8 de abril de 2012

O SILÊNCIO PODE SER UMA 'SAIA-JUSTA'...

obra de  Ado Malagoli


-Tais Luso de Carvalho

Não faz muito que escrevi uma crônica sobre as pessoas que não escutam, que só querem falar, falar... É difícil encarar esse tipo de coisa, mas também existe um tipo de silêncio que é devastador. Achar o meio-termo num bate-papo é uma arte.

Em geral as pessoas adoram falar. Uns falam coisa com coisa enquanto outros soltam o verbo aos trambolhões e não dizem nada. Mas cheguei à conclusão de que na maioria das vezes o melhor é falar, seja de uma maneira ou de outra. E nestas circunstâncias, a gente acaba dando o desconto para certos exageros.

Existe um certo silêncio que é dureza, constrange. Pessoas trancadas, que não falam, desprovidas de sociabilidade, nos deixam numa  saia justa. Dá vontade de dar as costas e dizer  fui.

Não é nada agradável nos depararmos com alguém que more num casulo. É pesado. Desconcertante, não tem o porquê. E o sacrifício é grande pra morrer na praia. Não houve empatia? Fica pra outra, tchau!

Sei lá, certas coisas vão saturando a paciência de algumas pessoas e estou me incluindo entre elas. Não tenho mais muita paciência para ser condescendente com alguns problemas que me rodeiam. Se eu me dedico, se me esforço, se uso dos conhecimentos que recebi para interagir, para tentar ser agradável e educada, então pelo amor de Deus... Cada um fazendo a sua parte dá certo.

Não é raro encontrarmos pessoas que falam com eloquência, que o assunto flui fácil, com entusiasmo, com ideias, com simpatia. Achamos que a pessoa é estupenda, o rei da oratória. Sentimos na hora uma pontinha de inveja, mas aquela inveja boa, agradável; aquela que nos leva a querer ser igual e não em exterminar a criatura. Essas pessoas são abençoadas por terem esse dom, são agradáveis de conviver.

Já ficou lá atrás, nossa fase de apenas grunhir. De lá pra cá começamos a articular outros sons, formar palavras e transmitir ideias e sentimentos: falar de nós, de nossas coisas, de nosso trabalho, de nossa família, de nossas férias, de cultura, de nossas necessidades. Falar. Trocar ideias. Sei que é difícil alguém chegar e perguntar sobre você e sua vida, seu emprego, suas expectativas. A primeira necessidade é falar de si, depois ouvir. Se ouvir, né.

Penso que dentre tantos motivos das pessoas escreverem na Internet, um é esse: você diz tudo que quer sem ser interrompido. Você escreve sobre os outros, expõe suas ideias, faz fofoca livre, diz o que gostaria de ver ou de não ver; fala de política, de psicologia, de religião e de esporte. Acho delicioso poder dizer o que se pensa - sem ofender -, seja da forma escrita ou falada. Mas sem dúvida que a forma escrita é a melhor maneira de dizermos as coisas sem sermos interrompidos. É ótimo.

Mas ao vivo, a coisa é diferente: tem de haver interesse e sintonia. Dias desses, fui apresentada à uma pessoa. Que loucura foi aquilo: pedia a Deus pra mulherzinha matraquear um pouco, parecia não ter  cordas vocais. Um silêncio sepulcral, constrangedor.  Conversar é uma troca. Mas não deu, senti que morri na praia... Era uma estátua.

Mas péra!!  Por que aguentar uma situação desconfortável durante um jantar inteiro? A mulher não trocou 6 palavras; que aflição! Acho que pessoas tão anti-sociais não deveriam entrar numa gelada dessas. Não precisariam passar por tais sacrifícios. Quem sai com alguém tem de ser um pouquinho sociavel. 

Então, dado a este episódio desagradável, creio que mudei de opinião: se não houver o meio-termo, prefiro alguém que matraqueie: melhor a gente relevar do que se constranger por longo tempo.

----//----

22 comentários:

  1. Tais, realmente o blog nos permite falar sem sermos interrompidos. Isso é uma alegria, porque conseguimos concluir uma linha de raciocínio que, olho no olho, muitos hoje não deixam a gente fazer.

    Abraços sempre afetuosos.

    Fábio.

    ResponderExcluir
  2. é suas percepções não estão erradas. muito bom o texto. obrigado abraços lamarque

    ResponderExcluir
  3. Oi Taís, mais uma bela crônica.

    Quanto à escrita, realmente uma as grandes vantagens é conseguir "falar" sem ser interrompido. Mas também tem outra coisa... eu por exemplo, consigo ser muito eloquente e transmitir bem minhas ideias enquanto escrevo. Já falando, dependendo do contexto eu acabo "travando", não no sentido de gaguejar e tal, mas de não saber o que dizer.

    Nas conversas, acho que tenho mais o talento de arrancar palavras e assuntos das pessoas, fazer com que tenham vontade de falar. Sou um bom ouvinte.


    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. hehehehehehe li seu texto pensando que a outra pessoa falando menos, me dá mais oportunidade de falar.
    Brincadeiras à parte, o certo é que é constrangedor fazer uma pergunta pra puxar assunto e receber um sim ou não como resposta e ficar por isso. Eu simplesmente piro. Saio de perto, pois tenho a impressão que a pessoa não foi com minha cara. Eu sou tagarela por natureza e se não sei um assunto, fico pior ainda pois minha curiosidade de faz perguntar tim-tim por tim-tim.
    Eu prefiro o tagarela ao reticente, pois o tagarela a gente conversa junto e fica tudo bem!
    Beijokas doces!

    ResponderExcluir
  5. Taís,
    Assunto delicado. Eu sou do tipo que escuto, contudo, quero esclarecer que essa é uma atitude egoísta, enquanto escuto aprendo. Todos me ensinam coisas. Para que não fique dúvidas, não sou falador (a não em raras ocasiões em que sou instado a falar), mas também não sou do tipo caladão, faço perguntas e observações durante o colóquio. Como a maioria gosta mais de falar, faço o contraponto, o escutador, e acho que as pessoas gostam, porque já ouvi uma amigo dizer que gostaria de ser como eu "que escuta as pessoas". Fora os exageros de uma ou outra parte, sigamos Aristóteles: "In Medio Stat Virtus", ou seja, "A virtude está no meio". Abraços e parabéns pela ótima crônica, JAIR.

    ResponderExcluir
  6. Acho que é sempre agradável ter interações, trocar ideias, desde que as pessoas sejam "mais ou menos agradáveis". Do contrário,certo silêncio, se faz necessário.
    Esse texto me lembrou uma frase do filme "Ana e o Rei", com Jodie Foster. Dizia algo mais ou menos assim: quando uma mulher fica em silêncio, o seu silêncio é assustador".
    Beijos e uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  7. Oi Taís, o silêncio nessa circunstância é mesmo constrangedor, não deixa ninguém à vontade, embora eu também acredite que falar demais é por demais inconveniente. Para tudo há um limite, o difícil é encontrar o meio termo, nem de mais, nem de menos!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Eu sou de escutar primeiro, mas quando encontro um assunto que me agrade, de que realmente tenha conhecimento, aí ninguém me segura.Claro com moderação, dando espaço devido ao outro para expor suas idéias. Acredito que a leitura, seja um grande aliado para quem se fecha e não consegue dialogar. Muitas vezes a diferença cultural pode bloquear alguma das partes.
    Um grande abraço Taís.

    ResponderExcluir
  9. Perfeita a definição do porquê escrevemos um blog: para ter o direito de falarmos sem ser interrompidos. Fora que pensamos mais pra escrever que falar...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Tais, você me fez rir com sua mudança de opinião e, sinceramente, acho que vou pelo mesmo caminho que você: melhor alguém matraqueando por 2 horas, do que o silêncio constrangedor provocado por pessoas monossilábicas. Lembrei de uma situação semelhante a sua, conforme relato na crônica, quando fiz todas as tentativas possíveis para estabelecer comunicação e a mulher me respondia com um 'talvez' - não era nem SIM ou NÃO para cada pergunta minha! Claro que em minutos desisti, afinal jamais evoluiríamos de um interrogatório para uma conversa, isso ficou claro para mim. Desde então prefiro as matracas abertas, que aí o trabalho é apenas selecionar o que deve e o que não deve ser levado em conta. Sempre fica algo de útil ou interessante... Mas das silentes não levamos nada, infelizmente.

    Beijo grande, minha amiga!

    ResponderExcluir
  11. Tuas crônicas são legais de ler e irretocáveis...Um beijo, aqui ,curtindo o filhão, chica

    ResponderExcluir
  12. Querida amiga Tais.
    O silêncio pode ser uma saia-justa e curta rsrsrs....
    Mas por vezes não dizer coisa com coisa, também não é bom. Passa a ser uma saia larga e comprida.
    Excelente crónica.
    Beijinhos amiga.
    Victor Gil

    ResponderExcluir
  13. Saudações quem aqui posta e quem aqui visita.
    É uma mensagem “ctrl V + ctrl C”, mas a causa é nobre.
    Trata-se da divulgação de um serviço de prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins. Para saber mais, visitem o sítio do projeto.

    CASTANHA MECÂNICA - http://castanhamecanica.wordpress.com/

    Que toda poesia seja livre!
    Fred Caju

    ResponderExcluir
  14. Tais, querida....saudades!!

    A vida corrida e atribulada me deixam afastada desse cantinho delicioso de ler e pensar!

    Você, sempre perfeita. Adorei a crônica!

    Beijos
    Lia

    ResponderExcluir
  15. Oi Tais!
    Muito pertinente sua temática. Nem tanto nem tão pouco, nada mais constrangedor do que um longo silêncio em meio a uma conversa. Não sou de falar muito, mas quando percebo que vem um silêncio, fico ansiosa e falo sem parar.rsss
    Beijinhos e uma semana abençoada!

    ResponderExcluir
  16. Tais, querida que crônica verdadeira! Mais vale interagir com quem fala demais do que com pessoas que não tem nada a dizer.É também acho que escrever é divino, mas olho no olho a conversa tem seus encantos.
    Bjs no coração Eloah

    ResponderExcluir
  17. Oi Taís,

    O melhor acaba sendo o caminho do meio. Mas confesso que também prefiro os que falam muito. Porque ter que inventar assunto e não obter nada em troca, é dureza!

    Beijos

    Leila

    ResponderExcluir
  18. Depende do dia e do momento em que estamos...mas se não é possível encontar o meio termo sempre, na medida certa, prefiro também pessoas que falem do que as trancadas....
    Beijos Taís!!

    ResponderExcluir
  19. Não acho que me encaixo na posição de quem fale ininterruptamente, não pelo amor de Deus, o que isso, caso eu fosse assim eu escrveria em vários blogs,com faço, e então só assim eu poderia falar falar falar e falar direto sem parar...
    Tais, por favor não me interrompa que eu não conclui minha ideia...como eu ia dizendo senhores, o que eu dizia mesmo..

    Brincadeira, minha cara, sua crônica está ótima! Concordo contigo sobre a penúria dos isolacionistas e a desfaçatez de quem não sabe ouvir!

    Muita paz!!!

    ResponderExcluir
  20. Bom dia!

    Cronista Tais Luso de Carvalho,

    A vida é assim!Encontraremos sempre pessoas que fazem de sua vida uma porta entreaberta!É por isso que a sua obra tem uma grande importância porque as ensina muito!A vida é uma aprendizegem!Abraços!

    ResponderExcluir
  21. Olá Taís,
    A situação é realmente constrangedora quando não conseguimos entabular uma conversação com alguém que se apresenta
    sem motivação ou argumentos para opinar ou, simplesmente, aceitar ou contrariar os assuntos de uma conversa.
    Também já estive numa "saia justa" dessas. Com os convivas de um jantar devidamente apresentados, parecia que certa pessoa estava a milhões de quilômetros de distância do local, procurando isolar-se dos assuntos conversados. É uma verdadeira catástrofe, confesso.
    Mas, já estou também preferindo aqueles que falam "pelos cotovelos".
    Pelo menos, não ficamos com cara de tacho, querendo assunto sem ter respostas.
    Muito boa sua abordagem do tema.
    Um ótimo final de semana e um beijo,
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  22. Boa noite, querida amiga Tais.

    Adorei!
    O bom mesmo seria o meio termo, que é mais raro.
    Se o outro atropela suas palavras, a garganta até dói, na tentativa de concluir um pensamento.

    Se fica mudo, ficamos no papel de tagarela, sem sabermos o que se passa.

    Meu filho mais velho sempre foi bom ouvinte, desde pequeno. Ele sempre era elogiado por isso. Inclusive por mim.

    Só quando ele ficou rapaz, foi que eu descobri que enquanto pensávamos que ele estava ouvindo, ele estava muito longe em seus pensamentos.

    Isso tirou muitas gargalhadas nossas, e atualmente não gasto o meu "latim". Primeiro sondo se o assunto o interessa de fato, e EDITO, para ele não alçar voo.

    É porque ele é muito objetivo.
    Ele é muito responsável e o amo demais, assim como ao caçula.

    Tenha um lindo fim de semana.

    Beijos.

    ResponderExcluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso