3 de março de 2013

A DOMA E ADESTRAMENTO DE CAVALOS




- Tais Luso de Carvalho

Sinto-me muito à vontade para falar de cavalos. Não só porque tenho amor pelos animais e por defendê-los, mas porque passei boa parte da minha vida cercada por eles, os cavalos de salto, de adestramento e pelos meus cães. Após ter assistindo uma doma especial, num canal fechado (National Geographic), vieram-me várias recordações. 

Foi mostrado como deve ser  uma doma de cavalo, e não como são atualmente. Foi maravilhoso ver homem e cavalo interagindo com tanta perfeição e respeito, depois que vi tantos disparates pela vida afora. Tantos absurdos. Tanta violência. 

Todas as domas, todos os adestramentos devem ser baseados em carinho, confiança e técnica. Nada atropelado, nada de brutalidade. Dar o tempo necessário para que os cavalos assimilem os ensinamentos. Os animais sentem tudo, inclusive nossa insegurança. E sentem nosso amor. O convívio estreito com o cavalo nos ensina a compreendê-los. E digo-lhes: é mais fácil domar cavalos do que tratar com pessoas. Não tenho dúvidas disso.

O cavalo não reage por maldade, não reage por orgulho, não reage por inveja: reage somente por medo. E medo a gente administra, passando ao animal carinho e confiança. Fazendo com que sinta que seu medo não procede.  Falo do que entendo, do que vivi durante muitos anos.

Confesso que tudo que aprendi com os animais não consigo aplicar com pessoas. São dois seres muito diferentes. O amor do animal é um; o do ser humano é outro. O interesse do animal é um; o do ser humano é outro. 

Por tudo, compreendo por que tantas pessoas são apaixonadas pelos animais. Animais não nos estressam, nos acompanham, nos acariciam, são fiéis, não agridem, não destroem. Seu único objetivo é natural: lutam apenas para comer. Comem, dormem e se protegem - principalmente dos homens que os matam para pô-los esticados como tapetes, na parede como troféu ou para entrarem no Guiness-book como criaturas incomuns. Pura vaidade.

Confesso que ao ver touradas, farra do boi, rinha de galos, briga entre cães, desligo a televisão. Animais não nasceram para brigar, eles tem apenas o instinto de sobrevivência.

Quem gosta de briga somos nós, os humanoides equivocados.  Reagimos sem motivo algum ou por motivos banais. Basta examinar o horror da história da nossa civilização. São tantos os exemplos... Talvez seja um defeito próprio das chamadas cabeças pensantes. E a tristeza é que as nossas ações quase sempre resultam em equívocos, difícil de reparar.

Ensinem com amor que aparecerá o resultado...

39 comentários:

  1. Taís: Os cavalos desde que sejam treinados fazem tudo o que o cavaleiro lhe mandar fazer. lindo texto adorei.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Santa Cruz, coberto de razão! Cavalos são dóceis, sensíveis, conseguimos tudo deles no tempo certo.
      Obrigada pela sua presença.

      Bj - daqui do Brasil.

      Excluir
  2. Olá Taís! que coisa boa conhecer seu blog! amo os animais e os defendo com garras de fera. Há pouco tempo peguei uma cadela da rua que havia criado 11 filhotes, me doeu o coração. Não me senti melhor com isso, me senti mais feliz, pois hoje, a única que restou é meu mimo. Alegra muito meus dias e a mãe sinto uma gratidão expressa nos olhinhos dela... coisa que muitas vezes não encontramos nos seres humanos. Te sigo com a certeza de retornar e te deixo uma semana linda de muita paz. bjjjj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rose, bem-vinda!
      Ah, amiga...você fala em gratidão? Os animais têm a gratidão que não temos. A nós, 'Basta um favor negado para apagar todos os favores anteriormente concedidos.' (Plínio)

      Também seguirei teu blog: vou conhecê-lo.
      Beijo pra você, obrigada pela presença.

      Excluir
  3. Limerique

    No Planeta homens se acham os tais
    Entretanto esquecem seus ancestrais
    Os demais seres e a gente
    Somos todos parentes
    Lembremos que somos todos animais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...E com certeza não somos os melhores; pensamos que somos!
      Obrigada, Jair, boa semana.

      Excluir
  4. Limerique

    Ele se acha ápice da criação
    Não vê o outro como seu irmão
    O Homem é um tolo
    Se diz dono do bolo
    Mundo será melhor sem esse bobão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A natureza e o planeta agradeceriam nossa ausência...rsr
      Haveria, sem dúvida, mais paz para seus outros habitantes!

      Excluir
  5. Estou consigo.....Eu que vivo num País que a tourada faz parte do
    Turismo e cultura (segundo dizem)...Nunca fui ver uma tourada...
    Mudo de canal, quando há diretos dessas corridas...
    Adorei o seu texto......e parabéns à 'Amazona'...
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, dizem fazer parte da 'cultura' de alguns. Mas que cultura é essa, à custa de tanto sofrimento? Somos muito primitivos.
      Quanto à 'Amazona'... obrigada, já faz muito tempo...rsr

      Excluir
  6. Taisinha,

    Gostei muito dessa tua postagem, não apenas pela bela crônica, mas principalmente por essa tua foto em que montas o Iruí, um dos teus excelentes cavalos, talvez o que mais gostava dentre os quatro.

    Foi uma grata surpresa para mim te ver nesse magnífico salto. Algum tempo depois dessa foto iniciaríamos o nosso namoro, justamente nesse ambiente hípico.

    Tenho muita saudade muito desse maravilhoso tempo.

    Beijinhos do teu marido,
    Pedro Luso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrs, é verdade, foi com o que mais me identifiquei. Deu-me muitas alegrias. Formávamos um conjunto perfeito, nos entendíamos pela voz. Era um cavalo preto que corria atrás de mim pelos campos pedindo tabletes de açúcar... saudades dele! Belos tempos, posso dizer que aprendi muito com eles... Hoje trago ao meu blog, e aqui ficará como o mais ilustre dos homenageados!

      É, foi nessa época que começamos a namorar e me incentivaste muito, junto com o pai, a mãe... E faz tanto tempo! rss Adorei, vieste te juntar à homenagem ao IRUÍ!

      Beijinhos!!

      Excluir
  7. Limerique

    Pois todo ser vivo é importante
    Seja homem, formiga, elefante
    Mesmo andando em pé
    Homem "O Cara" não é
    Embora seja o mais arrogante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TUDO QUE TEM VIDA É IMPORTANTE! Não importa se é formiga ou elefante. Nós é que não damos bola para a formiga... Cada um tem sua função nesse mundo. E o homem é tão pernóstico que dita 'quem é quem' no planeta!

      Excluir
  8. Lindo, Tais. Uma vez visitei uma arena na Espanha. Senti uma tristeza tão grande ali. Não entendo a selvageria das pessoas que curtem ver um show em que o objetivo é matar um animal. Torcem como se fosse um esporte qualquer. E encaram tudo com naturalidade. Lembra do Miguelito, o menino de 10 anos, ídolo das touradas? Concordo com vc quando diz que é mais fácil domar cavalos do que tratar com gente. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colocar animais para se despedaçarem para o deleite dos homens, nem pensar. Se com todas as atrocidades que existem, se vários movimentos, várias ONGS não conseguem acabar com a crueldade, to certa em achar que o humano é muito pior, muito difícil de se domar. Como você disse muito bem, fazem tudo com muita naturalidade. Falta coração!

      Um beijo, Rovênia! Boa semana pra você.

      Excluir
  9. Tais, que foto MARAVILHOSA!!!

    Tenho certeza de que o resultado que se vê na foto - sincronia perfeita entre cavalo e cavaleira - não seria visto se não houvesse uma relação de amor e respeito estabelecida entre homem e animal. Concordo plenamente com você: adestra-se com carinho e não com selvageria! Se os homens tivessem uns com os outros a metade da fidelidade que os bichinhos de estimação tem em relação aos seus donos, a traição e a exploração seriam banidas da terra. Mas não agimos assim, nossa defensiva não é justificada pelo medo e sim pelo orgulho, na maioria das vezes. Fidelidade só tem valor enquanto for conveniente.

    Assim como você, Sueli, e outras tantas, fujo de transmissões de touradas, caçadas, pescarias, rinhas de galo, não gosto de nada disso! E pouco me importa se chamam de "cultura de um povo", se for violento e sangrento é selvageria, e não me agrada em nada!

    Texto maravilhoso e com uma carga pessoal muito emocionante, pois você deixou-se ver tal como é, tal como sempre foi: uma grande mulher (em habilidades e em qualidades)!!! Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suzy, mas como você está entendida... Falou tudo certinho.
      Se houvesse mais respeito com os animais, certamente o mundo seria outro. Mas o ser humano - que pouco se respeita -, como vai respeitar uma outra espécie que julga ser muito inferior?

      Obrigada, amiga, por suas palavras carinhosas. Eu sabia que você iria gostar da foto.
      Beijo, meu carinho.

      Excluir
  10. Eu também gosto muito de cavalos e tenho tido a possibilidade de
    conviver de perto com alguns. Aliás eu gosto de todos os animais
    e considero que todos eles têm uma função.
    Gostei de ler o seu texto.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  11. Olá, Irene, por certo.
    Muito obrigada pela presença, volte sempre.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Olá, Taís! Obrigada pela sua presença em meu blog! Estive lendo seus posts e, parabenizo-a.
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Célia, sim, sou sua seguidora e vou me deter mais em seu blog.
      Obrigada por sua presença, também.
      Abraços.

      Excluir
  13. Tema que me fez lembrar a utilização dos cavalos em algumas situações da psicologia, como fobias, doenças mentais, tratamento de emoções como o medo, enfim...a equoterapia é uma maneira que alguns profissionais da saúde, em paralelo, atuam em benefício do sujeito, seja para sua reabilitação física, sócio- emocional, resumindo bem a questão, pq envolve outros animais como os cães que tb são extremamente importantes como meio afetivo para os pacientes.
    Eu, particularmente, há alguns anos não monto mais, (salto nem pensar, embora tenha convivido com primos que competiam e me encantasse... meu filho foi quem aprendeu adestramento, prova de laço e tambor) mas minha meninice foi nesse contexto saudável e, de todos os animais, os cavalos sempre me atraíram mais!

    Senti saudade desse tempo, bom lembrar, Tais!
    Bjos, amazona!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Denise, é verdade, em muitas doenças lançamos mão dos cavalos, a equoterapia. Nossa, só traz benefícios. Fantástico. Mas meu caso, faz muitos anos, amiga, pratiquei o hipismo durante toda a minha juventude. Foi ótimo em todos os sentidos, meus melhores amigos. Foi difícil deixá-los.

      Ótimo você aqui, meu carinho.

      Excluir
  14. Oi Tais,

    Aqui em Brasília, ou melhor, no entorno e nas cidades satélites, é comum o trabalho dos carroceiros, que ganham o pão oferecendo serviços variados,recolhendo entulhos de construção, cortes de árvores etc. Claro toda profissão é digna e merece respeito, e ainda mais agora que é resguardada por leis que alem de punir nas infrações, determinam o bom uso dessa prática evitando maiores danos ao condutor da carroça, ao cavalo e à toda população.
    Quanto ao sofrimento dos cavalos, este depende diretamente do seu dono ou tratador, e se não respeita as leis é triste. Vejo coisas terríveis. Sobrepeso na carga, velocidade,e chicotadas, essas me doem na alma. Dá vontade de parar a carroça,quando se escuta o barulho delas no dorso do pobre animal, sob o sol quente. E e saber que eles não podem se defender é demais pra mim.
    Gostei muito da crônica que não deixa de ser um alerta.
    Gostei da sua performance na foto. Linda. Bjs.
    Muito obrigada pelos seus comentários lá no Expresso. Você é muito bem vinda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lourdinha, nem me fale em carroças... O problema dos cavalos são os homens e a sua falta de respeito somando com a crueldade. Doentes, pra dizer melhor.
      Beijos, amiga!

      Excluir
  15. Limerique

    Há dias simples sem mérito qualquer
    Há outros para o que der e vier
    Porém há um especial
    Maior que todos afinal
    Hoje, oito de março, dia da mulher.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindo 'Limerique' pela passagem do 8 de Março!
      Adorei, obrigada, Jair.
      Abraço.

      Excluir
  16. Taís, sempre tive um pé atrás com respeito ao adestramento de animais, tanta barbaridade vemos por aí. É certo que existem inúmeros métodos para isso, mas, infelizmente, ainda se usa de violência. Não posso falar nada com relação aos cavalos, nunca vi ou li algo sobre isso, quero crer que nenhuma crueldade seja cometida. É muito bom ver animal com seu próprio comportamento, sem condicionamentos estabelecidos.

    Feliz Dia da Mulher!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Néia, os animais, para viverem com o homem, sejam cães, cavalos, gatos... precisam ser adestrados, ensinados. Imagine os cães ferozes sem adestramento. E assim mesmo o homem consegue deixa-los mais agressivos - vira o fio. Nós, também somos educados para o convívio em sociedade, e temos regras a obedecer. Se assim não fosse, estaríamos na Idade da Pedra, pois a agressividade faz parte da maior parte dos seres. O problema é ensinar com amor. Os animais nos fazem bem, é só trata-los com amor e respeito. Existe crueldade no adestramento dos cavalos, infelizmente. O grande problema somos nós...

      Beijos, amiga, pra você também um ótimo '8 de março'.

      Excluir
  17. Respostas
    1. Obrigada por sua visita, Fenix.
      Abraços.

      Excluir
  18. POde ate dizer que sou radical a esse respeito, mas tenho que concordar com um antigo jornalista e escritor de renome internacional (Pitigrilli) que ousou publicar em um jornal espanhol que " a Espanha merece voltar á Idade Média pela barbaridade das touradas" - isso vale para qualquer idiotice cruel disfarçada de "folclore" como a farra do boi e outras coisas do genero.
    Porque a ajuda ao proximo sem intereses não se torna uma tradição? Porque o combate sem treguas contra o crime e a corrupção não se tornam tradições?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está coberto de razão. Mas lhe respondo essas suas perguntas: quando se trata dos humanos, todas as barbáries são possíveis. Chego à conclusão que deveríamos ser adestrado pelos animais. Sim, do jeito que a coisa vai, só resta pensar assim...

      Excluir
  19. Tais, está certíssima em suas considerações. Animais só lutam pela sobrevivência e, quando domesticados, alegram-se por ter o que comer e amam seus donos. É o ser humano que age de forma equivocada, fruto de suas desmedidas ambições. E para isso nem levam em conta o sofrimento dos animais, quando utilizados para lhes dar "prazer". Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso, Marlene, o homem reclama virtudes e bons tratos para si, mas esquece que um animal aprende o que ensinamos na base do amor, da paciência e do respeito. O que lhes é negado, naturalmente...

      Beijos, amiga.

      Excluir
  20. Tais, não sei como deixei passar a foto. Agora, que li o comentário de seu marido, fiquei encantada. O animal de maior beleza, para mim, é o cavalo, mas não sei montar (kkk). Nunca convivi com eles. Tudo é belo no hipismo. Imagino que tenha, de fato, especiais recordações dessa época, que vejo como mágica. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que foto você deixou passar?
      Realmente foi uma época mágica, maravilhosa, com vários prêmios, inclusive um curso na Alemanha. Dois meses.
      Beijo!

      Excluir
  21. Iruí! Este deve ter sido muito feliz. Namoro, cavalos e essa vontade louca por manter esse relacionamento.
    Também eu cresci dentro do território de zebus e outros selvagens.
    Bjs e abraço.

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso