21 de junho de 2015

DESENCANTO - MANUEL BANDEIRA

                                          




                                         Eu faço versos como quem chora
                                          De desalento… de desencanto…
                                          Fecha o meu livro, se por agora
                                          Não tens motivo nenhum de pranto.

                                          Meu verso é sangue. Volúpia ardente…
                                          Tristeza esparsa… remorso vão…
                                          Dói-me nas veias. Amargo e quente,
                                          Cai, gota a gota, do coração.

                                         E nestes versos de angústia rouca
                                         Assim dos lábios a vida corre,
                                         Deixando um acre sabor na boca.

                                            – Eu faço versos como quem morre.

                                       _________________________________
                 
                                                        Manuel Bandeira – Uma Antologia Poética, L&PM Pocket pág 26
                                                        (Teresópolis 1912)




38 comentários:

  1. Tais Luso, este poema de Manuel Bandeira sim, é de antologia. Não como no presente que, Antologia é sinónimo de exploração comercial da cultura, a desaprovar.
    Como adoro a cultura do Brasil, é-me sempre agradável a poder ir apreciando.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Daniel, não é fácil fugir das explorações comerciais como também só posto o que me agrada, o que me toca a alma.
      Abraços além-mar! Obrigada pelo carinho da visita.

      Excluir
  2. Tão bom reler Bandeira, por vezes tão deixado de lado por nós... Lindo! bjs, ótimo domingo e INVERNO! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro, é tão verdadeiro, tão direto...
      Grande beijo, obrigada pelo carinho sempre presente!

      Excluir
  3. A Manuel

    Porquanto Manuel faz os versos sem peias
    Versos de desamor, versos de desencanto,
    Mas se doloroso lirismo lhe corre pela veias
    Nem tudo é desespero, nem tudo é pranto.

    Embora verso de sangue, amor ele semeia
    Tristeza presente, porém diluída um quanto
    Dói-me essa dor desmedida, dói-me, creia
    Porque dor de Manuel é minha dor, garanto.

    Mas, nestes versos de angústia existe vida
    Uma vida que não abandona essa alegria
    A qual está a nossa volta, as vezes diluída.

    Ele faz os versos amargosos com ousadia
    Com a consciência de quem está de partida
    E que como Midas, tudo que faz vira poesia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (...) "Dói-me essa dor desmedida, dói-me, creia"
      A dor de Manuel é a 'nossa' dor, tão real, tão cheia de verdades e tão presente...
      Abraços, amigo Jair, obrigada sempre!

      Excluir
  4. Gracias por compartir tan hermoso poema
    Fuerte abrazo Tai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho da visita, querida Cristina.
      Tenha uma linda semana.

      Excluir
  5. MUY LINDO POEMA!!!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, ReitiH, muito obrigada pela sua presença, abraços do Brasil!
      Ótima semana.

      Excluir
  6. Versos que nos tocam. Nem sempre os poemas falam de amor. E em muitos corações, é a dor que habita. Grande Manuel Bandeira! Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aliás, Marilene, gosto de poemas que falam da realidade, da dor, das angústias dos sentimentos, das fraquezas, nada muito belo, o que é mais verídico.
      Um beijão, linda semana!

      Excluir
  7. Hay versos que duelen como el amor no correspondido.
    Un feliz domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Mari! Essa dor cala muito fundo, a dor da rejeição.
      Um beijo, linda semana!

      Excluir
  8. Lindo demais esse poema. Muito bom passar por aqui.Abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Regina, uma ótima semana pra você.
      Abraços carinhosos do sul, e um tiquinho do frio que já começou.

      Excluir
  9. Manule Bandeira - a dignidade em "ser o poeta incomparável"!
    Destaco:
    "Fecha o meu livro, se por agora / Não tens motivo nenhum de pranto."
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostei disso, Célia. Quem não tem lá seus motivos, muitas vezes, para se derramar em lágrimas de desencanto? Por mais que queiram parecer sempre felizes e resolvidas, a vida mostra o contrário.
      Beijos! Ótima semana.

      Excluir
  10. Muito triste meu conterrâneo Manuel Bandeira, tadinho. Viveu sob o estigma da tuberculose, adquirida ainda mocinho, na época sem cura. Marcou toda sua obra, referenciada noutras poesias."Toda uma vida que podia ter sido e não foi". Jamais casou, solteirão por imposição do destino. Namorou com prostitutas. Lindos versos, triste. "Tristeza espaçar, remorso vão". Beijos, Menina de Ouro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótimo, Fábio! A biografia de Manuel Bandeira é tão rica e maravilhosa que ao lê-la entendemos perfeitamente seus versos, repletos de sofrimento e verdades. Assim, direto. E ao terminar, entende-se porque toda essa grandeza nos toca tão profundamente. É difícil colocá-las no papel e ainda emocionar terceiros.
      Beijos!

      Excluir
  11. OI TAIS!
    VERSOS DE DESENCANTO, MAS, LINDOS DEVIDO AO TALENTO DE "MANUEL BANDEIRA".
    ÓTIMA PARTILHA.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abraços, querida Zilani, uma linda semana!
      Obrigada pelo carinho da visita.

      Excluir
  12. Very beautiful poem.
    A flower too.
    Greetings and hugs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom você aqui, de tão longe, Pantherka!
      Grande abraço!

      Excluir
  13. Olá Querida, Tais, retornando ao blog......
    Que bela e acertada escolha do poema de Manuel Bandeira.
    Tão bom saber que divide conosco tanta riqueza cultural.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é que fico feliz por trazer poeta de tamanha grandeza, querida Marli!
      Abraço, meu carinho, amiga!

      Excluir
  14. Que delicadeza! Lindo!

    Tais, minha cara, peço desculpas pelo meu sumiço. Passando para matar a saudade...
    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leila querida, que bom te ver! Entendo o sumiço (rss), é que são muitos amigos e o tempo é curto! Saudades suas, também. Saudade de seus belos textos, aparecerei!
      Meu carinho, amiga!

      Excluir
  15. Bom dia querida Tais..
    uma poesia perfeita e me dei o trabalho de contar as rimas..
    por isso foram grandes.. poesia esta em 9 sílabas poéticas..
    a falar do que hj em dia muito vemos..
    é um desencanto atrás do outro..
    mas fica tranquila que eu to aqui com meus versos metendo pau..
    semana que vem posto mais uma..
    volta e meia me revolto rsrs
    antigamente era sempre.. hj não me desgasto tanto com essa
    podridão que temos de aguentar né..
    tenhas um lindo dia.. bjs e feliz sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querido amigo, pois é, todos estamos desencantados, bem ao estilo Manuel Bandeiral Depois do teu 'Quico' entraste a mil rs. E gostei! Mas todos estamos assim, até aqui, Mas a mídia está aí, mostrando toda a podridão no Reino! Completa indignação.
      Bjus, linda semana!

      Excluir
  16. Lindo o poema! Gosto da poesia de Manuel Bandeira.
    A foto também é muito linda:)

    Mudou o visual do blogue...

    Um beijinho e um bom fim-de-semana:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isabel, também gostei da foto, uma flor solitária e se manteve viva...
      É, o visual do blog tornou-se mais neutro...
      Beijo, lindo fim de semana!

      Excluir
  17. Taís, você escolheu um belo poema do Manuel Bandeira.
    Querida amiga, grande beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, gosto de poemas tristes, e também dos que falam do 'social'.
      Beijo, querida amiga, bom fim de semana.

      Excluir
  18. Olá minha querida amiga Tais, outro dia estava a trocar email com um amigo e el me mandou um texto sem autor, achei lindo respondi, ele então me disse que era do caio, então num trecho lembrou desse poema, e eu mandei ele de presente, e nesse meio tempo leio aqui, não acredito em coincidências, gosto de chamar sincroncidade do Jung, pois havia postado um poema deste autor ímpar, que se fará sempre os meus favorito. Gosto dessa melodia melancólica que este poema me dá, uma tristeza inacreditavelmente linda (sou meio mórbido rs), mas na poesia se torna belo, a dor que nos arranca ou o sentimento mais puro que as palavras nos provocam, tou divagando...adoro isso.
    ps. Carinho respeito e abraço.
    o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querido amigo Jair, estava de férias? Pois é, também adoro poemas tristes, poemas têm de ser profundos, algo que faça algum rebuliço nos nossos sentimentos. que nos faça pensar e ao mesmo tempo ficar muitas perguntas no ar... justamente para nos levar a refletir sobre nossas vidas, o sentido que achamos nela etc e tal. Ou também nenhum sentido. Fica a escolha do freguês...
      Grande abraço, amigo, que bom que retornou.

      Excluir
  19. Caraca... Li tão pouco Manuel Bandeira, mas é fantástico seu escrito.
    Esse, em particular, é bem depressivo e gosto de obscuridade na arte. Deixa-a intensa e profunda.
    Beijos Taís!

    Rivotril com Coca-Cola

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sou muito fã de poemas alegrinhos, gosto daqueles que despertam em nós sentimentos de compaixão, de perdão, de reflexão, de cumplicidade... daqueles que mostram a crueza da vida e não a festa. E poemas que expõem o social como ele é. Na verdade, festa é algo bem transitório.
      Beijo, amiga!

      Excluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso