7 de julho de 2015

POEMA 'BALANÇO'




             Quando chegar ao fim da minha vida,
             toda cheia de curvas e de dobras
             ah! não contes, Senhor, as minhas obras
             a ver se a recompensa é merecida!

             Minha justiça é logo corrompida...
             minhas boas ações, apenas sobras...
             eu fui um fariseu: minhas manobras
             são ruínas em pó, massa falida...

             Quando chegar ao fim destes meus dias,
             sei que terei as minhas mãos vazias
             e a túnica bem rota de um mendigo!

             E por saber que tudo logo passa
             eu me abandono inteiro à tua graça
             pois só o amor eu levarei comigo...

 - do poeta Antonio Carlos Santini 
          ________________________________________________
       
          Esse poema  (significa a hora da 'prestação de contas') me foi enviado por meu pai um pouco antes de seu falecimento, e sem dúvida tocou-me bastante. Passaram-se anos  e  nunca  esqueci esse poema. Hoje compartilho com vocês, há o que refletir...
Esclarecendo: o autor do poema não é meu pai.



31 comentários:

  1. La recompensa será mayor cuando mas te despojes.
    Bonita escena y palabras nos has dejado.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  2. Que maravilha,Taís! bela poesia e tem um valor enorme pra ti! Adorei! S´[o levamos mesmo o amor! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. UN TEMA SENCILLAMENTE HERMOSO!!!!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  4. VIVER
    Estou aqui, cansado, no meio da vida
    Caminhando, percorri meio mundo
    Subi montanhas e desci mais fundo
    Carrego tristeza, cicatrizes e feridas

    Nem sequer sei se bastante aprendi
    Nesta escola-mundo que percorro
    Porque nada veio em meu socorro
    Enquanto perdido perambulo por aí.

    Também não sei se sempre fui assim
    E se como era esqueci, ai de mim
    Agora no horizonte vejo meu porto.

    Esperando-me pra ancoragem final
    Que tudo que começa acaba, afinal
    Porque daqui a pouco estarei morto.

    ResponderExcluir
  5. É para sentir, no momento da sua leitura....
    Tento compreender o momento.....quando o recebeu....
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. É o balanço que todos teremos que fazer, cedo ou tarde, num determinado momento da nossa vida!
    A imagem sugere uma nova postagem, que poderia ser: "A Chance"!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Cara Tais

    Vim aqui agradecer-te a visita ao quintanaeterno e eis que deparo com este poema sob o sugestivo título de Balanço que me apaixona não sei se em função de meus 63 anos, idade boa para o tema.

    ResponderExcluir
  8. Belíssimo e tocante! Uma relíquia que seu pai enviou-lhe!
    Obrigada pela partilha que nos leva a muitas reflexões...
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Lindo poema, amiga Tais. Também muito bonito o poema do nosso amigo Jair.
    Um abraço. Tenhas uma boa noite.

    ResponderExcluir
  10. Tais, não conhecia o poema. Você escolheu uma imagem perfeita para ilustrar a postagem. Nada se leva desta vida e creio que a prestação de contas de cada um de nós deixa a desejar. Um grande presente de seu pai, pois nos leva, realmente, a profundas e necessárias reflexões. Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Tais, um belíssimo soneto, teu pai, António Carlos Santini te legou e por consequência também a nós. Fizeste muito bem em divulgar. O Soneto vale mesmo a pena ser bem divulgado.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ESCLARECENDO...
      Querido amigo Daniel, "Antonio Carlos Santini" é o Autor do soneto, "não era o meu pai". Meu pai me enviou por e-mail, dada a beleza que encontrou no soneto.
      Abraços!

      Excluir
  12. Tais,
    Você é muito gentil. Obrigado.

    ResponderExcluir
  13. Como se diz por ai: "Dessa vida só se leva a vida que se leva". Beijos, Tais.

    ResponderExcluir
  14. TAIS,

    sempre saio daqui na certeza de que os bons blogues ainda existem e parabéns pela publicação desta poesia do Antonio Carlos Santini.

    Excelente!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  15. Olá Tais,

    Sem dúvida, um soneto que toca e 'cutuca', impondo uma reflexão sobre os valores que realmente importam nesta vida. Daqui somente levaremos as conquistas espirituais, que são imperecíveis, mas, ainda assim, costumamos priorizar o lado material da vida.

    Lindo seu pai enviar-lhe tão belo e reflexivo soneto. Uma excelente partilha.

    A imagem é muito significativa e foi muito bem escolhida para ilustrar o soneto.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  16. Acho o poema muito bonito, mas a imagem não lhe fica atrás. Recordo-me de a ver aqui ao lado, no visual do blogue e tocou-me logo. Não me lembro se na altura fiz algum comentário sobre ela, como fiz com outra...

    A foto é linda e o gesto de humanidade que me parece genuino, é comovente e deveria ser a atitude de quem tem poder e poderia mudar o mundo.

    Um bom fim-de-semana, que já espreita.

    ResponderExcluir
  17. El poema es muy hermoso, es la vida, y el recuerdo de tu padre muy entrañable.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  18. Voltei aqui, cara amiga Tais, para falar sobre a foto; sobre algo não muito comum entre nós, humanos,: A SOLIDARIEDADE. Escrevi um poema sobre a solidariedade, acho que postei. no meu blog, se não me falha a memória, mas enfim, penso que a solidariedade encurtaria a distância entre os povos, entre as nações, enfim, entre os seres humanos.
    Um abração. Tenhas uma lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
  19. Muy bello poema...un mensaje a compartir, a solidarizar con el más necesitado....al final se nos preguntará "cuando tuve hambre me disteis que comer , cuanto tuve frio me vestisteis ..." lo que hiciste con ellos a mi me lo hiciste ...entrad o alejaos de mi...."
    Abrazo Tai

    ResponderExcluir
  20. Bom dia Thais.
    Minha amiga com a minha vida corrida deixei de vim ler as maravilhas que nós passa. Sempre com algo para nós acrescentar e nós fazer refletir. É linda a poesia que seu pai lhe mandou, ele percebeu como nessa poesia mostra uma grande realidade da vida e quis garantir que você lesse. Pela sua forma de ser, lhe imagino uma pessoa iluminada que encontrou igualmente um companheiro que sabe da valor ao amor. Infelizmente poucas pessoas se dão conta de quem só levará daqui o amor que teve e doou a todos, vive acumulando bens, ressentimento, falta em muitos humildade, deixando de usufruir das pequenas maravilhas que Deus nós proporciona e raramente vemos pessoas como nessa linda imagem sendo solicito com os mais necessitados. Amei ler a poesia e achei a imagem lindíssima. Um feliz final de semana para vocês. Beijos.

    ResponderExcluir
  21. Un preciso poema querida Tais. Su autor Antonio Carlos Santini lo escribe a modo de despedida.
    Comprendo sea para ti muy especial al haberlo recibido de tu padre en los últimos momentos de su vida.
    Sin haber tenido la suerte de conocer a su autor ni a tu padre, te diré que me ha emocionado.
    Gracias por tu comentario en mi blog.
    Muchos besos amiga.

    ResponderExcluir
  22. Muito obrigada pela partilha deste belo poema. Imagino o que representa para si
    o mesmo e também por isso fiquei comovida ao lê-lo.
    Beijinhos de uma amiga distante.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  23. Poema contundente
    e belíssima é a imagem que o ilustra.
    Amiga Taís, aquele abraço!!!

    ResponderExcluir
  24. Olá, Tais,
    dessas coisas que a gente gosta de passar aos filhos, daí seu pai lho ter enviado, porque leu o poema com a alma e, agora, para além da mensagem, para você,esse poema adquire um significado especial.
    Ilustrou-o com uma foto que diz tudo ;)
    bj amg

    ResponderExcluir
  25. Boa tarde, querida Tais, você como sempre espalhando emoções.
    O poema que seu pai lhe deixou é um tesouro para nossa alma.Desconhecia tal poema, por isso, temos que agradecê-la por compartilhar conosco é um soneto que foi escrito com a maior sensibilidade de alma. Também , às vezes reflito o que terei nas mãos, quando for chamada para prestar contas. A reflexão é imediata. Mais uma vez obrigada! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde querida Tais...
    tenho estado ausente e sem muito tempo devido a obras por aqui rsrs
    imagina a baderna..
    tem mais pó no ar que o próprio ar srsr
    temos de manter a mãe distante senão levanta mais pó ainda.. pq tu sabe né..
    manias de limpeza é assim rsrs
    depois toca comprar pano de lã, vassouras rsrs
    um tédio rsrs
    mas sobre a poesia..
    a foto muito bela.. assim deveria ser não vez que outra mas sempre... me lembrou o filme do Francisco de Assis que o menino tirou a veste dele para dar a uma pessoa com frio e apareceu pelado na frente de Francisco rsrs
    ng precisa saber das nossas ações.. as mesmas tem de ser verdadeiras.. de coração puro...
    só levamos o amor.. só este se leva daqui se soubermos dar o mesmo a nós mesmos e a outros... bjs e feliz sempre

    ResponderExcluir
  27. OI TAIS!
    TOCANTE MESMO E REFLEXIVO TAMBÉM.
    COMO ESTAREMOS NA HORA DA PARTIDA E O QUE TEREMOS NAS MÃOS DE VERDADE?
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. O poema por si só é marcante tendo, no seu canto, referência ainda mais destacada.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  29. Olá Tais! Belíssimo soneto! Linda prestação de contas! Ótima escolha! Adorei!

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  30. Nossa amiga, posso imaginar o quanto esse poema significa para ti, ele é tocante para qualquer pessoa que tenha o mínimo de sensibilidade.
    O soneto do poeta me fez recordar como as pessoas que seguem doutrinas religiosas (principalmente cristãs) carregam fardos terríveis de culpas, achando que Deus vigia cada passo em falso, ignorando assim, da Sua Graça e misericórdia. Que foi o desfecho do soneto.
    O amor. O amor que dispensamos uns aos outros, só este sobrevive.
    Beijos minha querida. <3

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso