20 de novembro de 2014

HOMEM E MULHER: ALGUMAS DIFERENÇAS


          - Tais Luso de Carvalho

Amizade entre mulheres é muito diferente da amizade entre homens. Homem sai junto pra ir ao futebol, jogar tênis, assistir a uma Fórmula 1, beber litros de alguma coisa que no excesso leva ao coma. O assunto preferido entre nove em dez homens é mulher! Salvo se falarem sobre cinema, literatura, viagens e esporte. Sim, indivíduos evoluídos.

Mulher? Mulher é conhecida por convidar (sempre) a amiga para ir no banheiro do restaurante. É um grude. Lá, arrumam os cabelos, passam um batonzinho, dão palpite na roupa, etc. Trocam, também livros, CDs e são capazes de emprestarem até a bolsinha preferida, mesmo que seja uma Louis Vuitton. Vão juntas ao parquinho – com a criançada –, aulas de arte, teatro, cinema ou alguma palestra interessante de algum guru.

- Adorei esse seu esmalte! Sentou com o tom de sua pele...
Pronto, agradou a amiga. Quase sempre existe a troca de gentilezas. É uma amizade mais delicada.

Mulher vai ao hospital visitar a sogra e se oferece para acompanhá-la um turno; homem vai ao hospital só carregado, e de mau humor. Mas passa por cordial. Foi; acertou as pontas com a sogra... Mas, fica louco para pôr o pé na estrada e voltar para ver o Grenal, mesmo com a sogra a perigo.

Mulher quando termina o namoro, tem a solidariedade da amiga, choram juntas. Uma aconselha a outra e tenta deixar tudo na melhor situação, levando até uma flor como esperança de uma vida melhor. O  homem já vai soltando sua frase de efeito:

– Pô, cara, deixa de ser veado, parte pra outra, tá sobrando mulher no pedaço!

E tenta arranjar uma 'amiguinha' pro companheiro  sair do pranto. Uma diversão.

Mulher adora Natal, se esborracha em colocar rendas na mesa, enfeites pela casa, cuida do infeliz peru, sobremesa, guarnições, guardanapos e presentes pra turma inteira. 

Homem se encarrega apenas da bebida para encher a cara enquanto aguarda o término da festa para dormir. O bom é o Ano Novo, quando o protagonista é o churrasco, a caipirinha e litros de cerveja a compartilhar. E vestindo um bermudão –  dois números acima – e chinelo havaiana. Quando não puxa uma sandália franciscana pra lá de medonha. Homem é natureba, nada pode atrapalhar e nem apertar, entenderam? 


O que chama mais minha atenção no quesito estética, atualmente, é o desequilíbrio  do visualmente  num casal: a mulher quando veste  uma jeans justa, blusinha legal e salto 20, ali, no equilíbrio e toda coquete, o homem, sai num bermudão enorme, camisa velha e um tenizão.  Tudo muito à vontade.


Mulher recebe as amigas com beijinhos, fricotes e elogios; homem recebe os amigos com um sanacão nas costas pra não deixar dúvidas da sua hombridade. 

– E daí, canastrão, como tá essa força?

Ao oferecer o churrasco aos convivas, corta lascas com um negócio que mais parece uma adaga. Sujeito viril, macho – devem pensar os convidados... 
Mas encanta a todos e mostra sua destreza com aquela arma degoladora. Enquanto isso a mulher oferece saladinha de tomate com rodelas em flor e um galinho de arruda. Um mimo. Olhem a diferença!

Mas todas as festinhas ficam ótimas quando aparecem a bela e a fera, caso contrário não veríamos as diferenças do agir de um homem e de uma mulher.
A natureza dá uma equilibrada pra não ficar tudo tipo Mariazinha ou tudo a lá Paulão.

Mas digo: Aquela coisa de que homem não chora... é triste; seria ótimo se os homens deixassem florescer mais a sua sensibilidade. Não é dengo. Emociona,  porque quando homem chora...  a dor é grande demais, principalmente a dor na alma. E choramos juntos...


Mãe ainda educa o filho pra ser bagual; mas, com o passar dos anos cobra sensibilidade.

Vá entender...





33 comentários:

  1. Credo Taís, eu me senti "macha" agora! huahuahuahau!
    Não tenho essas delicadezas todas, embora a sociedade praticamente nos obrigue. Tanto que tenho colegas, mas não amigas no mundo dos blogs que falem só em looks do dia, unhas, makes...
    Posso até ler uma coisa ou outra, mas logo me enche o saco. E quando elas vem ao meu blog, oferecem tags do gênero e sinto a necessidade de retribuir, vejo que fico tão perdida quanto os blogueiros.
    Minha solidariedade com amiga num término de relacionamento é chamar o indíviduo de ex-goto, ex-cremento e por aí vai, elas acabam dando é muita risada de mim.
    Acho que sou a palhaça, meio anjo, sem sexo, da turma toda.
    E adooooro encher a cara. ODEIO hospitais (só vou se eu ou alguém estiver morrendo), adoro futebol, ODEIO banheiros públicos, não empresto nada para ninguém e minhas conversas com amigas mais íntimas sempre acaba caindo em cunho sexual.
    É. Acho que não sou uma mulher normal ou pelo menos, a típica que a sociedade padronizou.
    Mas sei me despedir com feminilidade, então...
    Beijos amiga querida (embora eu não beije nem abrace ninguém na prática, hahahaha).

    Nota: Acho estranho como as pessoas têm expectativas e exijam tanto de mim neste quesito, achei a crônica super interessante por não me ver nela e em algumas ocasiões ser obrigada a "me padronizar" desse exato jeito que descreveu. Mas logo a máscara cai, porque sou muito estabanada. rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, MI; não digo que somos frágeis Luluzinhas, mas há uma diferença acentuada nos relacionamentos de amizade entre mulheres e entre os homens. Geralmente as mulheres se abraçam, se enroscam ao caminharem num shopping quando estão passeando pelas vitrines. Se alguma chora, a amiga abraça, cuida. É um contato diferente, até um pouco físico ao tentar tirar a amiga da tristeza. Foi sobre isso que falei.
      Não há muita delicadeza entre os homens, há respeito e medo de serem confundidos... Um tal abraço de despedida meio bagual rsss; um tapa nas costas meio demolidor. Homem é delicado com mulher. Mulher é delicada com mulher e com homem.

      Beijo grande, querida amiga!

      Excluir
    2. Taís, eu entendi sim o que tu quis dizer, é que como eu não tenho hábitos muito, digamos, tipicamente femininos, aí eu brinco que eu sou meio "macha". Povo brinca que não sou nada "lady". Mas é tudo zuera e eu sou muito zuada com as amigas, acho que sou mais a palhaça mesmo do que a amiga cordial. Mas é o jeito que cada uma tem de se expressar (eu ri demais da descrição que tu deu dos caras mal acabados hahahahaha) e quanto às mães que educam filhos machistas, acho bem triste, porque elas seguem o modelo patriarcal e, quando é tarde, caem em si que criaram "um monstro". Acho que isso de homem não chorar tão absurdo, afinal, todo ser humano chora.
      Só para constar, adoro teus comentários lá na Coluna, são sempre super sóbrios e lúcidos. O do último post tu arrasou!
      Beijos e linda sexta.

      Excluir
  2. Creo querida Tais que las diferencias entre el comportamiento masculino y femenino es más bien de orden cultural. A los hombres, en las familias, se les ha educado para realizar diferentes tareas físicas o intelectuales, menospreciando las de tipo afectivo y eso les ha recubierto de una especie de caparazón que les ha hecho insensibles en la parte de las relaciones afectivas.

    Creo que somos iguales pero tenemos, o le damos importancia a intereses diferentes

    Como siempre nos haces reflexionar con tus interesantes entradas.

    Un fuerte abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, Amélia, concordo com tudo. Os homens foram educados para tarefas físicas e intelectuais, porém não foram educados o suficiente para sentimentos. Por aqui sempre se disse que homem não chora, tem de ser forte! Olhe o absurdo. Por que os homens não podem extravasar seus sentimentos?? Têm medo de quê?? Assim foram educados, amiga! Penso que novas gerações conseguirão arrumar isso.
      Grande abraço além-mar!

      Excluir
  3. Nó somos de Vênus querida... Somos belas, sensíveis, deusas...
    Eles são marcianos e avessos.

    Contudo se completam, essa é a magia da vida!

    Bom texto o seu e muito divertido de se ler.
    Beijão com saudade!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lu, será que um mundo só pra nós e outro pra eles daria certo? Falo deles, da diferenças, mas que graça teria o mundo sem eles? rss
      Beijão, LU!

      Excluir
  4. Taís, mais uma vez adorei te ler . E viva as diferenças...Imagina se tivéssemos homens exatamente iguais à nós? Que tédio! Não teríamos nem como fofocar deles ,rs beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rss, é o que eu disse pro Andrade. Chica, precisamos deles, mesmo que pra fofocar!
      Um beijão!!

      Excluir
  5. .........um bocadinho ficcionado mas , tudo bem..
    E ainda bem que o homem só pensa em mulher.
    Que seriamos nós sem elas...., aiiii........
    Adoro mulher.....e vivam as diferenças.
    Bfs
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sabia que ao aparecer um de vocês iria achar que não é bem assim...rssss
      Claro!! Vivam as diferenças pra dar o equilíbrio. Acho que se fôssemos todos iguais tudo ficaria muito 'nhenhenhe'. Mas amigo Andrade... concorda, aí!!!
      Grande abraço!

      Excluir
  6. Taisamiga

    Já saiu o Crónicas das minhas teclas e até já tenho o primeiro exemplar. Estou feliz; depois da trabalheira e confusões, o parto foi sem dor…

    Qjs & abç ao Pedro e agradece-lhe a gentileza.

    Já saiu o Crónicas das minhas teclas e até já tenho o primeiro exemplar. Estou feliz; depois da trabalheira e confusões, o parto foi sem dor…

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Henrique, fico feliz pelo parto sem dor, e desejo que as vendas superem tua expectativa. Tenho certeza que sim, pois um jornalista do teu quilate, só pode colher ótimos frutos. O convite para o 'Crônicas das minhas teclas' está na coluna ao lado.
      Beijos, Sucesso!

      Excluir
  7. Oi, Taís... e tem o fim da festa... que sobra pra mulher limpar ou delegar pra sua funcionária, mulher, a faxina de tudo... colocar tudo em ordem... polir os metais... etc e tal... e os "homens" de ressaca emborcados no sofá, ou numa rede a bel prazer... Olhe, devo confessar que prefiro a objetividade masculina que "as nossas fofocas"... Dá um trabalho... menina!? [... risos...]
    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toda a vida a objetividade deles. Comem, dormem e roncam. E nós tomamos conta de ressuscitar a casa. Pra fofoca tem hora. Aliás, nem precisa ser homem pra entrar na fofoca, basta algo vivo! rsss
      Célia, o que já morri nesses festas de fim de ano você nem imagina! Cada festa morro bons anos...
      Beijão!!!

      Excluir
  8. É como você disse, Tais, o equilíbrio funciona e garante o andar da carruagem, mas o diferente encanta! Belo poder notar o contraste e as diferenças, mas sobretudo como lidamos com elas há tempos e tempos...
    Bom final de semana, abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luria é, o diferente quebra a monotonia; nós temos nossos defeitos, falamos o dobro, muitas vezes mulher é insuportável rsss. E eles, muitas vezes falam de menos, omitem coisas que seriam muito interessante e evitaria desentendimentos. Mas enfim, disso jamais escaparemos. São duas almas e duas cabeças muito diferentes. Salvo quando se completam.
      Beijo! Muito obrigada pelo seu comentário.

      Excluir
  9. Você descreveu com muita fidelidade essas diferenças...Hahaha a bermuda dois números acima (e caindo abaixo do umbigo) é bem real.
    Taís, beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu não disse tudo!!! Mas são dois mundos diferentes, e pensando bem, um completa o outro; pra equilibrar a tal bermuda horrorosa (não sei quem inventou essa tragédia), a mulher aumentou 20 cm na altura... Bota sacrifício nisso...
      Beijão, Shirley!!

      Excluir
  10. Poxa! Mulher é tudo isso, Tais?! Legal! E homem, que perfil medonho!!!! Sou tão assim não! Rs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsss, claro que mulher é assim, você não sabia? Olha, os homens aqui do sul são mais ou menos assim, claro que tem suas variantes... uns pra pior e outros pra melhor! Mas na essência são tri de boa gente! Fica gel...
      bjus!

      Excluir
  11. Tais, você me fez rir porque, na maioria das vezes, é isso que acontece. O bermudão que mencionou é peça chave para os homens e nos horrorizam. O pior de tudo é que nós, mulheres, somos um pouco culpadas pelo comportamento deles, principalmente quanto ao machismo e à não demonstração de sensibilidade. Permitimos que os pais (de outra geração) lhes passem esses equivocados e lamentáveis conceitos. Mas tenho observado que há diferenças consideráveis na maneira de agir dos homens, se os comparamos com os dos demais estados. O mineiro é como você descreveu (rss), mas os paulistas se portam de forma diversa. Pode ser que tenham mudado, mas nos muitos anos que morei em São Paulo vi mulheres na churrasqueira e homens cuidando das crianças e oferecendo saladas (kkk).
    Ainda bem que, mesmo que nos frustrem, vez ou outra, são adoráveis companheiros e pais, quando se acerta na escolha. Grande beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (rsss), mas toda a vida os adoráveis companheiros e suas bermudas voadoras! Só conheço dois homens que não usam esse tipo de roupa: meu marido e filho. Meu filho usa do tamanho certo, fica legal. Meu marido não usa; não gosta, rs é uma dádiva!
      Isso que falei de homem 'não chorar' é de cortar o coração. Lágrimas permitem que o sofrimento escoe. E muitas mães foram castradoras. Enfim, no andar tudo se ajeita.
      Beijão!

      Excluir
  12. OI TAÍS!
    POIS É, TUDO CERTINHO A NÃO SER O FATO DE QUE ESSES "MENINOS", FORAM CRIADOS POR UMA MULHER NÉ? RSRSRSR
    AINDA BEM QUE, FORA O BERMUDÃO, NO RESTO A GENTE SE ACOMODA E TUDO ACABA DANDO CERTO.
    MUITO LEGAL TEU TEXTO, COMO SEMPRE.
    ABRÇS


    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, algumas coisas já evoluíram, os homens já dividem as tarefas, o que é algo fenomenal. E cozinham melhor do que nós, pois quando cozinham, só cozinham; aí sai coisa boa. Mas acredito que as coisas sempre tendem a melhorar. Na medida em que vão ficando menos machistas, é só lucro. E muito depende da criação das "mãezinhas...".

      Beijos!

      Excluir
  13. Querida Tais, muito divertido e muito real tua crônica, chegando ao final tu escreveste meu comentário: " Mãe ainda educa o filho pra ser bagual; mas, com o passar dos anos cobra sensibilidade.
    Vá entender..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jair, rss, pois é, meio difícil de entender, há certas contradições. Mas a culpa é nossa, das mães. Homem não chora, homem tem de ser forte e outras bobagens... como se isso fizesse alguém completo, íntegro e correto.
      Grande abraço, amigo, obrigada pela tua presença sempre querida.

      Excluir
  14. Oi Taís,

    Adorei o humor da crônica. Você conseguiu fazer uma distinção perfeita entre homens e mulheres. Até lembrei do meu marido me pedindo para soltar os elásticos das calças dos seus pijamas à alegação de que estavam apertando e incomodando-rs.
    É verdade que os pais criam os filhos para serem durões. "Homem não chora" é uma frase que lhes é ditada desde crianças. Mas quando um homem chora toca profundo em nós, pois sentimos que ele teve que vencer a barreira do preconceito para deixar sua alma extravasar sua dor através das lágrimas. Já vi meu marido chorar por três vezes durante nossa convivência de mais de 25 anos e confesso que fiquei altamente incomodada e emocionada, pois foi em momentos de grandes perdas para ele. (Sem contar que numa delas eu havia passado mal e desmaiado e ele pensou que eu havia morrido. Quando abri os olhos ele estava em prantos, desnorteado e sem saber o que fazer. Fui eu quem tive que acalmá-lo).

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E não desfiei todo o rosário, Vera! Daria uns 3 metros de crônica. São assim, os adoráveis trapalhões! Ainda bem que o meu não usa bermuda e nem sandália, rsss.
      Também quase morro quando vejo homem chorar. Nós choramos até por uma barata, que não matamos. Mas falando em você, que prova essa do teu marido, heim guria? Deves estar toda prosa... De vez em quando é bom dar umas morridas e ressuscitar! rs.
      Grande beijo!!

      Excluir
  15. Boa tarde, Tais. Certamente as diferenças existem e elas são necessárias, só penso que elas tem de ser dosadas, isso sim.
    Não vejo a necessidade da mulher estar super se o homem estiver simples, pode até constranger, mas também não podemos nos equiparar a falta de vaidade da maioria dos homens.
    O que mais me chamou a atenção foram dois tópicos:

    "Mãe ainda educa o filho pra ser bagual; mas, com o passar dos anos cobra sensibilidade.
    Vá entender..."

    -------------------------------
    "
    seria ótimo se os homens deixassem florescer mais a sua sensibilidade. Não é dengo. Emociona, porque quando homem chora... a dor é grande demais, principalmente a dor na alma. E choramos juntos..."


    Estes dois tópicos somente mostram que ainda vivemos em uma sociedade muito machista e que por mais que digam o contrário, muitas mulheres possuem esse tipo de pensamento.
    Não tem como cobrar do homem algo que não foi ensinado a ele, a sensibilidade.
    Se educa-se um filho para ser firme em seus valores, tudo bem, mas se isso chega a se confundir com o machismo é total falta de sabedoria.
    Os homens dever ter firmeza e posicionamento na vida, assim como as mulheres.
    Chorar faz parte da alma humana, que existe para expressar os seus sentimentos.
    Bobagem é atribuir títulos ao homem de menos valia porque este chora.
    Somos ou deveríamos ser todos seres sensíveis.
    Certamente o mundo estaria bem melhor com todas as diferenças existentes nele, não haveria uma disputa clara ou vez em quando velada, nem a sensação de que um é melhor do que o outro, pois isso é uma falácia.
    Parabéns pelo texto.
    Tenha uma semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia, comungamos do mesmo pensamento, vivemos numa sociedade machista, doente demais. Quando se faz o bem, o troco sempre vem de maneira errada. Não entendo mais nada. E não entendo, também, quando alguém me diz que fomos feitos á imagem e semelhança de Deus. Alguma coisa está errada...
      Beijos, uma linda semana!

      Excluir
  16. Boa noite querida Tais.. ou melhor fria noite né rsrs
    as diferenças são muitas.. o começo que falas do convite de sempre de ir ao banheiro srsrs
    esse é sagrado né.. sempre que se está em algum lugar.. tem de ir desta maneira rsrs
    o homem é complicado...
    aqueles mijátórios de louça lá... sem chance srsrs
    vai que se encontrar algum baitola ..
    hj em dia tá complicado..
    pq tá todo mundo compartilhando da mesma fruta quase rsrs
    olha o fim chegando né..
    sobre as conversas é bem aquilo mesmo..
    não sou mais tão presente..
    mas tem que ter paciencia pra papo de futebol e bunda né..
    pq a mulher a maioria vê só isso..
    imagina eu falar que vejo uma pureza nas unhas das mesmas..
    e olho e falo mesmo rsrs
    a mulher tem muitas qualidades...
    e o homem sempre batendo na mesma tecla;;
    homem e mulher são perfeitos juntos.. compartilhando..
    não juntos no mesmo sexo.. dai só sai pano pra roupa...
    putssss levei um baita susto..
    oito da noite e me passa a Maria Fumaça aqui..
    e adivinha onde ela apita..
    na frente aqui de casa srsrsr
    turista é foda rsrs
    eles e os frios que eu daria de presente a outros rsrs
    beijos e feliz noite. até sempre doce amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rssss, que as diferenças são gritantes não há dúvidas!! Meu marido ontem assistiu o jogo do Inter X Tigres, narrado pelo Galvão! Santa Aparecida, mas que gritaria era aquela do Galvão?? Todo mundo viu aquela bola entrar na rede, por que o cara grita tanto? E parece que os homens adoram, vibram com o cara!! São essas diferenças que fazem a grande diferença! Eu, pelo menos, detesto.
      Imagino a Maria Fumaça apitando na frente da sua casa... não reclame! rss
      Beijos, querido amigo.

      Excluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso