4 de outubro de 2010

PRA QUE TANTA PRESSA?


- tais luso de carvalho


Quando se é bastante jovem parece que o tempo que se tem pela frente é infinito; aquela coisa do dá e sobra. Sobra tempo pra se correr atrás do supérfluo, da fama, do belo, de dançar, nadar, estudar, praticar esporte, viajar para os lugares mais exóticos do planeta e conhecer gente muito diferente. Talvez gente que nem exista, de tão diferente... E parece que dá pra tomar o café da manhã em Macchu Picchu e jantar no Egito, tamanha a disposição. Haja fôlego, haja vontade.

Porém, um dia a gente amadurece: cabelos brancos camuflados por tintura, o rosto já com marcas de expressão e encarando o que a vida não esconde. Tudo aquilo que ela nos mostra durante o percurso já dá pra ver. Agora a coisa é diferente! Estamos mais madurinhos. Mas num ponto bom, como os melhores vinhos.

Conheci uma pessoa que ao aposentar-se entrou na onda de viajar. Uma onda meio obsessiva. E se foi; se largou com a ideia de conhecer o mundo. Ela foi com uma amiga bem mais jovem. Porém não aguentou o tranco. Passou um mês batendo canela, tudo muito ligeirinho. Foi a vários países, mas pouco viu. Pouco usufruiu. E voltou cansada e arrependida; sua viagem  deveria ter sido feita com mais calma, mais estudada e menos alucinante. A melhor viagem é aquela que traçamos dentro do nosso ritmo e do nosso gosto.

A rotina assusta muitas pessoas. A calmaria é confundida com tédio. Vejo pessoas da 3ª idade se mexendo mais que adolescentes: nadam, dançam, viajam, estudam, namoram num ritmo da pesada. Calma, pô! Que montanha-russa! Aonde esta gente quer ir com tanta pressa?

Com o passar do tempo já deu pra perceber que não quero isso pra mim. Quero ter calma e poder ver na rotina algo saudável, como realmente é. Não sei por que a rotina  é tão mal falada. Ela tem seus encantos, sua calma. E é nela que amadurecemos.

Por tudo isso que é bom, em muitas ocasiões, fecharmos o bico: sempre aparece algum crítico para estragar a nossa festa dizendo o que temos de fazer, para onde temos de ir,  e com quem. São aqueles que sabem de tudo e se coçam pra dar um pitaco na vida dos outros. E essa paranóia de ter de fazer muitas coisas  a mil, acaba nos levando a entrar na deles.

Há anos, fiz uma dessas viagens, estabanadas, por estradas que levam à Argentina. Mas depois sentei pra pensar e vi a loucura feita. Quanta pressa: Ô COISA BEM LOUCA!

Tô noutra.

19 comentários:

  1. Olá Tais

    Você tocou num ponto muito importante. Parece que virou moda a idéia de que é preciso viver, conhecer, disfrutar, usufruir, como se nos restasse apenas mais alguns minutos. O gostoso da maturidade é justamente a maturidade. Planejar, se organizar para poder gozar os momentos bons, os passeios, os novos horizontes que se abrem. Podemos ter uma outra visão das coisas diferentemente da juventude que tudo quer em um segundo. Mas parece que muita gente até isso tem que aprender. Viver é saborear, não engolir. Disfrutar os anos que nos restam com qualidade, bom gosto, planejamento, esse é o diferencial que separa a maturidade da juventude.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Olá querida, está sumida...
    e eu também, como sempre tudo que escreve é maravilhoso..
    Beijo grande em seu coração...
    Fátima
    http://aumentandoaautoestima.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. "Eu fiz um acordo com o tempo... Nem ele me persegue, nem eu fujo dele... Qualquer dia a gente se encontra." Eu tô nessa aí, que o Mário Lago ensinou. Abração, Tais. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  4. Oi Taís,

    Isso é uma verdade, muitas vezes vivemos tão agitados, num corre-corre tão grande e para quê? Perdemos o melhor da vida que é simplesmente vivê-la, sem pressa, sem correria, vivendo um dia de cada vez. Aprendendo a saborear aquilo que ela nos traz ( e ela não nos traz só coisas ruins, tem muita coisa boa também).

    Estou aprendendo (muitas vezes aos trancos e barrancos) a tirar o pé do acelerador. Não é fácil, mas é preciso.

    Gostei muito da crônica.

    abraços.

    ResponderExcluir
  5. Com certeza é tempo de degustar, apreciar, sorver com calma cada gota, notar as sutilezas, discriminar os sabores, notar as nuances.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Tais,

    Ta aí uma grande verdade! Corramos! Todos se empurram nessa escadaria de maluco, que só sobe, em direção ao tal sucesso. Aliás, você poderia escrever um dia desses sobre essa "obrigatória busca pelo sucesso".

    Bem, os relógios lá de casa estão todos que nem o do Dali, escorrendo, tamanha pressa do dia-a-dia! Ah, mas quando estou de férias, o que é raríssimo, aí só quero calmaria e paz... Não me venha convidar pra acompanhar guia turístico e passeio ecológico lá nas minhas férias! Sou aquele que fica no hotel dormindo um pouco mais, enquanto todos já estão saltando às 6h e indo ao encontro do ônibus e dos passeios eletrizantes!

    Para mim, de eletrizante já chega SP!

    bjo
    Cesar

    ResponderExcluir
  7. ô Taís,
    É isso mesmo, as pessoas só querem viver tudo e rapidamente. VIVER, VIVER E VIVER!! Mas, o que é viver? Bom, para mim, no presente momento, é isso que estou fazendo, lendo sua bela crônica e escrevendo esse comentário. Uma rotina tranquila, sem correrias, no meu ritmo. Vivendo um bom momento, lendo um texto que me apraz. Para outros isso não passa de chatice, um tédio. É a confusão entre rotina e tédio. Confusão essa que, a meu ver, foi propositadamente instalada no inconsciente coletivo por pessoas interessadas em aproveitar de uma forma ou de outra, esse contingente de entediados. (Vc já viu o que vende esses livros de auto-ajuda, e a proliferação de tratamentos alternativos para os males "do coração"? etc.) É mais ou menos como o vírus e o anti-virus. Ainda pretendo desenvolver melhor essa idéia.
    Adorei sua crônica. Ótima, aliás, como sempre. E concordo com você, nada de correria. Vamos respirar!
    Bjssssssss

    ResponderExcluir
  8. Engraçado, a crônica é considerada um gênero com pouco "pedigree", mas é, paradoxalmente, um texto muito bom de se ler, que vai indo, despretensioso, e levando a gente atrás. Como um sono na rede, uma coisa boa. As suas, Taís, são ótimas.
    Eliane F.C.Lima

    ResponderExcluir
  9. Adorei a crônica. Acho que estou passando pela fase do rapidão. Não que eu queira isso, mas as pessoas exigem que você seja apressada, eficiente, que faça muitas coisas e que viva com o botão multitarefa permanentemente ON. Um dia conquisto meu direito à tranquilidade.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Sempre digo, que viver a vida intensamente faz com que percamos a essência das coisas simples...Também não quero isso pra mim, assino em baixo. Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Precioso relato...parece que si corremos por la vida no nos haremos mayores... y no por eso vamos apara el tiempo... que al final es el que no da la calma
    Muchas gracias por la visita
    Besos

    ResponderExcluir
  12. Bem, faz tempo passei da idade de viver correndo como quem precisa "tirar o pai da forca." Conheço muita gente da minha idade que é assim. Mas não acredito na possibilidade de equilíbrio emocional sem alguma rotina.

    Adorei a crônica, Taís!

    Bjs, amiga, e inté!

    ResponderExcluir
  13. ººº
    Corroboro a 1ª parte do seu texto.

    Sinto nostalgia dos meus tempos de juventude.

    ResponderExcluir
  14. Isso mesmo: calmaria!
    A gente passa a vida toda cheia de compromissos, correndo daqui pra lá e vice-versa!
    Com a aposentadoria ou simplesmente com a chegada da maturidade, deve-se usufruir da calmaria.
    Eu estou nessa: tipo, "tô nem aí, tô nem aí..." rsrsrs
    Beijocas, lindona!
    Bom feriadão, com muuuuita calma!

    ResponderExcluir
  15. Bela crônica, Taís.
    Quem muito corre, tende a cansar...
    Tudo é uma questão de equilíbrio, ou seja, nem tanto e nem tão pouco.
    Viajar é maravilhoso, desde que planejada a viagem de modo despretensioso, respeitando o se próprio tempo e momento.
    Aquela viagem do tipo, "fui a Europa e coheci mais de 10 países..." é loucura e exibicionismo puro. Às vêzes, um único lugar, aqui mesmo nesse nosso país maravilhoso, nos faz sentir muito bem e verdadeiramente renovados. Viagem à Europa como nas Américas, ou qualquer lugar do mundo,deve ser feita por prazer.
    Beijos de luz

    ResponderExcluir
  16. Penso que cada fase tem de se curtida de acordo, não adianta deixar para a velhice, é bom enquanto se é mais novo já começar a ter este gosto, de conhecer novos lugares e novas pessoas...

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  17. Todos temos o nosso tempo interior e este sim, contém em si toda a sabedoria.
    bj grande

    ResponderExcluir
  18. É muito importante ver uma escritora de teu calibre, defender esse assunto com essa propriedade que é tua marca registrada.Concordo plenamente e me descubro ainda mais amiga da rotina,da tranquilidade...
    Parabéns!
    Abaixo o sufoco!
    Te amo!

    ResponderExcluir
  19. Em primeiro lugar, queria salientar que achei tua fisionomia muito parecida com a atriz global Irene Ravache, identica! Em segundo lugar, queria concordar com voce nesse texto , acho que o que importa não é a quantida e sim a qualidade, a gente atropela o ritmo da vida com essa pressa toda. Em terceiro lugar, te comunico que ganhaste uma fã, seguidora e comentarista fiel.

    Abraços.

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso