28 de abril de 2013

SONHO OU PESADELO?




             - Tais Luso de Carvalho      (Conto)    

'Precisa-se de cozinheira para residência. Exige-se referências. Paga-se salário + todos os direitos. Tratar fone …'

Este foi o anúncio colocado por Carol nos classificados de domingo à procura de uma cozinheira. Apresentaram-se várias pessoas. Porém, uma delas se destacou das demais: Simone, 30 anos, educada, boa aparência e ótima de prosa.

Esse seria o seu primeiro emprego. Contou - à Carol - que sempre trabalhou em casa, cozinhava para a família e fazia congelados para a vizinhança. Com este trabalho e com a ajuda do marido conseguiu comprar seu carro. Mas, agora, queria sair um pouco de casa...

Feito!! Era tudo que essa patroa sonhara: empregada jovem, sem vícios trazidos de outros empregos e com carro! Muito chique. Que inveja não causaria na vizinhança!
Contratada.

Tudo estava indo bem demais. Após um mês de trabalho a empregada já era considerada da família: prestativa, educada, incansável. Pô... que sonho!

Um mês foi o suficiente para que a empregada conhecesse os hábitos da família e as firulas da casa. Tudo era muito organizado: uma vez por semana, no mesmo horário, patroa e empregada faziam o mesmo trajeto rumo ao supermercado, e com o carro da empregada,  – já que a patroa era meio deitada...

Certo dia, as coisas não aconteceram como a patroa esperava. Após algumas quadras percorridas, o carro parou. Simone acenou para um táxi que já estava, vindo quase encostado. Abriu a porta de trás e com amabilidade conduziu a patroa. Carol sentou-se, mas com pouco conforto, meio espremida entre caixas e sacos de estopa sujos e esquisitos, atrás do banco do motorista, parecendo guardar algo volumoso e disforme. A empregada sentou-se na frente.

O táxi já havia percorrido alguns quilômetros e num rumo desconhecido de Carol – que já havia percebido uma certa intimidade entre a empregada e o taxista. Daí, brotaram as perguntas e desconfianças de Carol.

Impaciente com a patroa, a empregada não fez rodeios: anunciou-lhe o sequestro. Carol, tomada pelo pânico tentou abrir a porta, mas sentiu, naquele momento, uma mão forte e fria agarrar seu braço, e no seu ventre o fio ameaçador de uma navalha policiando-lhe cada suspiro. O enorme saco, disforme e estranho, revelara-se. Parecia algo surrealista: silencioso e brutal.

Coração descompassado, terror, suor, dúvidas, desamparo... Sensação estúpida de impotência.

Sete horas da manhã: toca o relógio. Outro dia amanhecendo...

Colchão urinado, respiração ofegante... Carol achega-se ao peito do marido e chora compulsivamente. Surpreso e atônito, em meio ao colchão molhado, o homem não conseguia entender nada. Sentia, apenas, viver uma cena tragicômica. Meio surreal.

E só conseguiu despertar quando Carol balbuciou, aos prantos, sua decisão, irrevogável, de não querer mais empregadas dentro de casa. O marido continuou não entendendo.

Acariciando os cabelos da mulher, e ainda não entendendo o fio da história, mesmo assim concordou com a decisão. 

Pulou da cama, e contente com a boa nova da mulher, com os olhos parecendo dois cifrões, beijou-lhe a face e sem querer aprofundar-se na história, foi para o banho. E lá, sozinho em sintonia com o sua consciência e com seu caráter, e ainda ouvindo os soluços da mulher, pensou:

– Caramba! Que neurose... mas isso é coisa que não se discute: decidiu? decidido está!
E continuou se ensaboando e cantando alegremente sua canção favorita:

                'ESSE CARA SOU EU...'



19 comentários:

  1. rsssssssss.... Que maravilha!! Adorei o enredo todo, o final genial.. Muito bem escrito. beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. A thrilling story, Tais!! Nice!

    ResponderExcluir
  3. Limerique

    Empregada, questão de privacidade
    Sua presença limita a liberdade
    Mesmo sendo estrelas
    Então melhor não tê-las
    Por princípio ou por simplicidade.

    ResponderExcluir
  4. Hoje em dia manter uma empregada é realmente um pesadelo...rs
    Adorei o seu texto, Tais
    Tenha uma abençoada semana, querida
    Abraços e o nosso carinho
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  5. Oi Taís,

    Passando para deixar-te um abraço e me deliciar com sua crônica.

    Infelizmente o medo nos ronda a ponto de tomarmos uma atitude como a da sua amiga! Já não sabemos mais em quem confiar e até s sonhos nos atordoam!

    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir
  6. Tais, que pavor!

    Hoje em dia não dá pra confiar na carinha bonitinha... Quando a oferta é demais, melhor desconfiar! Mas que bom que era apenas um pesadelo... Acho que eu também desistiria das empregadas depois de um susto desses! rsrsrs

    Adorei aquele "sem querer aprofundar-se na história", tipicamente masculino. E a mulher, três horas depois ainda em prantos, tipicamente feminino! rsrsrs

    Delícia de conto, parabéns! Amei ler. Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Maravilha, Tais! Vi em seus comentários anteriores que às vezes arrisca um conto. Que bem contado!
    Infelizmente confiamos demais nas pessoas. Por trás de tanta perfeição havia uma imperfeição que superaria qualquer vício de outros serviços e qualquer trabalhinho mal feito. Ao menos era um sonho! E que também serviu como um alerta. Em quem estamos colocando nossa valiosíssima confiança?

    Beijo, adorei!

    ResponderExcluir
  8. Dia desses ouvi que estava se transformando em pesadelo encontrar uma pessoa de confiança dentro de casa, cuidando do que temos de mais precioso, desde a alimentação (que perigo...) até cuidados com crianças...na minha família temos sorte em contar com a permanência por muitos anos das mesmas pessoas, isso é um sonho!

    Tb nos contos vc é danada de boa com as palavras, a começar pelos títulos, que "chamam" a gente...gostei desse tb!

    Beijo, Tais, boa semana!

    ResponderExcluir
  9. Quando se ama..........?!
    ....................
    Mas há realidades, que parecem ficção...
    Boa semana
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Tais, as patroas já andam em pânico com os novos direitos das empregadas e você ainda vem com um conto apavorante desse! Brincadeira, achei ótimo, rsrs.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Manuel Ambrósio dos Santos08:38

    Blog está muito bom. Na minha opinião deves continuar, a trabalhar nele muita força Tais Luso...

    ResponderExcluir
  12. Olá Tais
    Adorei o seu blog, vez ou outra sempre dou uma passadinha.
    Seus escritos são muito bons, parabéns!!
    Leila Bomfim
    leilabomfim.blogspot.com
    Um abraço

    ResponderExcluir
  13. Que bom que foi um sonho pesadelo, melhor que um pesadelo real. Infelizmente, esse mundo é uma loteria. Temos de ter sorte para viver em paz. Ótima crônica, Tais. Um ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  14. Po Thais! Me amarrei... eu realmente pensei que ela estava sendo sequestrada... até falar do peito do marido... inclusive eu pensei que o colchão era o que ela estava deitada na casa do sequestro!
    Muito bom! hahaha...

    ResponderExcluir
  15. Inclusive... eu tenho mania sonhar com o seriado que eu estou assistindo!!! Às vezes é bom... um sonho tranquilo... Agora estou assistindo um chamado Touch! Minha mãe teve que me acordar ontem! Eu estava tendo um pesadelo terrível... com um assassino do seriado me procurando pra me matar! Toda uma confusão!

    ResponderExcluir
  16. Tem uma amiga minha que vai adorar!

    ResponderExcluir
  17. Ainda bem que era apenas um sonho, mas às vezes são bem insuportáveis.
    Está muito bem escrito. Gostei.
    Desejo que esteja bem.
    Bom fim de semana.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  18. Eu não contratava uma empregada dessa nunca, ainda mais cedo casada!! Amei a história e parabéns pelo seu blog, gostei muito dele e já estou te seguindo.
    Abraços.Sandra

    ResponderExcluir
  19. Ótima Conto Taís. Um reflexo dos dias atuais, onde a confiança é algo raro entre as pessoas, tive mesmo a impressão de se tratar de um sequestro e já imaginava onde iria chegar. Daí veio a surpresa boa, me prendeu. Parabéns.
    bjs.

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso