24 de abril de 2011

NÃO ME FALE DE CACHORRO-QUENTE!



-Tais Luso de Carvalho


Há anos moro numa rua arborizada, cheia de flamboaiãs
floridos e de belos jacarandás: suas flores violáceas... Hum, que romântico.

É um prédio relativamente calmo, cujos vizinhos preocupam-se cada um com sua vida, administrando seus problemas pessoais - de caráter existencial ou de ordem apenas prática. Mas tudo muito discreto. Tão discreto que chega a ser saudável demais para os padrões atuais – hoje, roda-se a baiana quando alguém olha meio torto. Juro que eu estava um pouco aflita com tanta paz.

Sei que nada é eterno. Certo dia, uma camionete - Van que vende cachorro-quente - foi chegando e deu com os costados quase em frente ao meu prédio. Toda bonitinha, colorida, muito pop. E desde então, ali fez o seu ponto. Este tipo de comércio multiplica-se espantosamente: pão, salsicha, molho e gororobas. Adoro cachorro quente, principalmente  em aniversário de criança.

Mas fiquei apoplética quando vi sair da pequena Van, um festival de banquinhos, caixotes, cesta de lixo, caixas de refrigerantes e até uma poderosa e psicodélica vassoura vermelha. Muito fashion. Tudo isso, pertinho do meu prédio, ignorando os flamboaiãs e jacarandás.

A partir do primeiro dia, começou a despertar em mim, criatura da paz, algo estranho e desconfortável. Aquele boteco ambulante, o povo esparramado e com uma fome de pesar na consciência, abocanhando aquele cachorro enorme... Isso realmente mexeu com meus nervos; não gosto de ver ninguém com tamanha fome. 

Porém, até por problemas de consciência, para ter a certeza de estar desprovida de qualquer preconceito gastronômico e social, andei comprando o tal do cachorro. Certamente, regado à Coca-Cola mata qualquer fome. Desce bonito.

Na verdade, não era um cachorro-quente que estaria abalando meus nervos: era o Homem do cachorro-quente! Essa Van meiga e singela já veio predestinada a fazer o maior rebu no quarteirão. Nossa paz foi pro brejo. Descobrimos, poucos moradores, que nem só de cachorro vivia o homem... A maldita Van tornou-se o QG da fofoca, de intriga e de discórdia entre uma vizinhança até então pacata. Sua permanência entre nós tornou-se um pesadelo, e os mais avisados dela já buscavam distância.

Com o passar do tempo fui percebendo que senhoras vistas como sisudas e recatadas davam um Bom-dia um tanto exagerado, cheio de salamaleques. Seria carência? Solidão?  

E no Natal? Dezenas de maluquetes do quarteirão levavam suas oferendas lá na Van, para agradar aos seus tripulantes e, principalmente, à mulher do Homem do Cachorro-quente. O homem tornou-se o Ouvidor do quarteirão! O Ouvidor das carentes e solitárias criaturas que por ali passavam. Ficou íntimo.

Mas e eu? Como estou agora? Flagrei o meu lado ridículo e curioso: chego na minha sacada e meus olhos batem na Van à procura do Homem do Cachorro-quente: o que estará fazendo agora? E aquela horrenda vassoura vermelha? Quem estará, no momento, desfiando o seu rosário de lamúrias aos tripulantes da Vanzinha? Lamento: ah!... Se ao menos eu gastasse meu tempo correndo à janela pra ver uma banda passar cantando coisas de amor...

Mas percebo, no momento, que o motivo do meu abalo é toda uma conjuntura: ontem encontrei uma amiga - de cursinho - a três quadras do meu prédio; conversamos amenidades e combinamos um encontro em minha casa. Expliquei onde morava, dei detalhes do edifício, características do jardim e nada da criatura situar-se. Num certo momento ela parou, pensou e soltou:

- Amiga, agora me liguei! Sei onde moras!
- Uf ! Ainda bem, afinal, moramos no mesmo bairro!
- É no Edifício do HOMEM DO CACHORRO-QUENTE!
Fiquei meio moscona, mas rapidinho me refiz:
- É isso aí, guria! Acertooooouuuu!

Chacoalhei meus neurônios, dei uma equilibrada nos hormônios e por fim descubro e desnudo meu inconsciente, aceitando, conformada, o inusitado: ontem, morava numa linda rua arborizada, num edifício tranquilo com um belo jardim rodeado de palmeiras; hoje, moro no Edifício do Homem do Cachorro-quente, rodeada de banquinhos, caixotes e fofocas, e ainda convivo com uma maldita e carcomida vassoura psicodélica, dependurada num ornamental pé de jacarandá!


45 comentários:

  1. Já observou se o tal homem do cachorro quente embarca na vassoura e sai voando no final do expediente, vai ver é uma bruxa disfarçada, rs!

    ResponderExcluir
  2. OLHA ACHO QUE SE O HOMEM DO CACHORRO QUENTE NÃO TIVESSE A VASSOURA VERMELHA VOCÊ ACEITAVA MELHOR A SITUAÇÃO.MAS, JÁ QUE A MAIORIA ACEITOU O SUBÚRBIO AMBULANTE, O JEITO É MESMO ORGANIZAR OS NEURÔNIOS E CONTROLAR A TAXA HORMONAL E SE EMPANTURRAR DE CACHORRO QUENTE.
    PARABÉNS PELO TEXTO E BOA SEMANA.
    BEIJOS

    ResponderExcluir
  3. Hehehehehe

    É assim a vida, amiga, nada é para sempre. Principalmente a paz!

    Mas pense bem, agora você já tem um endereço tão marcante, que nem precisa mais de CEP!...:)))

    Espero que tenha tido um lindo domingo de Páscoa.

    Beijo no coração
    °•♥♥ °°•✿♫°.•

    Cid@

    ResponderExcluir
  4. Tais, bom dia! A receita que um vizinho aqui do bairro arranjou foi infalível. O cara instalou seu carro de cachorro quente na pracinha, com mais de 6 mesas (um verdadeiro bar e lanchonete). Deixava todos os dias a praça na maior sujeira, ligava um som na maior altura e ainda reunia a turma de bebuns da madrugada. O vizinho reclamou na refeiura, fez ocorrência policial e nada adiantou. Então, segundo ele, passou a colocar um pedaço de carne estragada escondido cada dia num lugar diferente depois que o cara ia embora e no dia seguinte, lá estava aquele mal cheiro insuportável. Ao mesmo tempo, espalhou uma fofoca que o cara estava vendendo sanduíche estragado, que isso poderia causar mal à saúde, etc. Rapidinho a clientela foi se escasseando e o sujeito se bandeou para outras plagas. rsrs. Abração e uma ótima semana. paz e bem.

    ResponderExcluir
  5. rsssssssss....que mudança,heim????
    Linda crônica e é dooooooose mesmo!!!

    beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  6. rsrrsrs... Divertida crônica para quem lê. Imagino que a situação não seja a mesma para quam vivencia. Mas tudo muda nesta vida. Espero que o seu caso seja para melhor.
    Abraços! Kenny Rosa

    ResponderExcluir
  7. Fez-me lembrar os tempos de escola: o lanche do recreio nada mais era do que o cachorro-quente servido nas barracas que se situavam em frente ao colégio.Não creio que seja do seu agrado a nova situação, mas contada com o seu humor característico, é de merrer de rir.
    Parabéns, Taís!

    ResponderExcluir
  8. Taís

    Deve ser o corante da salsicha do homem, a deixar estas tuas vizinhas assim tão alvoroçadas! ahaha!

    Boa crônica!

    bjo
    Cesar

    ResponderExcluir
  9. Taís, pelo texto percebo que o homem do cachorro quente dividiu a história da sua vida em duas etapas: antes dele e depois dele, rsrs.

    Tenha uma ótima semana, beijos.

    ResponderExcluir
  10. Eita Brasil que não tem fiscalização! Pode tudo! ...
    O que seus visinhos acham do HOMEM DO CACHORRO QUENTE?

    ResponderExcluir
  11. Voltei..E dei com um texto giríssimo...
    Ignorando o local certamente...Lá se
    foi o local 'IN' na troca com cachorro quente....E agora Taís....como fica a despromoção???Mas pelo menos a Amiga ficou a saber onde morava, sem sombra de dúvida...Há males que vêm por bem,rsrsrs.
    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Aqui perto de casa tem um pessoal assim. Mas que não me incomoda, porque, de mais a mais, já tem uma faculdade na frente. Daí que com a carrocinha ou sem, a diferença é eu ter que fazer o jantar para uma pessoa ou comprar um caldinho e subir pra descansar.
    Adorei a crônica. Divertida como sempre.

    Beijo grande =)

    ResponderExcluir
  13. Tais, vc não se debruça na janela pra ver a banda passar, mas, certamente, não permite que a vida passe, sem olhar para suas singularidades - enquanto tece paralelos com o cotidiano, valores e mudanças...adorável crônica, como sempre. O tom de humor tempera a profundidade do que vc aborda. Gosto muito!

    Uma semana ótima, com o sabor doce do feriado que termina, deixando quilos de chocolate espalhados onde não devia...rsrsrs

    Um beijo e meu carinho!

    ResponderExcluir
  14. Tais..

    Não sei se dou mais risada com a sua cronica, que por sinal muito bem escrita,
    aos seus amigos que fizeram os comentários ( não resisti, li um a um ).

    Ps. Não é que fiquei curiosa querendo experimentar o tal cachorro quente do homem? rs

    Um beijo..

    Ma Ferreira

    ResponderExcluir
  15. Tais....Obrigada pelo simpático comentário a respeito do meu trabalho.
    Acho que não viceria feliz sem a ceramica!!
    Bjkas
    Ma

    ResponderExcluir
  16. AAh amiga, como eu compreendo você!!!!
    Belíssima crônica escrita com muito humor.
    beijos

    ResponderExcluir
  17. Eu to indo para Porto Amanhã e se der uma passadinha ai nos teus arredores, vou ir na carrocinha de cachorro quente só pra ver se consigo visualizar você no prédio e de brinde, rs,rs ainda vou comer um cachorro sem coca- cola, porque não sou gosto deste sabor.

    Adorei , vc é capaz de pegar uma casca de laranja e escrever um livro, menina vc é show!

    Adoro este blog e parabéns aos comentaristas pois são sem dúvida muito melhores dos que os que ficam na TV.

    Abençoado dia a todos.

    ResponderExcluir
  18. É horrivel ver seu espaço , antes belo e agradavel ser invandido de tal forma , eu também ficaria louca se isso acontecesse pois tenho uma visão um tanto romântica de meu espaço , e o edificio ser conhecido como o edificio do homem do cachorro quente aff rsrsr , mas a vida é assim mesmo , o jeito é nos adptarmos , ainda bem que temos essa capacidade

    ResponderExcluir
  19. Oi, Stheffania, este é o 7º comentário que posto agora, que está vindo de você em diversos textos. Mas não tenho como entrar no seu perfil e nem conhecer seu blog como geralmente faço com todos os meus leitores.

    Mas agradeço muito por estar gostando.

    Um abraço
    Tais Luso

    ResponderExcluir
  20. Taís,

    Agora, vindo aqui reler os comentários novos, me ocorreu uma coisa, um mea culpa muito pessoal:

    Será que não somos muito elitistas? Será que não ficamos incomodados de ver "essa gente" invadir nossos sagrados espacinhos, nossos pequenos oásis? Confesso que sou um pouco assim, mas devo admitir que isso é horrível... Vai saber se amanhã nãpo serei eu a precisar vender cachorro quente pela rua?

    bjão, Tais
    Cesar

    ResponderExcluir
  21. Taís estou gostando mesmo do seu blog, sou fanática por leitura e quando me deparo com textos , interessantes e agradavéis de ler comento mesmo, pois acho que é uma maenira do autor ser reconhecido , a respeito do blog eu não possuo , só tenho orkut se quiser visitar meu perfil fique a vontade é só digitar meu nome.

    ResponderExcluir
  22. Tais, voltei!

    Não é segredo o quanto gosto daqui nem surpresa a minha opinião sobre a contribuição que vc faz trazendo temas importantes para reflexão - e debate.
    Por esta razão
    fiz esta indicação a você.

    Um bjo com carinho!

    ResponderExcluir
  23. DENISE, querida amiga, você é uma das tantas pessoas delicadas que conheço na blogosfera. Agradeço muito o 'mimo', já fui ver e já peguei para postar com tantos outros que tenho. Farei uma página com todos estes presentes que recebo dos amigos.

    Grande beijo, minha amiga!
    Tais

    ResponderExcluir
  24. Muiiiitoooo boa Taís!!!
    Adorei a vassoura psicodélica...
    As coisas são sempre assim, ou a maioria das vezes. Sempre nos associam as coisas menos requintadas, digamos assim. Eu morava ao lado do boteco do Zaqueu. Apesar de minha rua ter uma pequena e bonita igreja e uma praça para as crianças bem em frente... rsrsrsrs

    Grande beijo Taís!

    ResponderExcluir
  25. Tais, como disse lá no Tecendo, vc merece as dezenas de mimos que tem guardados, será uma festa quando juntá-los todos!
    Obrigada por receber mais este, com este carinho de sempre.
    Bjos querida!

    ResponderExcluir
  26. Acho que o maior problema é a vassoura vermelha! rs És gremista, amiga? Estou brincando, é claro!
    Eu moro ao lado do parcão da cidade. Não imaginas a quantidade de gente (que vem sei lá eu de onde)ao parque aos finais de semana e feriados. E, inclusive, muitos vendedores de cachorro-quente. Coisas da vida... Mas eu também prefiro o sossego de antes!
    Beijos, lindona!

    ResponderExcluir
  27. Taís,amiga,que beleza de crônica.Tens um potencial e tanto para as letras.Gostei muito,mas também me sentiria mexida se uma van viesse se instalar em frente a minha casa para vender cachorro quente,e dar consultas às minhas vizinhas risos...mas nem tudo dura para sempre.Linda crônica,parabéns! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  28. Querida Taís, como não gosto de cachorros quentes, não corro o risco de me acontecer o mesmo.
    Excelente crónica. Tem dose que chegue para a tirar do sério.
    Adorei porque não estou na sua posição...não sei como reagia se fosse comigo.:)
    Bjito e uma flor

    ResponderExcluir
  29. kkkkkkkkkkkk. Eu já teria dado um ataque, além de toda desordem que o homem provocou na linda rua com pés de jacarandás, eu ODEIO cachorro quente, não como nem morto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  30. Taís, que delícia! rsrs

    Esse texto mexeu, inclusive, com o meu olfato. Fui lendo e sentindo o aroma. rsrs Sou do tempo em que um sanduíche de cachorro quente se constituía de pão, salsicha e aquele molho feito com tomate, cebola e pimentão. No máximo, a gente salpicava nele o catchup e a
    mostarda. E era vendido em lanchonetes, cantinas de escolas, ou feito em casa. Hoje, é oferecido em vans, (aqui, em Maricá, tem um famosíssimo, rsrs), e a salsicha fica literalmente soterrada sob batatas fritas, maionese, alface, e sabe-se lá mais o quê... Mas, ao que parece, o "bichinho" daí é tão quente, tão quente,... que colocou a ferver o bairro inteiro... rsrs

    Ói, amiga, ri muito "te lendo." Só você mesmo para me fazer rir neste momento. Espero que o pé de
    jacarandá resista aos "encantos" da vassoura psicodélica e permaneça saudável, até que o bom senso prevaleça e esse cachorro vá latir em plagas mais adequadas. rsrsrs Eu vejo pelas vans daqui... À noite, quando se retiram é muita bagunça, muita sujeira, muito mosquito, apesar dos proprietários das vans terem também, cada um, a sua versão de vassoura psicodélica. rsrs

    Eu adoro cachorro quente, mas estacionar uma van em frente a um prédio residencial... Digam o que disserem, não concordo com isso, não. Não sou contra as vans. Mas elas devem estacionar em lugares apropriados e serem devidamente fiscalizadas para que não se tornem uma ameaça à saúde pública.

    Maravilha, Taís! Maravilha!

    Bjs, querida, por aqui, para variar, tudo igual. Inté!

    ResponderExcluir
  31. RsRsRs.... Juro que se morasse na sua cidade, te pediria o end. do point!
    Talvez não haja tanta beleza na vassoura entre as flores, mas já vi que tem muita história para ser contada entre esses caixotes por ai... Olhe pelo lado bom, bateu a fome!?! Além do cachorro quente, vem de brinde o segredo da fulana, ou a notícia bombástica do sicrano, criaturas que antes mais pareciam personagens de "margarina" rs!
    Tem coisas que não dá para evitar...
    Ainda bem que ele tem uma vassoura blush, pelo menos ele tenta deixar limpinho aquele romantismo!
    Bjo!

    ResponderExcluir
  32. Taís, bom dia!
    Ler suas crônicas é sempre muito gratificante, e confesso que virou um hábito, sempre que me sobra um tempo acesso e fico lendo as recentes e as antigas, gosto muito da maneira como coloca o problemas do dia a dia e as vezes me ponho a refletir. Quanto ao cachorro quente não gosto muito, penso que essas vans precisam ser acompanhadas de perto pela vigilância sanitária para não se tornarem um problema para a saúde pública. Um grande abraço!
    Magnólia

    ResponderExcluir
  33. Ta vendo? a tal "carrocinha" do cachorro quente não serve, somente, para matar a fome, serve, também, como ponto de referência.

    Adorei o Blog!!!!

    ResponderExcluir
  34. "Todos querem o perfume das flores, mas poucos sujam as suas mãos para cultivá-las."

    (Augusto Cury)

    http://www.lleandroaugustto.blogspot.com/

    http://www.eu-e-o-tempo.blogspot.com/

    Um grande abraço: Leandro Ruiz

    ResponderExcluir
  35. Tais...
    Voltei hj pra te dizer que lembrei de vc.
    Eu tinha em dezembro chegado no meu objetivo em relação a meu peso.
    Natal, praia, viagem, carnaval..voltei no endócrino hj..
    e para felicidade minha engordei só tres quilinhos. Facil de resolver..
    Lembrei da sua cronica. Me deu uma vontade de comer cachorro quente.
    Fiquei com água na boca.Pena que não sei que bairro mora;;rsrs
    Amanhã almoço cachorro quente!!
    bjks
    Ma Ferreira

    ResponderExcluir
  36. Oie..
    Passei por aqui pra te desejar um excelente final de semana!!!

    E que seu vizinho "cachorreiro", tire uma folga pra descandar!!
    Beijo,

    Ma Ferreira

    ResponderExcluir
  37. Já que moramos na mesma capital, ficarei atenta quando me deparar com uma Van e sua vassoura psicodélica... Fiquei curiosa.. Talvez até compre um cachorro quente, vou te confessar que as vezes até dá uma vontade de comer um ... E com bastante molho rsrsrs
    Um lindo final de semana, apesar do tempo nublado. BJS

    ResponderExcluir
  38. Como diz o ditado: se não pode vencê-los, junte-se a eles. Boa sorte, você vai precisar.

    ResponderExcluir
  39. Gostei da descrição... mas o ambiente é tórrido!

    Será que o homem do cachorro quente tem os neurónios de cachorro quente!?

    ResponderExcluir
  40. gostei do texto e das circustâncias; 'tou pensando em instalar, aí, uma rádio comunitária

    que achas?

    he, he!

    ResponderExcluir
  41. Há tempos não aportava por aqui, e nunca me decepciono quando arrumo um tempinho pra isso,que beleza de crônica, Thaís! Ah! Obrigada pelo comentário lá no meu blog.
    Beijão e boa semana!

    ResponderExcluir
  42. Tais.. seu texto foi magicamente engraçado e me fez rir.. comecei a ler e não queria parar.. muito pelo contrario, queria era chegar ao final e ver o que aconteceria com o "homem do cachorro quente".. pelo que pude perceber, ele continua em frente ao predio onde você mora, só fico torcendo para que as fofocas e lamurias acabem por lá.
    Bjus

    ResponderExcluir
  43. kkkkkkkkkkkk, o homem do cachorro quente, a vassoura...
    Essa foi muito boa!!!

    ResponderExcluir
  44. Anônimo05:18

    Muy bien escrito !.. Está totalmente claro !.. Está claramente expresado !

    .

    Feel free to surf to my web blog ... cachorro

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso