malefícios e os benefícios, se inteirar sobre enlatados, fazer uma lista do que evitar. A gente acaba ficando louco! Mas até onde podemos fazer, nós devemos. E acredito que a ajuda de um profissional é totalmente válida.

    Como sempre, excelente crônica.
    Beijos

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso