6 de novembro de 2016

UMA VIDA ATRAPALHADA



                           - Tais Luso
Filó, assim chamada, era uma vendedora de produtos de beleza. Mas além de espalhafatosa, tinha uma voz rouca e forte. Seus braços eram verdadeiras alegorias, quando ela se descontrolava. Quando surtava. Usava muito a expressão 'com certeza' para preencher o vazio que ficava no ar. Não possuía credibilidade para vender produtos de beleza, pois seus cabelos eram desgrenhados e sua pele era oleosa, o que delatava relaxamento. Pois é, a vida estava ficando difícil para Filó.
Aguentava-se do pouquinho do que tinha aplicado em Banco - na Poupança - e do Seguro desemprego. Mas gostava de conhecer coisas novas. E resolveram, um dia, ela e seu marido Astolfo visitarem o MARGS (Museu do Estado do Rio Grande do Sul).
E lá foram eles ver a exposição de Marc Chagall, mas sem terem a mínima noção quem era o artista, onde nasceu, como viveu. O mundo das artes não era o mundo deles. Mas como tudo tem um começo, iniciaram o tour pelo Museu.
Filó deslizava pelos salões olhando aquele mundo diferente. Balançava a cabeça como num ato de aprovação, como se estivesse entendendo as profundezas do artista. Achava tudo genial sem saber o porquê. E Astolfo quase indo às lágrimas,   concordava com o falso entusiasmo da sua mulher.
Lá pelas tantas, Filó perguntou a um grupo de visitantes:
- Cadê o Chagall, eu quero cumprimentá-lo!!
Que horror; era óbvio que todos olharam perplexos para a retardada criatura. De onde havia saído aquela mulher? Era a pergunta que percorria os salões.
Decepcionados por não terem conhecido Chagall, os dois ilustres visitantes foram embora. Mas visitaram outras exposições, gostavam dos ambientes requintados e cultos que envolviam as artes.
Outra, entre muitas visitas, foi numa conceituada Galeria, onde havia uma exposição de arte moderna. Lá estava o casal para o Vernissage, mas já aparentando melhor desenvoltura. Mais comedidos nos seus palpites e em suas manifestações. Mais discretos.
Dois garçons serviam um champanhe de boa safra e apetitosos canapés. Filó e Astolfo deram uma voltinha pelas salas, olhando com esmero os abstratos e discutindo o porquê dos traços, das cores e das pinceladas dramáticas vindas do inconsciente do artista. Após à visita, saíram à francesa. Uma bela noite, por certo.
Nessas inúmeras visitas foram pegando traquejo, informações e conhecimentos de um mundo até então desconhecido. E, por força das circunstâncias, aprenderam a se comportar melhor nessas ocasiões. Filó concluiu que se ficasse mais calada, passaria por uma connaisseur; sentia essa necessidade pela sua própria insegurança.
Através de um programa do governo, Filó conseguiu montar sua pequena empresa, a sonhada Coquetel em Artes, especializada em coquetéis para exposições e lançamentos literários - como constava no seu Folder.
Tornou-se mais traquejada no trato com as pessoas e seus braços ficaram mais comportados, gesticulava com parcimônia. E jamais cometeria novamente o deslize de querer conhecer pessoalmente Marc Chagall, artista nascido em Vitebsk, Bielorrússia , no ano de 1887.
Deu-se conta de que se fazia necessário, para o bom andamento da Coquetel em Artes, manter-se discreta.
Na vida, discrição é luxo.

________________________________________________




40 comentários:

  1. A última frase diz tudo!
    Relativamente à Arte ... eu gosto de ver que mesmo não gostando muito ... se consegue tecer um comentário!
    Bj amigo

    ResponderExcluir
  2. Que beleza e a vida ensinou a Filó, que pelo menos conseguiu aprender a lição e ainda assim, conseguiu sair-se bem, até uma empresa montou...Lindo e delicioso te ler! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Sendo observador apenas
    Como faz o esperto gaúcho
    Sem falar coisa pequenas.
    Na vida, discrição é luxo!

    ResponderExcluir
  4. Me encanta, amiga Tais, como remueves las grandes y pequeñas alegrías y penas de la vida.

    ResponderExcluir
  5. E de trapalhada em trapalhada... Filó conseguiu tornar sua vida mais orientada... pois sua nova empresa, terá sido um sucesso...
    É uma maravilha, sempre poder apreciar a sua criatividade, conjugada com um toque de humor nos seus textos, Tais!!! Astolfo?!?!?
    É que eu nunca tinha ouvido semelhante nome!... :-D Adorei!!!!
    Ainda bem que ela nem tentou fazer amizade com o Leonardo, do vinte... se calhar não deu com o número da porta...
    Uma grande verdade! Na vida, discrição... é tudo, mesmo!
    Beijos! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  6. Uma crónica excelente, Taís. Podemos tirar dela várias lições de vida. Começar por algum lado e ter o espírito aberto para a aprendizagem necessária, nem que seja só aprender a ser discreto...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Assim consegue-se empiricamente um 'vernizinho' cultural,
    aprendendo com erros e desvalorizando ou negligenciando
    o estudo, atitude suficiente para mentalidade de copeira.
    Mas a vida ensinou-lhe uma ótima lição - a discrição -
    que todos necessitamos, porque não somos enciclopédias...
    Gostei muito deste género de parábola...
    Beijinhos, querida amiga.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  8. Olá Taís, adorei a crônica. A Filó era uma figura, mas no fim, depois de muito aprendizado, venceu.
    Gostei também dos seus comentários no blog, obrigado.
    Nós adotamos o vegetarianismo, estamos nos dando bem. Carne só como exceção,e muito raramente. Um grande abraço, Loyde manda beijos!

    ResponderExcluir
  9. Amiga Tais, gosto da leveza das tuas cronicas, mesmo quando dissertas sobre temas assim não tão leves, pois o lápis - façamos de conta que não estamos na era digital - desliza com suavidade e elegância à medida que compões os personagens dos teus escritos. Muito bom! Um abraço. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  10. - Cadê o Chagall, eu quero cumprimentá-lo!!

    Esse é o tipo de gente que gosta de aparecer, de chamar a atenção, só que, de forma negativa.

    Realmente! Na vida discrição é luxo, mesmo sem nada custar.

    Beijos,

    Furtado

    ResponderExcluir
  11. Filó conseguiu não ser tão atrapalhada e deu a volta por cima,sendo uma empresária.
    Uma crônica que serve de lição para muitos.
    Adorei ler Taís.
    Bjs,obrigada pela visita e uma ótima semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  12. Tais
    Ao visita exposições de arte, sempre nos deparamos com alguém parecido com a Filó, que parece não se aperceber que, calado é o melhor modo de vir a saber estar no ambiente artistico.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Querida Taisamiga

    Alzira (segunda parte)
    Na sequência de pedidos diversos publica-se hoje a segunda parte da séria Alzira, que tem por título Alzira: vida e obras. Mais se informa que a série não deve ficar por aqui…
    Entretanto o mistério do feed continua sem solução, ainda que tudo esteja a ser feito para ultrapassar esta chatice. Desculpa, mas ela não é minha


    Henrique, o Leãozão

    ResponderExcluir
  14. Por lo menos aprendió, pues esto de ir a una exposición sin saber nada del personaje es ir como perdido por los pasillos como Filo.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  15. Oi Amiga, Taís Luso, boa noite !
    Já vi muitas "Filó" por este mundo afora.
    Logo são identificadas, por vezes, até...
    Um fraterno abraço, querida.

    ResponderExcluir
  16. Olá,...verdade, discrição é um luxo,a pessoa discreta sempre tem bom senso para falar e agir, principalmente em lugares públicos ,pessoas/ambientes que não temos muita familiaridade... claro, que não precisamos ser discretos em todas as situações da vida, ainda mais se este modo de agir for causador de uma plena liberdade interior. Porém, há de se ter serenidade e saber agir/falar , salvante o risco de cometer algumas "gafes", como ocorreu com Filó ( e Astolfo);Belos dias!

    ResponderExcluir
  17. Ah, querida amiga Taís, como gostei de sua crônica, já encontrei tantas e tantas Filós, que não podes imaginar.
    Temos ainda aqueles que parecem ter olhos nos dedos, gostam de tocar nas obras! Os que colam a cara nas telas, como se olhando bem de pertinho fossem entender o que não compreendem.
    Você é ótima em suas cronicas, mas se superou. Amei de montão :)
    beijinhos,
    Léah

    ResponderExcluir
  18. Ser discreta e observadora faz da pessoa um ser admirável. Ouvir e aprender são ações de inteligência emocional para uma boa performance...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  19. A discrição é essencial no tom da elegância de viver.
    E também a discrição acompanha a trilha sonora do
    silêncio (preciosa) neste mundo tão barulhento!...
    Uma ótima semana, querida.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  20. Taisinha, gostei muito dessa tua crônica, com o título de “ Uma vida atrapalhada”, com o destaque que dás a essa grande figura que é a Filó, personagem que foi criada por ti, fruto da tua vivência com as artes plásticas, em especial com as galerias (e aqui em Porto Alegre são tantas) nas quais são exibidas e comercializadas as obras, bem como nos muitos museus que frequentas, tais como o MARGS, o Fundação Iberê Camargo e tantos outros.
    Como sempre te vi observadora nesses locais, não apenas às pinturas e pintores, mas também aos frequentadores de locais tão distante do grande público (o que é uma pena, pois todos deveriam frequentá-los, pessoas de todas as idades, sem nenhuma discriminação).
    Não preciso dizer que ri muito com essa figura que criaste, a Filó, que ao longo da crônica vai aos poucos ficando íntima de nós, os leitores. Está excelente. Parabéns.
    Beiinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  21. Tais, desculpe o pouca prática que sou: gravei teu blog com o endereço "a vida não é brincadeira", e cada vez que eu copiava e colava, estava na mesma postagem. Eu inadvertidamente achava que nada mais havias escrito. Depois sem querer cliquei em algum lugar que mostrou o panorama... Desculpe-me! Mas já aprendi mais uma. Com referência a esta postagem, Tais, a Filó me foi uma grande cicerone a levar-me pela mão a meandros e nuanças desta arte que eu desconhecia. E meus parabéns e admiração pela robustez dos teus conhecimentos nesse campo, que realmente não é nada fácil - é cubismo, é Iluminismo, é realismo, acadêmico, surrealista, ingênuo, deve ter malicioso, arrogante... Você, realmente tem muitos anos de estrada nesse campo, pois desde que eu a conheço, já trilhavas nesse caminho. Parabéns. Através do sua Filó aprendi bastante. Abraços. Laerte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laerte, pegaste o endereço de um link , meu amigo! (rsss)
      O endereço do blog é:
      https://taisluso.blogspot.com (Crônicas e Poesias)

      Ou clica no meu nome, ao lado da minha fotinho que fica nos comentários do teu blog - vais dar no meu perfil, ali ficam meus 2 blogs para clicares.
      Minhas postagens são semanais.
      Obrigadíssima, adorei teus comentários, como sempre, FILÓ também agradece!
      Mil abçs!

      Excluir
  22. Hoje não vou só dar-te os parabéns, Tais, vou também bater palmas a essa Filó que procurou aprender aquilo que ninguém lhe ensinou, Há pessoas todas empertigadas que vão a exposições sem entenderem patavina só para mostrarem que são bem formadas e muitas vezes portam-se pouco melhor que a Filö. Dou muito valor a pessoas como ela. Agora vou contar aqui uma coisa muito engraçada; no Porto , no museu de Serralves está aberta ao publico uma exposição de Mirö. Conta-se como piada que uma professora levou a criançada para ver os quadros; pouco depois um rapazinho, olhando para um quadro cheio de riscos ( assim entendia ele ) disse para o colega : " olha, é melhor sairmos daqui, pois vão achar que fomos nóse ainda nos prendem" e correram para a saída,
    Tais, obrigada pela crónica interessante e que nos faz pensar que, se quisrrmos, omos capazes de tudo. Beijinhos
    Emilia

    ResponderExcluir
  23. Boa noite querida poeta...
    A cronica acima nos deixa um legado.
    Quanto mais agente amadurece, mais a opinião dos outros se torna irrelevante, quando desejamos novas mudanças, sejam ela pequenas ou grandes.
    Nós poderíamos ser muito melhores se não quiséssemos ser tão bons. Um bj seguido de um abraço aos demais membros deste lar.

    ResponderExcluir
  24. Que delicia de crônica e com muito aprendizado, provavelmente a partir de suas experiências e observações neste mundo das artes.

    ResponderExcluir
  25. Oi Tais,
    Gostei demais dessa crônica com personagem atrapalhada. Adoro as suas crônica.
    Que Deus abençoe sua família
    Beijos no coração
    Minicontista2

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde, querida Tais,as crônicas por si só já são espetaculares, porém as suas estão sempre à frente. Pelo que escreveu podemos perceber que a discrição nas pessoas sempre é bem- vinda, e em todas as situações. Fiquei feliz pela Filó ter aprendido a duras penas o valor do comportamento.Podemos chamá-la de vitoriosa, pois além de aprender, conseguiu ser dona de uma pequena empresa com o sugestivo nome: Coquetel das Artes. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  27. oi Tais, muito boa a tua crônica. Que pena, Filó era tão espontânea! rs Uma verdadeira pedra bruta e que foi sendo lapidada até se tornar moldada e refinada. Perde-se algo, para se poder ganhar. E saber encaixar-se nesse tabuleiro que é a vida, é primordial.

    beijinhos, amiga. =)

    ResponderExcluir
  28. Agora estou craque! Melhor que Neymar, só com o salário um pouquinho menor. É..., minha mulher me chama de cabeça dura por não dar ouvidos a ela... Porém agora, já me explicou tudo e já me largou sozinho por este mundo de Deus. Grato a ti também pelas dicas, Tais. A cada dia este guri vai ficando mais experto... Abraços. Laerte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (rsss) é bom ouvires mais a Sandra, as mulheres são mais detalhistas, mais atentas (rs)! Mas tem muito gente que salva o link (que comentaram) ao invés de salvarem o endereço do blog. Tem de voltar para o HOME.
      Mas com o tempo vais pegando as dobras e manobras da blogosfera, ainda mais que apareceram certas mudanças que estão deixando muito gente em dúvida, os tutoriais não estão sendo muito claros. Mas só pra ressalvar, teu blog está bombando, Laerte, Parabéns!
      Abraçosss!

      Excluir
  29. Boa noite Taís.
    Gostei da Filó rsrs. Mesmo dando alguns gafe não se intimidou, pelo contrário se aprofundou no assunto e ao final teve sucesso profissional. Ainda estou ausente mas virei as vezes. Um feliz fds para vocês. Abraços.

    ResponderExcluir
  30. O que vai de Filó's por esse mundo fora....!!
    Mas pelos vistos, não tinha nada de burra..., só desconhecimento
    no comportamento.....Mas aprendeu depressa..Do mal o menos...
    Gostei de mais esta crónica....
    Beijo

    ResponderExcluir
  31. Excelente história.
    Sim, na vida há que saber manter a discrição e vamos aprendendo com as quedas e gafes cometidas.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  32. Querida Tais:

    La prudencia cuando no se tienen conocimientos de una materia, es fundamental en la vida.
    Personajes como Filó con su espontaneidad, desparpajo y falta de discreción nos los encontramos en todos los ambientes.
    Una crónica llena de humor pero también llena de sabiduría.
    Un abrazo amiga.

    ResponderExcluir
  33. Tais,que delícia de leitura,confesso que as pitadas de humor me fizeram rir muito,tu és incrível amiga!Amei!

    ResponderExcluir
  34. Sin tiempo para leerte ahora, paso ahora a saludarte al regreso
    de mi viaje al Rio de la Plata a ver a mi familia de allá.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  35. Boa cronica Taís.
    A ilustração é maravilhosa.
    Filó existem muitas neste mundo e muitas nunca se tocarão e perderão toda chance de se elevar,
    Abraços.

    ResponderExcluir
  36. E eu acrescentaria: na vida quase tudo se aprende, por isso a importância de proporcionar diversas experiências educativas e culturais às crianças e jovens; só assim se preparam públicos para a fruição das artes.
    Adorei a crônica, asim como a anterior.
    BJ, Taís ☺

    ResponderExcluir
  37. Nunca gostei de artes, portanto só ia mesmo de diferente ao teatro. Não perdia uma peça quando morava numa metrópole.
    Uma vez dei uma gafe porque teatro você tem que ter um entendimento bem a frente dos autores. Todos riram e eu não achei graça. De repente comecei a rir(imagina que era a protagonista). Aí Dercy Gonçalves, olhou para mim e disse: pensa que não tenho tetas e arrancou aquelas duas pelanca para fora, aí sim que me deu uma crise de riso que contagiou muita gente. Saí do teatro, peguei o carro e fui embora rindo.Ai, cada uma que já aprontei.

    ResponderExcluir
  38. Felices fiestas
    Gracias por tus visitas en mi blog es mucho de agradecer.
    Besos

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso