2 de agosto de 2013

O PROBLEMA DOS MÉDICOS NO BRASIL




Tais Luso de Carvalho

É triste quando perdemos a confiança em algo que gostaríamos sempre em acreditar. Perder a confiança é como amar pela metade, impossível conviver. Fica difícil o meia-boca. Gostaria de poder amar meu país por inteiro. Poder confiar.

Lembro da época em que nosso país viveu uma euforia inigualável, em que milhões de brasileiros ingênuos e acometidos do mais puro dos idealismos, tomavam as ruas do país inteiro, em várias eleições, empunhando bandeiras, com um amor que brotava do fundo do peito. Brotava a maior das esperanças. Grande parte da população acreditava em soluções rápidas. E eu acreditei. Mais uma que se desencantou nesse mar de desiludidos. Um desencanto sem volta.

Agora, ando um pouco intrigada com o idioma que se fala no Brasil, uma vez que ninguém se entende. O problema dos médicos já está pra lá de claro.  Até criança entende.

Os médicos revindicam o óbvio: um plano de carreira, melhores salários, hospitais   equipados, além de mão de obra especializada, isto é, capacitar mais gente que trabalhe com saúde. Custa caro. Mas, bem menos do que toda uma estrutura para abraçar a Copa de 2014,  como uns mega-estádios espalhados por aí. Bilhões! Como se gasta fácil nesse país.

Por que não dar aos médicos as condições de trabalho que pedem? Por que tanta burocracia? Por que tanto estresse para trabalhar num Sistema de Saúde? Por que fazer tanta gente esperar por uma cirurgia? Por que faltam remédios? De nada vai adiantar trazer ao país centenas de médicos do exterior se os hospitais continuarem sem leitos, sem macas, sem material, sem remédios, sem ambulâncias, sem assepsia, sem equipamentos e tudo caindo aos pedaços. Essa infeliz burocracia só serve pra atravancar o progresso. É burocracia pra ninguém botar defeito, está perfeita.

Está difícil de entender a proposta desse governo. Falta é estrutura para os médicos brasileiros trabalharem na coisa pública. A coisa privada funciona muito bem. Tem grana! Onde tem grana tem tudo. Depois dizem que dinheiro não traz felicidade... Então fique sem ele.

Mandar médicos para o interior do país, numa vila pra lá de carente, de nada vai adiantar. Não há idealismo que sobreviva. Quem aceita trabalhar em condições precárias? O médico ficará por lá, tentando fazer. Só tentando. Mas parece que os responsáveis  não entendem o problema. Ou não querem entender.

Não dá para tratar um paciente, que requer cuidados especiais,  se não há suporte; difícil reverter um quadro de insuficiência respiratória, problemas renais, cardiológicos etc, apenas com boa vontade e dose de solidariedade. Não resolve. Só carinho não adianta.  

Pensam, os governantes, que importando um batalhão de médicos estrangeiros - que estão loucos para vir -, que o problema será resolvido. Mais uma vez tapando o sol com a peneira. 

O Governo pensa errado e depois volta atrás – será um surto de lucidez – ou temor? Essa gente precisa raciocinar, consultar gente da área, mas que coisa cansativa.

Com tantos absurdos, Hipócrates deve estar se revirando na tumba...
Calma, doutor, tem mais, ainda não acabei, to terminando...

Então, senhores governantes, precisamos  de estrutura condizente com as necessidades. E não esqueçam de colocar segurança em certas áreas onde pode haver atritos – sabem por quê? Porque povo doente perde a paciência! E sobra para o médico.

É uma sensação desconcertante de ver a que ponto chegaram os médicos. Jamais eu tinha presenciado uma médica revoltada – Dra. Ângela Tenório – desabafar num hospital do Rio de Janeiro. Foi uma vergonha para nossa saúde. Tão lamentável quanto revoltante.

- Dra AngelaTenório. (Vídeo)




21 comentários:

  1. Limerique

    Brasília? sonho como fosse oliúde
    Você não está contente? que se mude!
    Políticos numa boa
    O resto? qual escolha?
    O sistema caga e anda prá saúde.

    ResponderExcluir
  2. Para a doença governamental não existe médico ou medicação profilática! Uma vergonha o que todos passamos: médicos, profissionais da saúde e doentes!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  3. Fez bem e agradeço do coração....ter escrito sobre este problema que afeta presentemente, todos os Portugueses....
    Como está tão dentro dos nossos problemas e azares.....!!!
    Nós por cá, também nos preocupamos com Vocês.....pois os
    problemas são os mesmos...
    O Mundo vai mal........
    Bfs
    Beijo


    ResponderExcluir
  4. Taís você já disse tudo.
    Quanto ao dinheiro não trazer felicidade...Sabe quem inventou esse "papo furado" foram pessoas ricas que queriam o dinheiro todo só para elas!
    Loyde manda um beijo em nome de todo o atelier

    ResponderExcluir

  5. Olá Tais,

    Concordo que o problema principal não está na falta de profissionais médicos, mas na falta de estrutura para o exercício da medicina. É óbvio que faltam mais investimentos em infraestrutura nos hospitais e nos postos de saúde; faltam equipamentos e condições para que os profissionais exerçam adequadamente a sua função sem colocar as pessoas em risco.
    Ainda que a quantidade de médicos no Brasil possa ser considerada insuficiente, não será apenas o aumento de médicos que vai resolver a questão da saúde, embora possa ajudar. Certo é que o médico sozinho, sem a devida infraestrutura, não conseguirá salvar vidas ou atender satisfatoriamente os pacientes. Mesmo vindo profissionais de fora, a questão persistirá, pois não há instrumentos para o trabalho dos médicos.
    Por outro lado, médicos não querem se arriscar onde faltam meios para o exercício da medicina, principalmente por receio de processos por erro médico.
    Além do desvio criminoso de verbas destinadas à saúde, os governantes têm se mostrado incapazes de administrar a saúde pública no Brasil. Ou melhor, até os movimentos de protestos, eles sequer estavam se mexendo em tal sentido, demonstrando total desrespeito para com um povo a quem lhes cabe cuidar e proteger.

    Fico entristecida com os fatos noticiados todo dia a respeito do descaso com a saúde pública. Ontem mesmo vi um médico tentando salvar a vida de uma paciente com problema cardio-respiratório, sem conseguir, apesar de ter passado por dois ou três hospitais com a paciente na ambulância. Nenhum estava equipado para socorrê-la. Ela morreu na porta de um hospital. O médico chorou. Doeu em mim.

    Como em toda profissão, existem relapsos, que não honram seu juramento.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Para notar como anda nossa saúde é só ver que os políticos, artistas, notoriedades do país fogem feito o diabo da cruz dos hospitais públicos. Isso pq os médicos são ruins? De jeito nenhum, eles não tem são as condições necessárias para trabalhar, aliás em muitos hospitais nem luvas têm...
    Precisamos é de vontade política e não de paliativos como importar médicos cubanos que são especializados em medicina preventiva [aqui não se previne nada, nem verminose pra variar...]
    boa abordagem Tais!
    bjkas doces e um fim de semana maravilhoso.

    ResponderExcluir
  7. Taís, nem todos os lugares estão com essa carência de equipamentos. E nem assim os médicos querem sair dos grandes centros. Infelizmente, a profissão é escolhida sem idealismo e eles terminam a faculdade incapacitados para exercer a profissão. Não sabem fazer diagnósticos e nem tocam os doentes. Um amigo, professor em faculdade da área, diz-se assustado com a questão da saúde, diante dos absurdos que os jovens médicos fazem. Pedem inúmeros exames para receberem subsídios que os possibilitem "descobrir" o mal que sofre o doente.
    Entendo a revolta dessa médica, que se mostra uma verdadeira profissional. Entendo a falta de recursos e a precariedade de muitas unidades de saúde. Mas há tantos absurdos. Veja os médicos batendo ponto e não trabalhando, porque iam participar da passeata. Veja a quantidade de pagamentos feitos a médicos que não existem. Em ambos os lados há muita faxina a ser feita. Confesso que só agora, diante da possibilidade de contratação de médicos de fora, os nossos levantam suas bandeiras. Porque não começaram, em tempo oportuno, a lutar por melhores condições de suporte a sua profissão? Já vi luta por melhores salários, não para que os hospitais fossem devidamente equipados. Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Olá Tais!
    Nós temos os mesmos problemas, tal e qual!!!
    Infelizmente não é só com a classe médica, é com os enfermeiros ...e então com os professores nem lhe digo nem lhe conto!!!
    Portugal está a saque ! O desgoverno é total, a desorientação completa e as caras sem vergonha uma tristeza! Tão depressa decidem uma nova lei como no dia seguinte ou três dias depois desfazem tudo e reúnem um grupo de estudo para pensar uma nova lei! Isto é de loucos Tais, não dá para acreditar...

    Um abraço amigo.
    M. Emília

    ResponderExcluir
  9. Taís, bela crônica!Este assunto tem nos levado a pensar no caos que a área da saúde está se transformando.Esta situação tem nos causado inquietação e manifestar-se é uma forma de mostrar nosso descontentamento.Perfeita esta tua abordagem de um assunto tão real e atual.Forte abraço

    ResponderExcluir
  10. Como voce diz "assino embaixo" - gostei de seu texto. É muito oportuno. Quanto ao desleixo, o pouco caso com a saude e os hospitais etc.. etc.. a razão é muito simples. "Eles" e "Elas" quando precisam de tratamento medico de primeiro mundo viajam para os EUA ou Europa ás custas de nós otarios pagadores de impostos. Não temos que reivindicar melhoria de condições .. temos que EXIGIR.. ja que pagamos um dos maiores impostos do mundo, não acha? Ano que vem tem eleições e honestamente não tenho em quem votar. Acho que vou votar naquele que jamais me enganou nem tentou roubar nada de mim... meu cachorro, amigo e companheiro fiel.

    ResponderExcluir
  11. Olá Taís você já disse tudo.Bela crônica!
    Agradeço a sua visita,e seu comentário beijinhos.

    ResponderExcluir
  12. Oi Taís,
    Estou de pleno acordo com suas palavras, a situação da saúde no Brasil se encontra insuportável, tanto para os pacientes quanto para os médicos.
    Excelente sua crônica.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  13. Olá Taís adoro ler-te. Como sempre muito concisa em suas colocações.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  14. A saúde no Brasil está doente...Linda tua crônica, cheia de fatos bem mostrados. beijos,chica

    ResponderExcluir
  15. É de arrepiar, o desabafo dessa doutora. A cada entonação da voz, sentimos aqui o sobrecarrego nas costas dela. A situação chegou em um ponto claro. Estamos vendo cheques bilionários sendo aplicados em eventos futebolísticos. E merrecas representando um descaso imenso. Esse país está fora dos eixos e de longe parece tão difícil lutar.

    A escória tem dado as costas para o problema friamente. São criminosos, são assassinos. Vandalizam o país e apagam vidas com um movimento clássico e desumano. Felizmente dependi poucas vezes do SUS. E na última, quando perdi o direito a convênio dos meus pais ao atingir a maioridade, senti o problema na pele. O hospital estava cheio. A doutora estava desgastada, os pacientes esmurravam a porta, xingavam, esbravejavam a indignação por todos os cantos. Crianças e idosos sentados no chão por falta de lugar. O choro de desespero. Foi terrível.

    Parece que a esperança está fraca, mas precisamos continuar tentando.
    Muito boa tua crônica, Tais. Um tema que permite uma ampla reflexão acerca dos últimos acontecimentos e também do que tem acontecido diariamente neste país.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Tais, você foi perfeitamente clara e elucidativa ao descrever a situação caótica da saúde e o problema dos médicos em nosso país. Realmente, não há idealismo que sobreviva a falta de recursos e equipamentos necessários para um atendimento de qualidade. Talvez fingíssemos entender que falta verba para investir na saúde se não fôssemos obrigados a olhar diariamente para estádios padrão Fifa, enquanto o padrão de atendimento a um familiar nosso, por exemplo, é uma maca no corredor de um hospital sem equipamentos e super lotado. Um beijo!

    ResponderExcluir
  17. Direta e sem perdão, sua crônica. Embora não engula estes governos petistas, a culpa não é deles. A saúde pública vem se degradando no país há muito. Educação, transporte, segurança... Bom eu parar para evitar a chatice.
    Abraço grande.
    Jorge

    ResponderExcluir
  18. Tais Luso

    Pensei que no Brasil, apenas havia falta de médicos, tanto mais que, segundo noticias, vai chegar ai um contingente de 500 médicos, na sua maioria portugueses. Como aqui, aí haverá bons e péssimos médicos. No entanto, sem estruturas, a todos desmotiva. Não sou contumaz a fazer convites mas especialmente, se passares por DANIEL MILAGRE, http://danielmilagre.blogspot.pt/ tens lá uma entrevista minha, na televisão, a propósito. Em permanência, a mesma entrevista esta em:
    ARQUIVO DE CERCA DE QUINHENTOS POEMAS DA AUTORIA DE DANIEL COSTA -
    http://danielmilagredanieldaniel.blogspot.pt/
    Bjs



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido amigo Daniel, acabei de ver seu vídeo, o que muito me emocionou! Acho que no mesmo momento em que você estava postando esse comentário, eu estava vendo seu vídeo!
      Quantas coisas acontecem que poderíamos ter evitado e não evitamos por ignorância, por timidez, por não termos pesquisado ou perguntado? Acho que todos nós devemos expôr nossas dúvidas aos médicos. Nada de sair de um consultório insatisfeito, afinal, quem sabe mais de nossos sintomas do que nós? Por isso seu vídeo é tão importante.
      Bjs, amigo, estou contente por vê-lo muito bem de saúde.

      Excluir
  19. Tais

    O meu objetivo era dar-te uma perspetiva médica, porque eu próprio ali encontrei resposta a um problema que ficou como sequela. É uma certa falta de equilíbrio, que no entanto não me apoquenta.
    Depois dar uma ideia dos maus e bons médicos.
    Sinceramente grato.
    bjs

    ResponderExcluir
  20. Taís, sou Técnica de Enfermagem, trabalhei 29 anos dentro de Hospitais, a minha vida laborativa foi na época do improviso, hoje existe muito desperdício com material,até para medir uma PA o profissional, gasta um par de luvas e uma máscara, quantos serão gastos no fim do de um dia de trabalho? somando-se a uma mês lá se foi uma boa grana e que daria pra comprar outros materiais necessários para suprimento básico; fora isso os procedimentos pagos aos profissionais são de baixo valor, o médico não tem estímulo para trabalhar, quem passa a vida inteira estudando quer receber um salário digno, como é o caso da rede Hospitalar Sara Kubitschek, o profissional é exclusivo e recebe muito bem por isso, e se não fosse os desvios de verbas a Saúde estaria ótima em todos os Estados, pq a verba é gorda. É lamentável o que acontece hoje em todos os segmentos da sociedade, tudo sucateado, povo descrente de tudo e de todos, sem assistência , sem segurança e tendo que engolir os desmandos e a exemplo do que acontece no país nesse momento, rogo a Deus pela volta do governo militar.

    Bjs!

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso