25 de setembro de 2014

O MENINO DE RUA QUE PEDIA UM LIVRO



              - Tais luso de Carvalho

Nem sempre assisto ao programa Fantástico, da Rede Globo. Mas no domingo, 14 de setembro, assisti a um quadro e me emocionei. Era de uma criança  que fingia ser um menino pobre e de rua, que abordava várias pessoas defronte a uma livraria e ali pedia a elas se podiam comprar-lhe um livro. Naturalmente uns passavam sem dar bola para a criança, mas outros se surpreendiam tanto com o pedido que entravam com o menino na livraria para que ele escolhesse um livro. Para uns, o menino dizia que não sabia ler, então as pessoas sentavam com ele e liam alguma história. Realmente isso nunca foi uma paisagem do nosso dia a dia, não se vê.

Confesso que não consegui segurar algumas lágrimas, mesmo sabendo que era uma simulação. Mas me emocionei por ver que a ajuda partia de pessoas comuns, que se compadeciam, que se espantavam. E que se doavam. E esses, quando abordados pelo repórter do Fantástico, se surpreendiam e apoiavam a campanha. Ou a crítica.

Geralmente, os excluídos e abandonados pedem outras coisas. Mas emoção é como bocejo, um contagia o outro. A emoção da rua veio para nossas casas, ao nosso encontro, por todo o país.

Oxalá que os candidatos atuais aos cargos para Deputado Estadual, Federal, Governador, Senador e à Presidência da República, se comovam com coisas semelhantes. Enquanto não derem a devida atenção para a educação e para as escolas caindo aos pedaços, nosso país vai ser isso que está aí, um caos.

Pois é, será que os candidatos viram o programa? Não bateu uma emoção e uma vontade de virar o quadro em que se encontra o nosso país?

É triste constatar que aqueles que têm a faca e o queijo na mão, os que têm o poder para virar a situação do país, pouco se lixam, não estão nem aí; o negócio morre no papel. O que mais vemos e ouvimos é o desvio de verbas e a farra com o dinheiro público. E tudo vira um circo.

E o dia 5 de outubro está chegando e eu não consigo me decidir em quem votar. 
Qual será a razão???



20 comentários:

  1. Tais do céu, que blogada sensacional minha amiga?! Você não imagina minha emoção ao ler seu texto e depois assistir ao vídeo.
    Curioso como as pessoas assustam quando um menino de rua pede um LIVRO! Eles não acreditam e perguntam de novo... Coisa linda de apreciar. Oxalá nossos governantes tivessem o coração desse povo brasileiro que é aguerrido, sofrido e que tem muita vontade de ajudar o próximo. E como a educação é a base de tudo...

    Gostei tanto da sua postagem que gostaria de levar por Coluna da Lu, posso?? Lógico colocando todos os seus créditos.
    Fico no aguardo.
    Fiquei com lágrimas no olhos... lindo demais

    beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, LU!! Pode, amiga, sinto-me lisonjeada e agradeço!
      Sabe... ao rever o vídeo, chorei novamente, é emocionante, meio desconcertante essa história. Não estamos acostumados a isso, a reação das pessoas, alguns descasos também. O menino sem futuro... tudo é difícil de aguentar.

      Um beijão, Lu, meu carinho pra você!

      Excluir
    2. Ohh, obrigada querida!
      Posto logo mais...

      Certamente é uma história desconcertante e bate tão fundo que ficamos perplexos diante do novo (que assusta).
      beijo de afeto
      :)

      Excluir
  2. Sei a razão...Mudarão somente as "moscas"...O bolo feio e fedorento continua... Uma pena mesmo que não prestem atenção às coisas básicas.

    Estão muito preocupados em encher SEUS bolsos e isso lhes basta... bjs, ótimo fds! chica

    ResponderExcluir
  3. Amiga Taís, que lindo isso, vi no Fantástico e me emocionei, vendo aqui fiquei muito mais emocionada por teres dado a importância sobre os gestos das pessoas que ajudaram o menino!
    Sempre digo que no mundo há muitas pessoas boas, que nada está totalmente perdido, sou muito otimista, confio nas boas intenções de muitos, mesmo porque tudo é energia e as energias são sentidas por pessoas sensíveis!
    Assim como você, também estou com uma imensa dificuldade de encontrar bons representantes políticos, pois dinheiro nosso País tem e muito, só é preciso que tenham boa vontade e façam, se não tudo o que prometem, mas que tentem fazer pelo menos uma parte, pois é!
    Belo post, amei ler e ver!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente, Taís, o poder está em mãos que enxergam apenas vantagens próprias, altos salários, com verbas adicionais para recursos próprios: alimentação, moradia, escola para os filhos, viagens, carros à disposição, vestuário e por ai vai tantas verbas "embolsadas" que realmente a cada pesquisa que fazemos "em quem votar", desiludimo-nos. Para eles quanto mais ignorantes formos, sem nenhuma esperança futura, melhor nos escravizam e em suas mãos tornamo-nos "preciosas marionetes"... A criança, o pobre, o negro, a mulher são os mais marginalizados na sociedade... Causa sim "espanto" quando um desses se sobressai atingindo patamares educacionais. Sabe, cansados estamos todos de promessas vãs. Aplaudo sua crônica que mostra a realidade nua e crua da desigualdade social, e do desinteresse dos que detêm o poder.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. A razão? Simples. Você fica lembrando de um menino que está necessitado de um livro!
    Abraço, Taís.

    ResponderExcluir
  6. Tais, não assisto ao programa e acabei de ver o vídeo. Nossa, como fiquei tocada! Impressionou-me ver que os mais interessados em ajudar eram jovens. E se dispuseram a ler para o menino, sem qualquer constrangimento. Nossa, ainda estou emocionada! Confesso que não sou de parar na rua para atender pedidos de crianças, salvo quando solicitam algo para comer. Creio que teria passado direto por ele, sem entender, claramente o pedido. Mas estou certa de que, se o ouvisse, teria entrado na livraria para comprá-lo, pensando na alegria que lhe poderia proporcionar. Faço parte da maioria descrente, que imagina alguém por trás, só esperando os trocados que as pobres crianças de rua são obrigadas a pedir. Tenho pena, e muita, mas dinheiro não dou.
    Enquanto nossos políticos permanecerem ligados ao poder e ao dinheiro, olhando apenas para si mesmos, não teremos chances de ver as mudanças que sonhamos. Essas escolas sem estrutura que aparecem na televisão me deixam inconformada. Se tivessem oportunidade de estudar, creio que muitas dessas crianças alargariam seus horizontes, tornando-se cidadãos produtivos. Mas nem isso nossos governantes estimulam. Aliás, inúmeros são os políticos que precisariam, eles próprios, estudar um pouco, e não dão importância a isso, vangloriando-se, inclusive, por terem chegado onde estão sem frequentar uma faculdade. Como vão, então, trabalhar para que outros o façam?
    Fiquei feliz por conhecer a matéria através de sua postagem. Aqui há sempre algo que vale a pena ser lido. Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Amiga Tais, em primeiro lugar, agradeço aqui tua visita e comentário lá no meu modesto espaço. Pois é, não assisti ao programa, mas fiquei sabendo do episódio por terceiros. Não aprecio muito os programas da Globo, mas, confesso, que às vezes, ela acerta a mão e cria coisas interessantes. O quadro é comovente, sobretudo para nós que gostamos da palavra escrita. Educação neste país é um caso de polícia. Passam governos, entram governos e tudo como dantes na casa de Abrantes... Eu não gosto de citar nomes de políticos, até porque não creio neles, aliás, não creio no sistema, mas, três nomes vêm-me à mente quando o assunto é educação popular: Anísio Teixeira (político baiano dos anos cinquenta e sessenta, Leonel Brizola, que dispensa comentários a nós, gaúchos e o grande Darci Ribeiro, um patriota, um homem digno, um cara que amava o Brasil. Anísio Teixeira foi o precursor do ensino horário integral através escolas capacitadas à prestação de ensino de qualidade. Leonel Brizola, como sabemos, criou as escolas populares,as Brizoletas, aqui no estado e depois mais tarde, aderiu ao CIEPS, projeto do Darci Ribeiro.
    Um abraço. Tenhas um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  8. Taís, não sou muito fã desse quadro do Fantástico, porém esse do menino foi muito bom mesmo, emocionante!
    E quanto à sua dúvida, também é a minha e, certamente, a de muitos brasileiros. Os fatos e opiniões mudam tanto e tão rapidamente. Uma morte trágica estava sendo o cabo eleitoral mais forte que já vi na vida, agora que a comoção passou os números das pesquisas estão voltando ao que era antes. Precisamos de mudanças, mas a incerteza volta a reinar e a esperança de um país melhor mina a cada dia. Affffff, que Deus nos ilumine nessa cruel escolha!

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Apenas uma breve informação:
    Estou a terminar o texto para o meu novo livro, mas ainda se seguem mais trabalhos, que tenho de realizar com alguma celeridade. Quer a editora, quer eu próprio queremos ter a obra pronta antes do Natal, período de compras de prendas, como é sabido. Mas, mesmo assim, creio que durante a semana que amanhã começa (não digo o dia para não falhar…) já voltarei a visitar-te e a comentar. Obrigado pela paciência de me aturar…

    Qjs e abç ao Pedro

    ResponderExcluir
  10. Taís, caramba, também chorei ao ver o vídeo. Emocionante.
    E você escreve tão bem, temos a sensação de que que as palavras escorrem de sua mente para a ponta dos dedos...Parabéns!
    Beijos mil!

    ResponderExcluir
  11. Oi Taís que postagem espetacular...Ah se todos desviassem um pouquinho seus olhares para aquilo que realmente precisa ser visto! As pessoas soberbas são cegas...
    Mas eu também nem sei em quem votarei.
    Obrigada amiga, pelo seu delicado comentário....Tantas coisas me remete ao passado, e me causa saudades!
    Mas recordar é sempre bom!
    Um grande abraço e beijo!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  12. Olá, Tais!
    Também vi o quadro, e me sensibilizei com a cena. Daí, vendo que não era um pedido comum, visto que normalmente se pedem comida ou dinheiro, me fiz a seguinte pergunta; será que a reação das pessoas não seriam apenas baseadas no fato de ser um pedido incomum, já que costumam virar as costas quando os pedidos são os corriqueiros, ou será, que no fundo, todos percebem naturalmente que o conhecimento é que realmente liberta as pessoas do estado de pobreza?!
    Espero estar errado, mais no fundo no fundo, ainda vejo um pouquinho de hi"...." melhor nem terminar a frase, acho que entendeu.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. .......???eu vou contra a corrente.....Acho insólito e não sei como reagiria se fosse comigo.....O
    primeiro pensamento seria...que era 'apanhado'.
    Desculpe, mas não vou dizer mais nada....não
    gosto desse tipo de programas....
    Bom resto de Domingo
    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Pois é, o ser humano, no fundo, é essencialmente bom. Quando ocorre um acidente na rua, por exemplo, junta gente, curiosos por certo, mas, aqui, ali, alguém se mobiliza, traz uma água ao acidentado, abre uma sobrinha pra o proteger do sol, traz algo pra que ele possa apoiar a cabeça, liga pro SAMU, se revolta com a demora. Quer dizer, atitudes legitimas e instintivas. Nós que desde pequenos somos desacostumados, a isso, a ser só incentivados a correr na frente do outro, a passar a perna no próximo, a competir, até que prove o contrario ninguém presta. A ser inibidos na iniciativa de nos preocuparmos com o próximo, com nosso "adversário", coisa de gente fraca, sentimental, otário, besta. Uma vez num jornal li uma declaração de um professor de filosofia, questionável, mas, interessante, que dizia mais ou menos assim: Ninguém faz o mal por fazer, o mal em si, como alguém que acorde de manhã entediado e saia atirando por ai, faz o mal pensando que tá fazendo o bem, segundo seus valores, faz o mal por uma razão, que não justifica pra você, mas pra ele, sim. Mal pra ele é o bem, como quem participa de um linchamento. É isso ai, Beijos, Tais.

    ResponderExcluir
  15. Olá Tais,

    Não tinha assistido ao programa e fui conferir o vídeo. Também me emocionei. A correria diária é tanta e tantos são os pedintes que nem sempre paramos para ouvir o que eles pedem, pois já deduzimos de antemão que seria dinheiro. Não gosto de dar dinheiro para pedintes, mesmo que sejam crianças, mas quando ouço pedido de alimento, como pão com manteiga, biscoito,picolé ou similares eu costumo parar e comprar. Não tenho coragem de negar, ainda que esteja apressada. Com certeza, eu não negaria um livro, pois é um pedido surpreendente e todos sabemos como é importante desenvolver o hábito da leitura em crianças. E se um menino pede um livro é porque já deixa antever seu interesse pela leitura, que já seria um passo para ele se afastar das ruas.
    Infelizmente, nossos políticos são incapazes de reconhecerem a importância da educação no país. Creio até que reconhecem, mas preferem um povo ignorante, incapaz de lutar pelos seus direitos de cidadão. Se eles pensassem nos próprios filhos, para os quais eles oferecem as melhores escolas, até no exterior, provavelmente lutariam pela educação dos demais filhos da Pátria.
    Gostei no vídeo, principalmente de ver a solidariedade e interesse de muitos dos que foram abordados, o que mostra o coração generoso do povo brasileiro.

    Parabéns pela crônica. Gostei demais.

    Ótimo domingo e feliz semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  16. Muito comovente.Os políticos não gostam de pessoas cultas.
    A corrupção no Brasil e em Portugal na classe política é imensa.
    Parece que a Dilma vai de novo vencer. Já tem o Lula a ajudá-la.
    Um dia estava num restaurante em Lisboa e numa mesa estavam(pela conversa)
    alguns empresários do Brasil e diziam mal da Dilma, mas concluíam que para
    os seus interesses era melhor ser ela a vencer.
    Desejo que esteja bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  17. É verdade, amiga, tudo isso pode ser comparado a um horripilante circo dos horrores e a gente chega mesmo a ficar sem um fio sequer de esperança, triste, triste demais.
    Uma boa noite, Tais!
    Mil beijinhos no coração!

    ResponderExcluir
  18. Querida Tais:

    Este vídeo me ha emocionado y me ha hecho pensar en como habría reaccionado de encontrarme con ese niño. En realidad y con toda sinceridad creo que mi sorpresa habría sido grandísima y…en esos segundos de impacto, es cuando nuestro YO interno muestra nuestro egoísmo o generosidad. ¿Me habría parado?... ¿Habría seguido?


    Muy interesante el programa donde pone de relieve las reacciones de las personas.

    Felicidades por este vídeo tan interesante.

    Un fuerte abrazo y gracias por los comentarios en mi blog.

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso